22 agosto 2019

Resenha | O Gosto Da Tentação - Elizabeth Hoyt


Livro: O Gosto Da Tentação
Série: A Lenda dos Quatro Soldados # 1
Gênero: Romance de Época
Autora: Elizabeth Hoyt
Editora: Record
Páginas: 378
Ano: 2018

Resenha:
O Gosto da Tentação é o primeiro livro da série A Lenda dos Quatro Soldados, a nova série da Elizabeth Hoyt publicada aqui no Brasil. Cada livro vai contar a história de um soldado, e nesse primeiro livro nosso protagonista é Samuel Hartley, ex soldado do exército britânico nas colônias, que lutou no massacrado vigésimo oitavo batalhão em Spinner’s Falls. Sam é um bem-sucedido homem de negócios de Boston, mas como ele não foi criado na cidade, seus modos são um tanto rudes se comparado aos dos aristocratas. Mas ele veio para Londres a negócios e quer frequentar a sociedade e para isso precisa de alguém que acompanhe sua irmã Rebecca e a pessoa mais indicada para isso é Lady Emeline Gordon, cuja reputação é impecável e ela é exemplo de elegância e sofisticação.

Emeline não está muito convencida em aceitar ser tutora de Rebecca, porque se ela for parecida com o irmão, será praticamente impossível tornar Rebecca uma lady. Mas quando Samuel diz que serviu junto com Reynaud, irmão de Emeline, seu coração amolece e ela acaba aceitando. Mas Emeline não é boba e percebe que Samuel está escondendo alguma coisa e que seus motivos para ser aceito na sociedade não são exatamente os que ele apresentou. E Emeline está certa. Samuel veio para Londres com um objetivo em mente, ele tem certeza de que o massacre do vigésimo oitavo batalhão, que também levou Reynaud, aconteceu porque alguém de dentro traiu todos eles. E ele já tem um suspeito, Lorde Vale.

Mas o que Samuel não imaginava é que seu propósito fosse ser ofuscado por uma mulher completamente diferente de todas que ele já conheceu. Toda vez que chega perto de Emeline, ele não consegue pensar com clareza já que seus pensamentos são todos nela. Emeline é uma viúva com um filho pequeno para criar, que por enquanto vem fazendo um bom trabalho em cuidar das coisas sozinha. Mas ela não pretende ficar assim por muito tempo, já que está noiva. E para surpresa de Samuel, Emeline está noiva justamente do seu suspeito. E apesar de saber que um homem como ele nunca vai poder ter alguém como Emeline, ele não consegue deixar de desejá-la. Ainda mais que Emeline parece sentir o mesmo que ele, mesmo que negue até a morte.

Eu já tinha lido a Trilogia dos Príncipes da autora e gostei bastante dos três livros (preciso publicar a resenha deles hehe). Mas infelizmente acabei me decepcionando bastante com o primeiro livro dessa série. Foi uma leitura muito arrastada. Geralmente romances de época eu leio em no máximo dois dias e esse eu demorei uma semana e isso porque me obriguei a ler, porque se não, acho que teria demorado mais de mês. Sabe aquele livro que você lê, lê e olha só passou duas páginas? Eu achei que nunca ia chegar na página cinquenta porque eu lia um monte e olhava ainda estava na mesma página. A história não prende, os protagonistas não são carismáticos e infelizmente não gostei de quase nada na história.

E na verdade eu dei duas estrelas porque em cada abertura de capítulo, temos um pedaço da história de um dos soldados da Lenda que dá nome a série. Nesse primeiro livro temos a história do primeiro soldado o Coração de Ferro. Eu amei a história dele e diferente do que aconteceu com a história da Emeline e do Samuel, eu queria saber o que ia acontecer com o Coração de Ferro e confesso, fui virando as páginas para os começos dos capítulos para ler logo a história dele. E esse, além da capa que achei linda e de muito bom gosto, foi o motivo de eu não ter dado a menor nota para o livro. Eu não gosto de fazer isso, amo dar uma nota máxima e um favorito, mas esse livro me decepcionou muito.

Romances do gênero geralmente são previsíveis e a gente já sabe como vai terminar, e na minha opinião uma das coisas que destacam na história e fazem com que ela se torne diferente das outras, são os diálogos bem escritos, o que aqui também deixou a desejar. Era tudo muito mecânico e chato. Igualzinho aos protagonistas, chatos e esquecíveis. Eu não gostei do motivo para ela não querer ficar com ele, que foi eles serem de classes sociais diferentes. Eu sinceramente torci para que o Samuel desse um chega para lá na Emeline. O Coração de Ferro aqui no caso não era o soldado e sim a garota. Mas enfim, não foi porque o livro não funcionou comigo que você não vai gostar, por isso leia, quem sabe nossos gostos são completamente diferentes e você aprecie bem mais do que eu.

Nota:











21 agosto 2019

#1 | Da Netflix - Meu eterno talvez

Olá gente linda, hoje inicia a tag #Da Netflix. Vamos falar e sugerir filmes e series das quais assistimos. Adianto que vamos falar de forma clara, daquele jeitinho de quando indicamos algo bacana para a nossa amiga.

E iniciando hoje falarei da comedia romântica MEU ETERNO TALVEZ .



Sasha e Marcus se conhecem desde 1996. Se tornam amigos e muito próximos. Os pais de Sasha trabalham muito, onde a deixam a maior parte do tempo sozinha, sendo assim ela é próxima dos pais de Marcus. Infelizmente um dia, após uma discussão ambos deixam de se falar e cada um segue sua vida.
Após alguns anos, Sasha é uma reconhecida chefe de cozinha celebridade e volta a sua cidade (São Francisco) para abrir um novo restaurante.
Marcus continua morando com o pai, trabalhando com manutenção de ar condicionado e continua com a banda da adolescência.
E seus caminhos se cruzam novamente. E a conexão entre os dois volta a fluir.
Porém Marcus está namorando uma "hippie" e Sasha está noiva.
Varias coisas acontecem durante esse reencontro e o desejo de que eles se aproximem fica latente.
****

Aqui pode ter SPOILER



Sasha é uma mulher empoderada, que se dedica a sua profissão, mas mantém uma relação rasa com os pais.
Uma das coisas que admirei na personagem é ela usar óculos sempre. Até mesmo em eventos chiques. (Quem usa óculos aqui entender o que vou dizer. Quantas vezes ouvimos que óculos nos enfeia? etc... Representatividade)
É uma mulher que sonhou alto e que foi a luta dos seus sonhos. E como toda mulher, acaba se envolvendo com homens que não a valoriza. Mas acredita que o homem ideal é o esteriótipo que já conhecemos. Em contraponto Sasha é uma mulher simples e que instiga Marcus para evoluir e investir em sua banda.


Marcus continua vivendo com o pai, após a morte de sua mãe, com a desculpa de que precisa cuidar dele. Deixando seus sonhos e os desafios da vida. O que o deixa inseguro.
Uma das melhores partes é sua briga com o Keanu Reeves. Uma das melhores do filme.
Marcus é um homem simples e que admira e ama sua melhor amiga, mas que não sabe lidar com tudo o que está envolvido em estar ao lado dela.

Meu eterno talvez é um filme que tem como pano de fundo, temas importantes. como:
Os atores principais são coreanos, a melhor amiga de Sasha é lésbica, existe uma variedade de etnias o que nos traz uma familiaridade.
Existe uma crítica a pompa da alta gastronomia e suas extravagancias. E a valorização a comida caseira e com historia.

E por ultimo Sasha nos joga um questionamento ao convidar Marcus para ir com ela a Nova York.
- Qual o problema em você me apoiar? Ninguém me questionaria se fosse o contrário! - Sasha

- A comida (asiática) não é pra ser elevada e sim autentica... e não ser servida em copinhos, e sim em tigelas. - Marcus



****

Vocês já assistiram o filme? Conta pra gente o que acharam.

Beijos








19 agosto 2019

Resenha | Ofélia - Lisa Klein


Livro: Ofélia
Série: Não
Gênero: Romance, Releitura
Autora: Lisa Klein
Editora: Verus
Páginas: 266
Ano: 2019

Resenha:
Ofélia conheceu Hamlet quando tinha oito anos, mas só dois anos depois conseguiu falar com ele pela primeira vez. Poucas crianças conseguiam a atenção do príncipe, que estava sempre com o melhor amigo Horácio. Ofélia não conheceu sua mãe, que morreu no seu parto, e o pai ignorava ela e seu irmão Laertes, quatro anos mais velho que ela. Por isso quando Ofélia conheceu o príncipe, teve muita inveja do amor que sua mãe Gertrudes lhe dedicava. Seu pai quase levou a família a falência até que descobriu informações relacionadas ao inimigo da Dinamarca, o rei Fortinbrás e conseguiu a posição de ministro do rei Hamlet, que foi quando eles se mudaram para dentro do castelo de Elsinor e ela conheceu o príncipe. 

Mas Ofélia só conseguiu a atenção do príncipe Hamlet mesmo, no dia em que ele a encontrou brigando com seu irmão e um tempo depois quando ele a defendeu de um ataque de Edmundo, um amigo de seu irmão, enquanto estava nadando no rio. Mas não foi só o príncipe que a notou. Seu pai percebeu enfim que Ofélia estava virando uma mocinha e precisava de cuidados de uma mulher e Ofélia foi levada para ser uma das dama da rainha Gertrudes. No começo foi bem difícil porque Ofélia não sabia fazer nada que uma dama faz, como costurar e bordar, mas quando a rainha Gertrudes descobriu que Ofélia era alfabetizada em latim e francês, ela foi "promovida" e começou a ler em voz alta para a rainha e suas damas. E Ofélia foi ficando cada vez mais próxima da rainha, a quem amava como uma mãe.

Os anos se passaram e Ofélia agora com quinze anos é a mais leal das damas. E companhia constante de Gertrudes, que sente a ausência do príncipe Hamlet que está estudando e velejando pelo mundo. Mas quando o príncipe, agora com vinte e dois anos volta para Elsinor, não é só Gertrudes que fica radiante. Ofélia se apaixona assim que coloca os olhos em Hamlet. E o príncipe parece sentir a mesma coisa. E assim passam-se os meses com os enamorados trocando poemas e beijos roubados. Mas as coisas mudam drasticamente quando o rei Hamlet vem a falecer e Cláudio seu irmão assume seu lugar no trono e na cama da viúva, despertando a ira e a desconfiança de Hamlet. Então Ofélia se vê presa em uma trama de vingança e chegará o momento em que ela vai ter que escolher entre seu amor ou sua vida.

"Meus olhos encontraram os de Horácio, e vi que seus pensamentos seguiam o mesmo caminho que os meus. Ele se afastou, mantendo o braço alto para evitar que eu falasse.
— A peça de Hamlet nos colocou em perigo mortal — disse. — A senhora não deve parecer minha amiga; não, seja uma estranha. Agora vá"

Há uns 16, 17 anos atrás eu trabalhei em uma escola e como não tinha nada para fazer na hora do almoço, além de comer é claro, e a escola tinha uma vasta biblioteca, uni o útil ao agradável e li muitos livros durante o ano que trabalhei lá. E um dos autores que eu conheci lá foi Shakespeare. Eles tinham quase todas as peças dele e de vários formatos, livros, HQs, ilustrações... E eu li todas hehe. Minha favorita é Sonho de Uma Noite de Verão, porque tem final feliz. Quem não conhece Shakespeare, ele passou boa parte da sua vida escrevendo tragédias, como a famosa Romeu e Julieta. E Hamlet é sua peça mais extensa. Então quando vi Ofélia entre os lançamentos e vi que era uma releitura de Hamlet pelos olhos de Ofélia, sua amada, fiquei com muita vontade de ler o livro.

E não sei se fui com muita sede do pote, porque mesmo tendo gostado muito da história, faltou alguma coisa que me fizesse amar o livro. Achei que por ser uma releitura, a história fosse ser diferente, principalmente as mortes que acontecem na peça. Mas logo no prólogo já dá para ver que o fim trágico de Hamlet foi mantido pela autora, o que me entristeceu um pouco, sou a louca dos finais felizes hehe. E a história segue basicamente a mesma da peça original, a diferença mesmo é na narrativa, pois aqui podemos ver a história através dos olhos de Ofélia. E não apenas pelos olhos dela, a historia se torna a história de Ofélia. Então afirmo que esse livro não é uma releitura de Hamlet e sim de Ofélia. E ai sim temos um final diferente e um final que gostei bastante.


A autora usou uma abordagem bem diferente da original. Aqui vamos conhecer Ofélia, uma garota esperta que não se conforma com as regras do mundo que vive. Ela não aceita ser propriedade de ninguém e se questiona o tempo todo o porque da mulher ser tão menosprezada. Ela vai de vítima a heroína ao longo do livro. E o machismo foi um dos assuntos que a autora mais abordou no livro. Eu sou feminista, e totalmente contra o machismo, mas não gostei da forma como a autora abordou os personagens do livro. Todos os personagens masculinos, com exceção de Horácio, são uns escrotos. Está certo que na época em que se passa a história o patriarcado era lei. Mas acho impossível de acreditar que não existissem homens que não concordavam com aquilo. A autora generalizou. Até por isso Horácio que era o único que não era descrito como um machista arrogante, se torna "perfeito", o queridinho de quem vai ler o livro.

Mas da mesma forma que ela fez Ofélia lutar contra o machismo, ela fez um desserviço ao escrever uma terceira parte na história onde Ofélia está em um convento e a mesma personagem que não se conformava com a tirania dos homens, abaixa a cabeça para as regras da Igreja. Não estou aqui criticando religião, só estou usando o exemplo para mostrar como a autora foi contraditória. E essa terceira parte foi a que menos gostei do livro, mesmo tendo gostado do final que já citei ali acima. Mas enfim, o livro é um romance/drama que acredito vai agradar quem gosta do gênero. Quanto a capa, achei muito linda. E mesmo não tendo tido uma ótima experiencia com esse livro, se surgir a oportunidade lerei outros livros da autora, que já vi tem outros livros desse mundo Shakespeariano. 

Nota:








18 agosto 2019

Resenha | Algo Sinistro Vem Por Ai - Ray Bradbury


Livro: Algo Sinistro Vem Por Ai
Série: Não
Gênero: Horror
Autor: Ray Bradbury
Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 266
Ano: 2019

Resenha:
A amizade entre James Nightshade e William Halloway começou antes deles nascerem. Suas mães eram vizinhas de porta e ficaram grávidas na mesma época e foram para o hospital no mesmo dia. E apenas dois minutos separam o nascimento dos dois garotos. Will nasceu faltando um minuto para a meia-noite no dia 30 de outubro e Jim um minuto após a meia noite, no dia 31, em pleno Halloween. E essa história é uma que eles já contaram muito ao longo do seus treze, quase quatorze anos de vida, já que falta apenas uma semana para seus aniversários.

E é nessa semana que eles vão viver a maior aventura de suas vidas. Os dois amigos são como todo garoto de treze anos, correndo para todo lado, brincando com tudo, fazendo travessuras com os vizinhos e passando em casa só para comer e dormir. E tem também a visita a biblioteca todo dia após o jantar onde o pai de Will, Charles Halloway, trabalha como zelador. E é nesse cenário que chega à cidade um parque de diversões. O estranho é que ele chega as três horas da manhã e tanto Jim como Will acordam na hora com um pressentimento muito estranho. 

O parque conta com várias atrações como o Anão, o Esqueleto, o Senhor Elétrico, a Bruxa do Pó, a Cigana do Tarô, e o mais esquisito deles o dono do parque o Senhor Dark, o Homem Ilustrado. Mas o que chama a atenção dos dois amigos são duas atrações do parque: O Labirinto dos Espelhos que mostra várias faces da mesma pessoas e o Carrossel que supostamente está quebrado, mas que ao ficarem escondidos no parque após o mesmo ser fechado, eles descobrem que funciona sim, mas de uma maneira bem bizarra, cada volta aumenta ou diminui a idade de quem está usando ele, depende de para qual lado o carrossel gira. E tudo tem seu preço. 

"Agora me diga, desde quando você pensa que ser bom significa ser feliz?"

Faz um bom tempo que li Fahrenheit 451 meu primeiro e até então único contato com o autor. E não sei se foram as altas expectativas ou se o problema foi comigo e eu não compreendi direito o que o autor queria dizer com a história, mas o certo é que não gostei da leitura e achei o livro bem chato. Por isso que quando Algo Sinistro Vem Por Ai chegou aqui em casa e vi que era dele, hesitei em ler. Mas a edição está tão bonita e a sinopse é bem chamativa e por isso decidi ler. E tendo terminado o livro, ainda não sei dizer se gostei ou não. E também fiquei na dúvida se indico o livro para adultos ou para pessoas mais jovens. E vou tentar explicar o porque da minha dúvida.

A história que foi escrita originalmente como um roteiro de filme, foi publicada como um romance em 1962 e foi levada finalmente para as telonas em 1983 pela Disney, com o título de No Templo das Tentações (em português). E porque eu disse estar em dúvida sobre o livro. Porque temos duas maneiras de ler e interpretar essa história. Ela pode ser vista como uma história de terror ao estilo dos livros do Stephen King mas voltada para um publico mais jovem, ou interpretada como uma alegoria, aqui no caso seria para um publico mais adulto porque é onde vai fazer o leitor pensar e repensar as atitudes que temos diante da vida.


Eu particularmente preferi olhar para ela como uma boa história de terror. Atualmente podemos ver o sucesso que Stranger Things vem fazendo e a história de Algo Sinistro Vem Por Ai lembra bastante a história da série citada. Mas eu poderia citar também programas mais antigos como Contos da Cripta que tinham o mesmo clima que senti lendo o livro. Não espere tremer de medo, mas como diz o próprio título, é algo sinistro e chocante o que acontece no parque de diversões. E mais chocante ainda o preço para quem quer usar o carrossel. Eu terminei as páginas aflitas para saber o que ia acontecer e como os amigos iam resolver o problema.

Temos praticamente quatro personagens principais nessa história e cada um deles se destaca pela sua personalidade marcante e objetivos diferentes. Will é o mais pé no chão dos dois amigos e é quem consegue enxergar as coisas antes de todo mundo. Já Jim é o mais aventureiro e como quer ser um adulto logo, ele é o primeiro a ser seduzido pelo carrossel. Charles já quer o contrário, porque se sente muito velho no papel de marido e pai. E temos nosso vilão, o Senhor Dark, que eu achei que poderia ter sido melhor aproveitado, mas ainda assim é um vilão de respeito. A história gira praticamente em torno deles e de suas decisões.

Enfim, espero ter conseguido explicar um pouco do porque da minha confusão. Mas no fim acredito ter sido uma história muito boa e essa foi minha nota final. Quanto a capa achei ela maravilhosa. Como o livro tem cerca de 250 páginas, ele é bem fino e dá para ser lido rapidamente. Os capítulos curtos também ajudam bastante a leitura fluir. Isso se você for ler o livro visando apenas a história, porque se não, você vai ter bastante coisa e questões que foram levantadas pelo autor para pensar. Até mesmo depois do livro ter terminado.

Nota:








16 agosto 2019

Minha Opinião - Julho 2019

E esses foram os lidos do mês de julho que não terão resenha aqui no blog.

Ops... Engravidei!
Sinopse: Skoob
Nota: 4/5
Peguei a dica desse livro no blog da Miriã. E gostei bastante da história. A escrita da autora é muito gostosa, e quero ler outros livros dela. E fiquei besta porque o livro é muito bem revisado. Choquei com isso porque ultimamente peguei cada coisa na Amazon hehe. A história é clichê, mas é bem divertida e faz com que a gente torça pelo casal. O livro é bem curto e dá para ser lido em um dia. Só não entendi esse titulo porque ela só engravida no final da história. E fiquei em dúvida sobre ter uma continuação. Acho que sim. Se tiver vou querer ler.



A Esposa do Duque
Sinopse: Skoob
Nota: 5/5
A Noiva Amaldiçoada
Sinopse: Skoob
Nota: 5/5
A Dama Formosa
Sinopse: Skoob
Nota: 5/5
A Donzela em Perigo
Sinopse: Skoob
Nota: 5/5
Procurando livros para ler no kindle Unlimited me deparei com essa série de época e resolvi ler. E qual não foi minha surpresa ao encontrar uma escrita agradável, com personagens interessantes e quando percebi já tinha terminado o primeiro livro e engatado no segundo. E amei a série. A autora só foi evoluindo ao longo dos livros e eu acabei devorando a série de tão boa que é a história. E aconselho que os livros sejam lidos na ordem porque mesmo eles tendo casais diferentes como protagonistas, todos os personagens aparecem nas histórias um dos outros. E outra coisa que amei nessa série são os protagonistas fora dos padrões físicos da sociedade. Leitura mais do que recomendada para quem é fã de romances de época.


Especial
Sinopse: Skoob
Nota: 3/5
Eu recebi esse livro em parceria com o Grupo Editorial Record e não sabia do que se tratava até ter o livro em mãos. Ele é conhecido por causa da série da Netflix que é baseada no livro e criada, roteirizada e estrelada pelo próprio autor do livro. Vi muita gente surtando ao receber o livro e já fui com altas expectativas para a leitura. Mas infelizmente não gostei tanto assim. No começo até que estava achando legal porque tem bastante humor, mas depois fui pegando uma antipatia do personagem principal e acabei empacando na leitura. Especial é um livro de memórias, então não tem nenhuma ordem cronológica, são pensamentos e achismos aleatórios do autor que tem paralisia cerebral e é gay. Achei ele muito egocêntrico e ele generalizava o tempo todo. Sem falar que ele é bem preconceituoso com várias coisas, mas como ele mesmo diz, ele pode porque é gay e tem PC. Os capítulos são enormes e tem parágrafos com mais de uma página. Quando vi que a leitura não estava fluindo parei e fui assistir a série e só assim consegui aproveitar melhor a leitura, que apesar da série ser muito diferente do livro, deu para ter uma outra impressão do protagonista.




Barriga de aluguel por acidente
Sinopse: Skoob
Nota: 1/5
O enredo lembra bastante Jane The Virgin, mas aqui no caso ela não é mais virgem e estava fazendo uma doação de óvulos quando foi inseminada por erro médico. O livro tinha tudo para ser uma leitura rápida e divertida, mas acabou sendo um dos piores livros que já li na minha vida e se pudesse eu deslia ele. Para começo de conversa existem muitos erros de continuidade e a impressão que dá é de que falta capítulos na história. Um capitulo termina com uma coisa e no começo do outro aquele assunto já foi esquecido ou resolvido e o leitor que se vire. O protagonista é um CEO bilionário, mas se comporta como se tivesse quinze anos. O grande mistério do livro já dá para perceber no começo da história. Mas o pior mesmo é quando os dois vão fazer sexo. Tem cada palavra para comparar os órgãos sexuais que me acabei de rir. Se sou eu que estou ali, perco a vontade na hora hehe.










15 agosto 2019

Resenha | Melhor que a encomenda - Lauren Blakely


Livro: Melhor que a encomenda
Série: Não
Gênero: Romance, Chick-Lit
Autora: Lauren Blakely
Editora: Faro Editorial
Páginas: 320
Ano: 2019

Resenha: April Hamilton tem o dedo podre quando o assunto são os homens. Por isso depois de várias decepções amorosas ela decide mudar o foco e se dedicar exclusivamente a sua carreira de pintura artística corporal. E está dando certo porque ela está prestes a conseguir ser a pintora principal da Sporting World. Sua família não se conforma por ela ainda estar solteira e decidem que na próxima reunião familiar, April vai sair de lá compromissada. Por isso ela não para de receber e-mails e mensagens da mãe, da irmã, da tia, das primas e por ai vai, cada uma delas conhece o cara perfeito que vai fazer April mudar de ideia sobre o casamento. Mas April não quer entrar em um relacionamento no momento, e muito menos com caras que morem em Wistful, uma cidadezinha costeira de Connecticut, de onde ela fez de tudo para sair e não pretende voltar.

A única solução que April consegue pensar para ter um final de semana agradavel em família, é levar um namorado com ela. Por isso ela combina com seu melhor amigo Xavier, que por sinal é ator, de fingir ser seu namorado durante os cinco dias em que vai estar com sua família. Mas Xavier recebe uma proposta de trabalho irrecusável para o mesmo fim de semana da reunião e sugere que April contrate um amigo dele que trabalha como acompanhante. Sem tempo de encontrar outra pessoa, April acaba entrando em contato com o amigo de Xavier, Theo Banks, que representa o personagem que a cliente desejar. No caso April pede um bad boy para que sua família pare de encher seu saco.


Theo teve uma vida dificil e foi a duras penas que ele e o irmão conseguiram sobreviver, e o "emprego" de acompanhante é um bico que ele faz para conseguir dinheiro para quitar uma divida antiga de seu irmão. E quando Theo chega na casa de April, ele fica sabendo que vai participar de uma espécie de competição onde quem juntar mais pontos vai levar uma boa grana, a quantia exata que ele precisa para deixar de fazer esses personagens e ser ele mesmo. E enquanto tenta conquistar o prêmio e a família de April, Theo acaba percebendo que ela é exatamente seu tipo de garota, e começa a desejar que tudo aquilo fosse mais do que apenas um trabalho. O problema é que ele tem um passado que com certeza April não vai aceitar quando descobrir.


Esse é meu segundo contato com a autora. Conheci a escrita dela através de Big Rock, que mesmo não sendo de um dos meus gêneros favoritos, eu gostei muito. Mas Melhor que a encomenda eu já amei desde que li a sinopse e fui com as expectativas lá nas alturas para a leitura desse livro e elas foram todas alcançadas, tanto que favoritei o livro. Gente que livro mais amorzinho. Clichê? Sem dúvida. Romântico? Com toda certeza! Quando li a sinopse logo de cara já pensei, eu já assisti essa história, porque o enredo lembra muito aqueles filmes de comédia romântica que passava na sessão da tarde. E lendo o livro acho que essa história daria um desses filmes com toda certeza. E a gente ia amar, suspirar e se divertir bastante com ele.

Quando a gente inicia a leitura já sabe como vai ser o desenrolar da história, já sabe que claro que eles vão se apaixonar, que vai acontecer alguma coisa que vai separar eles e que vai ter aquele final super romântico onde o cara vai fazer algo incrível e tudo vai dar certo no final. E foi exatamente o que aconteceu aqui. Mas quem liga para todo esse clichê? Eu não, pelo contrário eu amo. Já disse aqui em outras resenhas o quanto eu fico decepcionada em pegar um livro de um gênero para ler e acabar encontrando algo completamente diferente do que eu esperava. Por isso que favoritei o livro, porque a autora vendeu uma coisa e entregou exatamente o que ela vendeu.


Tem histórias que são assim, não precisa de reviravoltas mirabolantes, nem outros artifícios para agradar totalmente o leitor. Só precisa de uma boa história que deixe o coração da gente quentinho, e que nos faça torcer como loucos para que os protagonistas fiquem juntos, mesmo sabendo que é exatamente isso que vai acontecer no final. Eu amei tudo nesse livro. A autora escolheu contar a história pelo ponto de vista alternado entre a April e o Theo, o que deu para conhecer os dois lados da moeda e ainda ter duas visões da mesma história e de todos os personagens que aparecem nela. O foco é claro é nos dois protagonistas, mas temos vários personagens secundários que chama a atenção e que tem seus momentos na história.

Mas a história é deles. April é aquela garota feita para gostar. Ela é altruísta, tem um coração enorme e sempre vê os dois lados da história antes de tirar alguma conclusão sobre qualquer assunto. Já o Theo é apaixonante e eu que fazia tempo que não me apegava a nenhum personagem masculino, achei meu crush hehe. Não tem como não morrer de amores por ele. E esses dois juntos são incríveis. É aquele tipo de casal que nos faz sonhar e desejar ter alguém para fazer tudo igualzinho. Por isso se você é romântica como eu, esse livro é para você com toda certeza. E confesso, terminei o livro em lágrimas, mas dessa vez de felicidade hehe. Quanto a edição, apesar da capa não ser das minhas favoritas, o livro está que é uma graça. A Faro Editorial tem se destacado muito com o capricho em suas publicações e com essa não foi diferente.

Ficou interessado no livro? Participe do sorteio que está rolando lá no Instagram. É só clicar aqui.

Nota:










© Blog Prefácio ♥ 2016 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo