18 dezembro 2020

Resenha | O Duque Que Eu Conquistei - Scarlett Peckham

Livro: O Duque Que Eu Conquistei
Série: Os Segredos De Charlotte Street #1
Gênero: Romance de Época
Autora: Scarlett Peckham
Editora: Arqueiro
Páginas: 288
Ano: 2020

Resenha:

Poppy Cavendish está desesperada. Após perder seus pais, ela foi morar com seu tio Charles em Bantham Park. E seu tio sempre deixou claro que ela herdaria sua fortuna particular e uma casa de campo, que não estão vinculados ao título, e por todo o tempo que morou com ele Poppy fez seu horto crescer e ela até ganhou uma boa reputação como artesã de arranjos sofisticados para bailes. Mas seu tio acabou de falecer e a prometida fortuna não existia. Agora Poppy tem duas semanas para mudar todas as suas plantas para a casa de campo antes do herdeiro de seu tio chegar. O problema é que lhe faltam duas coisas essenciais para concluir o serviço: dinheiro e mão de obra. 

Cada alma apta para trabalhar em Grove Vale foi contratada por Archer Stonewell, o duque de Westmead, para a reforma em sua propriedade. Mesmo sendo a ultima coisa que queria fazer em sua vida, Archer está decidido a se casar para gerar um herdeiro, garantindo assim que o título e suas propriedades não vá parar nas mãos de alguém que torne a vida de seus arrendatários um inferno, como era com seu pai, e isso sem falar em sua irmã Constance. Sua irmã aliás que está encarregada do baile onde ele irá encontrar sua futura duquesa, uma mulher que saiba bem o tipo de casamento que está entrando, que o amor não fará parte dele. E Constance insiste que seu baile precisa ser memorável e quer a todo custo transformar o salão de baile em uma floresta e só um nome lhe vem a mente: Poppy Cavendish.

Mas Poppy recusa o serviço por falta de tempo e só muda de ideia quando Constance e Archer lhe dão as duas coisas que ela mais precisa. Por um valor exorbitante e com o duque cedendo os homens que ela precisa para a mudança, Poppy vai fazer o impossível para agradar Constance. Até mesmo participar do baile como convidada. Mas logo após o baile começa a circular um boato acabando com a reputação de Poppy e Archer decide pedi-la em casamento. Na verdade ele propõe um negócio, já que se Poppy aceitar, ele vai ter seu desejado herdeiro e Poppy os recursos que precisa para expandir seus negócios. O problema é que Poppy percebe que deseja mais do que somente o dinheiro de Archer e ele não sabe como ela vai reagir ao descobrir seu segredo mais obscuro.

"A presença dela em sua casa era como a de Perséfone no submundo, uma luz na escuridão. O que fazia dele seu Hades, que a convencera a estar ali contra sua vontade e a assediava com sementes de romã, tentando-a a ficar para sempre."

Scarlett Peckham é a nova aposta da Arqueiro nos romances de época. E posso dizer sem sombra de dúvida que a autora já me ganhou nesse primeiro contato e que preciso para ontem do próximo livro da série. Com uma proposta inovadora para o gênero, a autora trouxe algo de novo que com certeza vai surpreender os leitores e dar uma levantada nas histórias que seguem um mesmo roteiro pré-determinado, que sim agrada quem é fã do gênero, mas sempre é bom dar uma renovada e ser surpreendida ao ler uma história tão diferente e que poderia se passar por um romance contemporâneo se não fossem as datas especificando o período em que ela acontece.

Uma das coisas que já surpreende logo no prólogo é saber que a história vai falar sobre BDSM. Não é spoiler já que acontece logo nas primeiras páginas do livro. E pelo assunto ter sido abordado algumas pessoas se empolgaram e já começaram a classificar o livro como um Cinquenta tons de época. Mas não se preocupe, você que leu e não gostou da trilogia citada, não é nada disso que encontramos no livro. Tem sim BDSM, mas a história não gira em torno disso e temos dois protagonistas seguros do que querem e que aceitam sua sexualidade e em nenhum momento temos nada abusivo ou distorcido sobre a prática.


Mas o que conquista mesmo no livro são os protagonistas. Fazia tempo que não lia um romance de época onde os protagonistas se equiparavam em tudo. Sempre temos ou a mulher ou o homem se sobressaindo e as vezes até compensando a falta de presença do outro. Aqui temos dois personagens incríveis que se destacam da mesma maneira e foi impossível escolher um lado. Amei os dois com a mesma intensidade. E até por essa força dos protagonistas que acredito que a autora escolheu não trazer personagens secundários para a história, Constance é a exceção, e claro que já preciso do livro dela, que será o segundo da série.

Mas apesar de ter amado quase tudo na história, não pude favoritar porque temos aqui algo que me irrita muito nos romances, os personagens não conseguem falar o que sentem. Desde o instante em que eles se conhecem fica claro que os dois ficaram atraídos um pelo outro e quando o bendito casamento de conveniência acontece, que aliás é um dos clichês que amo no gênero, eles já estão visivelmente apaixonados. Custa dizer o que estão sentindo em vez de ficar sofrendo por causa de mal-entendidos? Mas enfim é um romance do gênero que indico muito, até mesmo para quem nunca leu nada e quer conhecer o gênero. Quanto a capa é impossível olhar para ela e não lembrar da Poppy.

Nota:










15 comentários:

  1. Oi Sil, eu também gostei bastante do livro e dos personagens, achei bem interessante o BDSM inserido, tudo muito leve aliás. Já quero outros livros da protagonista!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  2. Oi, Sil. Como vai? Que bom que você gostou da leitura deste livro, o fato de você amar romance de época ajuda bastante você curtir a leitura. É difícil você desgostar de livros deste gênero não é mesmo? Sua resenha ficou excelente. A capa deste livro é muito bonita. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oii Sil, tudo bem? Eu quero muito ler esse livro, só Falta disposição rs
    Beijos!
    https://deliriosdeumaliteraria.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Ei, Sil, tudo jóia? Tive que procurar no Google para saber o que significava a sigla BDSM kkkk. A leiga que eu sou. Mas enfim, eu adorei a história e parece ser daqueles que no final deixa o leitor com um sorriso bobo no rosto. E protagonistas carismáticos são uma das coisas mais maravilhosas do mundo literário, na minha opinião. Já gostei disso, beijo!


    Books House

    ResponderExcluir
  5. Oi Sil, tudo bem?
    Estou vendo que esse livro é unânime! Minha mãe está de olho nele desde o lançamento, rs.
    Talvez eu retorne aos romances de época por ele, achei bem diferente essa pegada BDSM numa época considerada mais... amorzinho, como geralmente esses livros são.
    beeeijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi Sil! Ainda não li este livro, mas você não é a primeira que menciona que é diferente do que já vimos. Estou curiosa demais e espero gostar, afinal personagens como você descreve são raros de ver juntos. Em breve eu leio.
    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  7. Oi, Silvana! Parece um bom livro, realmente. confesso que a pegada BDSM me interessou mais pela curiosidade em saber como a escritora abordou o assunto. Coisa de leitor que escreve. rsrs... Eu não li o livro Cinquenta Tons de cinza, mas vi os filmes. No início, muitos diziam que os livros eram bem mais fortes do que os filmes. Agora que já se passou um bom tempo, vejo pessoas dizendo que o livro é o mesmo que o filme, que essa história de que é mais pesado é conversa. Bom... acho que só vou saber se eu ler algum dia.

    Espero você ler o segundo, então, para contar oque acohu e como anda a trama. Acho que esse segundo vai demorar. Será?

    Um abraço. Boa semana.

    ResponderExcluir
  8. Ah, eu li o tal conto que a Dark Side disponibilizou gratuito em PDF e te digo que não tem nada de horror nele. Eu gostei porque é um conto de Natal mas tem referências aos anos noventa. Um abraço, querida. Tudo de bom.

    ResponderExcluir
  9. Oi Sil, tudo bem?
    Por enquanto só li romances de época da Lisa Kleypas e já peguei várias dicas aqui no seu blog pra diversificar. Essa é mais uma delas! Adorei que falem de BDSM de forma natural, sem distorcer a prática. Fiquei bastante curiosa pra conhecer o livro!
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  10. Oi, Sil! Tudo bom?
    Eu nunca li nada da autora, mas gosto de saber que tem equilíbrio entre os protagonistas. Que é o tipo de romance de época consciente e que consegue trazer elementos saudáveis pra uma relação amorosa, mesmo se passando antigamente. Não aguento maaaaais ler romance de época que relativiza abuso porque "era assim antes" ah vá vá.
    Vou deixar na wishlist pra eventuais promoções, mas ano que vem vai ser ano de economia!

    Beijos, Nizz.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  11. Amei a capa desse livro! Apesar de não ler muito do gênero, adorei saber que você foi envolvida e que gostou da história.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  12. Oi, Sil. Tudo bem?
    Fiquei interessada nessa pegada de romance de época com BDSM, eu não tenho costume de ler romances de época e acho interessante começar por algo diferente. Sobre os dois não falarem sobre os sentimentos, eu vivo constantemente brava com personagens de livro por causa disso, hahaha. A vida deles facilitaria muito.

    Beijos, Vanessa
    Leia Pop

    ResponderExcluir
  13. Ola tudo bem? Minha primeira visita aqui e adorei !!
    Eu ainda nao li nada dessa autora, e gosto bastante de romance de época, mas estava achando os lançamentos muito mais do mesmo sabe?
    Eu curti a resenha, e parece mesmo que é um que diferente, rs vou add na lista!!

    Bj
    Sara

    Todas as Coisas


    ResponderExcluir
  14. Oi, como vão as coisas nesse fim de ano?

    Apesar de eu não curtir muito romances, os de época têm um brilho a mais, você não acha? Eu acho que eu não conhecia esse livro e nem a autora, mas gostei das suas considerações sobre.

    Abraços!
    Jurista Geek

    ResponderExcluir
  15. Sil, eu tô com esse livro no e-book para ler. :) Mas acho que só vou conseguir no próximo ano hehehe. Adorei a resenha e eu amo clichês, porém, renovadas também são bem-vindas. E irrita mesmo quando os personagens não conseguem falar o que sentem, mas acho que já faz parte hehehe. No mais, acho essa capa linda e ansiosa para embarcar nessa história. ♥

    Beijos, Carol
    www.pequenajornalista.com

    ResponderExcluir

© Blog Prefácio ♥ 2016 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo