21 abril 2018

Lançamentos de Abril da Harlequin

Quem é fã de um bom romance, com certeza ama os livros da Harlequin, que sempre se destaca no gênero. E esse mês não vai ser diferente. Vamos conhecer os lançamentos:


Sol em Júpiter
Autora: Lola Salgado
Sol Leão é uma famosa youtuber de Florianópolis. Apaixonada pela sua “juba”, que dá nome ao canal, a jovem mostra ao mundo seu estilo e sua vida perfeita em vídeos divertidos e calorosos. No entanto, a vida real pode ser um pouco diferente disso, e um jovem com o estranho nome de Júpiter aparece para balançar o mundo de Sol e questionar as certezas que ela achava que tinha.


Os segredos dos olhos de Lady Clare
Autora: Carol Townend
Enquanto investiga a causa do aumento de bandidos em Troyes, sir Arthur Ferrer encontra a misteriosa Clare, uma possível filha ilegítima do conde de Fontaine, da Bretanha. Ele então percebe que ela pode ser a chave para
a sua própria salvação. A honra exige que Arthur a leve até o pai para que possa ser reconhecida, mas O desejo prefere que ela fique em seus braços. Será possível conciliar honra e desejo?
A autora Carol Townend mais uma vez convida as leitoras para uma viagem inesquecível de volta a condados, cortes e reinos e às incríveis histórias de amor entre nobres da (nem tão) alta sociedade da época.






19 abril 2018

Resenha | Quando as Estrelas Caem - Meagan Spooner e Amie Kaufman


Livro: Quando as Estrelas Caem
Série: Estrelas Caem #1
Gênero: Romance, Fantasia, Ficção Científica
Autoras: Meagan Spooner e Amie Kaufman
Editora: Novo Conceito
Páginas: 416
Ano: 2018

Resenha:
Quando as estrelas caem vai contar a história do Major Tarver Merendsen e da "princesa" Lilac LaRoux, duas pessoas completamente diferentes e separadas por um abismo social, mas que no momento se encontram a bordo da nave Icarus, a impressionante nave que comporta o equivalente a uma pequena cidade de 50.000 pessoas e que foi construída pelo pai de Lilac, o homem mais rico do universo, Roderick LaRoux. Eles se conhecem três dias antes da tragédia acontecer. Tarver apesar de ser pobre, é um major, posto que ele alcançou com apenas dezoito anos por seus feitos heroicos na guerra, e por isso ele pode participar das festas da alta sociedade. É assim que ele conhece Lilac que está sentada sozinha em uma mesa. Não tem como não notar a garota de cabelos vermelhos que sem duvida faz parte da alta sociedade, mas que tem um olhar diferente de todos no local. 

E após uma confusão envolvendo Lilac, Tarver acaba sentando na mesa com ela e eles conseguem conversar antes da prima e amigas dela chegarem e Tarver sai de lá encantado com Lilac mesmo sabendo que ela pertence a outro mundo. Mas até então ele não tinha ideia de quem Lilac realmente era e Tarver descobre isso da pior maneira possível, quando Lilac, que também ficou mexida com Tarver, para não prejudicá-lo, que é o que vai acontecer se seu pai descobrir que alguém de uma classe tão inferior falou com ela, Lilac acaba se comportando como uma garota frívola e mimada deixando Tarver completamente magoado. Mas o destino parece querer brincar com os dois, porque logo depois alguma coisa dá errado e a nave que deveria ser invencível acaba sendo arrancada do hiperespaço dimensional e as pessoas dentro da nave entram em pânico. 

Tarver e Lilac se veem juntos em uma cápsula de emergência e depois de uma queda de energia Lilac consegue separar a capsula da nave e eles caem em um planeta desconhecido. Eles conseguem aterrissar com poucos ferimentos, mas logo depois eles veem a nave caindo e Tarver tem certeza de que eles são os únicos sobreviventes. Mas de uma forma ou de outra se quiserem ter alguma chance de resgate eles tem que chegar até o que restou da nave. Mas no caminho até lá, as coisas começam a ficar estranhas porque Lilac começa a ouvir vozes e enxergar coisas e Tarver acha que são alucinações por ela ter batido a cabeça. Mas quando Tarver começa a ver também, eles tem certeza de que tem alguma coisa muito errada com aquele planeta. E enquanto enfrentam o desconhecido, os dois percebem que pelo menos ali não existe diferenças entre eles.

"A floresta está cheia de sons e movimentos que não consigo rastrear, coisas que passam tremeluzindo pelos cantos dos meus olhos, desaparecendo antes que eu possa me concentrar nelas. O major não parece notar essas coisas, e, se ele as nota, não se incomoda com elas, mas é como se toda a floresta sussurrasse a nossa volta, dizendo coisas incompreensíveis nos meus ouvidos."

Faz tempo que a editora estava prometendo esse livro, que eu já tinha visto algumas pessoas comentando e comentários bem positivos, e com isso minha expectativa na leitura foi só aumentando, e acho que por isso acabei me decepcionando um pouco com ele. Por isso e por prometer uma coisa e entregar outra. O começo do livro é bom e logo de cara já lembrei do Titanic. Aqui no caso em vez do navio temos uma nave, que da mesma maneira que o navio, foi feita para ser a melhor da sua categoria. Existe a mesma divisão de classe, com os mais ricos nas partes superiores e os mais pobres nas inferiores. E a história começa com uma festa dos ricos, daquelas bem chatas, o que também lembrou a história do filme. E não tinha botes salva vidas, no caso capsulas de emergência, para todos.

E quando vi o nome da nave, Icarus, já sabia que ela ia cair porque para quem não sabe, Ícaro na mitologia grega é conhecido por ter morrido em uma queda ao tentar sair da Ilha de Creta voando. Até essa parte a história estava bem interessante, mas depois que eles caem no planeta desconhecido a história começa a se arrastar. E são páginas e mais páginas onde nada acontece, com poucos diálogos e o prometido romance entre eles não se desenvolve da maneira que eu esperava. Depois de dias andando juntos e se ignorando, eles resolvem que se amam e que vão ficar juntos, nem que seja para viver ali mesmo. E o tal mistério do que acontecia no planeta, que foi o que me prendeu e me fez continuar a leitura, acabou me frustando quando descobri o que era. Até agora eu não entendi porque tantas páginas para uma história que dava para ser contada com metade delas.

A narração é dividida entre os dois protagonistas, com os capítulos se alternando entre a visão de cada um deles e antes de cada capítulo temos uma espécie de interrogatório onde Tarver responde perguntas feitas por alguém e elas são relacionadas ao que vai ser contado no próximo capitulo. Lilac começa o livro sendo bem mimada e infantil, mas ela amadure bastante durante a leitura e no final eu gostava mais dela do que do Tarver. Já ele foi o contrário, gostei dele no começo e achei que ele fosse ser um personagem bem forte, mas ele não evoluiu. Mas para não dizer que desgostei de tudo, eu gostei muito do final e amei essa capa. Ela é perfeita. Ela mostra uma cena da história, e essas cores são lindas. Enfim, comigo não funcionou, mas pode ser que você ame, então leia por sua conta e risco.

Nota: 









17 abril 2018

Lançamentos HarperCollins Brasil

Já conferiu os lançamentos da HarperCollins desse mês? Quem é fã de um bom suspense vai amar os dois primeiros livros. Eu já estou com eles aqui em casa e logo tem resenha deles para vocês.

Amber Patterson não aguenta mais. Está cansada de ser uma ninguém: uma mulher sem graça e invisível que não se destaca na multidão. Ela merece mais – uma vida de dinheiro e poder como a que Daphne Parrish, a deusa loira dos olhos azuis, tem e não valoriza.
Para todos na pequena cidade de Bishops Harbor em Connecticut, a socialite e filantropa Daphne e seu marido Jackson, o magnata do mercado imobiliário, são um casal que parece recém-saído de um conto de fadas. A inveja de Amber poderia consumi-la por dentro... Se ela não tivesse um plano.
Amber usa da compaixão de Daphne para se inserir na vida da família – o primeiro passo de um esquema meticuloso para destruí-la. Em pouco tempo, ela se torna a amiga mais próxima de Daphne, vai para a Europa com os Parrish e suas duas belas filhas, e se aproxima de Jackson. No entanto, um fantasma de seu passado pode destruir tudo que ela construiu e, se seu segredo for descoberto, seu plano perfeito pode ir por água abaixo.
Com reviravoltas chocantes e segredos tão profundos que te deixarão tentando adivinhá-los até o final da história, A outra sra. Parrish é um thriller repleto de emoções e completamente viciante, escrito por mãos diabolicamente imaginativas.

Chris Brennan acaba de se mudar para Central Valley, na Pensilvânia. Ele veio atrás de um emprego como professor substituto e treinador de beisebol na escola de ensino médio local, com um currículo impecável e boas maneiras que só um bom homem poderia ter. Mas tudo sobre ele é uma mentira. Seu nome é um pseudônimo, seu currículo é falso. E ele veio para a cidade com um plano, que a princípio é perfeito – e para cumpri-lo, precisa ficar de olho no time de beisebol.
Encontrar o que precisa para cumprir seus planos não deve ser tarefa difícil, e Chris foca sua busca em três meninos cujas vidas (e as de suas mães) giram em torno do time: Raz Sematov, o arremessador, um menino geralmente alegre e bem humorado que acabou de perder o pai; Evan Kostis, que é rico, mimado e problemático além de ser a sensação do time, e Jordan Larking, o novato, um garoto tímido e reservado.
Encantador e repleto de suspense, A mentira perfeita é um incrível thriller emocional, uma história criminal suburbana que prende os leitores até o final, com reviravoltas impressionantes e personagens que você não esquecerá facilmente.

Para desenvolver videogames é preciso ser gênio ou louco? As logísticas técnicas e criativas necessárias para a criação dos jogos mais populares podem ser tão exaustivas e complexas quanto os jogos em si, e quase sempre assumem a forma de labirintos intermináveis ou de abismos sem fim.
Usando alguns dos jogos mais populares e bem-sucedidos dos últimos anos, Schreier nos mostra os desafios do processo de desenvolvimento, seja na jornada da Bioware para vencer prazos impossíveis e superar pesadelos técnicos para construir Dragon Age: Inquisition; nos esforços do desenvolvedor indie Eric Barone de transformar sozinho o RPG Stardew Valley em uma franquia multimilionária; ou na separação entre a Bungie e os chefões da Microsoft que deu origem a Destiny, um novo universo que pretende se tornar tão icônico quanto Star Wars ou Senhor dos anéis - mesmo tendo quase destruído a empresa.
Registrando as noites viradas, a exaustão e as vitórias de última hora, Sangue, suor e pixels é uma jornada através do inferno do desenvolvimento de jogos e um tributo aos heróis esquecidos que enfrentam obstáculos inimagináveis para criar os melhores videogames do mundo.

'Toda geração tem seu grande criminoso: Jesse James, Billy the Kid, Al Capone, Pablo Escobar. Todos eles tinham um agente responsável por trazê-los à justiça. Para o notório Joaquín Archivaldo Guzmán-Loera, ou El Chapo, esse homem era o agente especial Andrew Hogan.
O próprio agente agora se uniu a Douglas Century para contar a história exclusiva de sua perigosa caçada de oito anos que capturou El Chapo - o chefão das drogas mais procurado do mundo que ficou foragido por mais de uma década.
Em busca de El Chapo reconta a jornada de Hogan para alcançar o impossível, desde infiltrar o círculo mais próximo de El Chapo a liderar a caça com uma brigada de oficiais da Marinha mexicana que finalmente capturou o destemido chefão do narcotráfico. Essa história real leva o leitor por trás das cenas de uma das operações mais sofisticadas e perigosas da história da guerra às drogas.'

A escravidão não foi abolida no século XIX – e ela está mais perto do que alguns de nós podem imaginar. Neste novo livro da série “Histórias não (ou mal) contadas”, o historiador Rodrigo Trespach, sempre com linguagem clara e acessível, traça um panorama da escravidão desde o ano mil até o século XXI, passando por temas como a servidão na Rússia e na Alemanha, o comércio de escravos na África, a exploração sexual de mulheres e crianças e os 45 milhões de pessoas atingidas por diversas formas de escravidão nos dias de hoje, de ponta a ponta do globo terrestre.








16 abril 2018

Resenha | Submissa - Maya Banks


Livro: Submissa
Série: The Enforcers #1
Gênero: Romance Erótico
Autora: Maya Banks
Editora: Gutenberg
Páginas: 321
Ano: 2017

Resenha:
Evangeline Hawthorn não sabe onde estava com a cabeça quando se deixou convencer por suas amigas a entrar nessa roubada. Está na cara e em todo o resto que ela não combina nenhum pouco com o ambiente luxuoso e sensual da boate Impulse. Está estampado nas suas atitudes a inocência e a ingenuidade de uma garota que veio do interior com a cara e a coragem para ajudar seus pais. Ela precisou sair da escola e trabalhar para conseguir garantir a sobrevivência da sua família depois que seu pai sofreu um acidente e ficou impossibilitado de trabalhar. Mas como na cidade grande as oportunidades, e os salários são melhores, ela deixou sua cidade e veio para Nova Iorque para trabalhar como garçonete, mas não deixou de ser a garota simples que sempre foi. E esse foi seu erro e logo na primeira oportunidade caiu na lábia do sem escrúpulo do seu ex-namorado Eddie.

Ele fez de tudo para conseguir tirar a virgindade de Evangeline e assim que conseguiu humilhou Evangeline dizendo que transar com ela era o mesmo que transar com um boneco de neve, levando com ele além da virgindade, o pouco de autoestima que ela tinha, já que Evangeline não consegue ver a garota linda que suas amigas insistem que ela é. Mas ainda assim ela se deixa convencer e aceita o convite VIP de uma das amigas e vai até a Impulse toda produzida para mostrar a Eddie, que é frequentador assíduo da boate, o que ele perdeu. E a coisa toda só podia terminar mal, e só não ficou pior porque Drake Donovan, dono da Impulse, estava observando Evangeline desde que ela entrou na boate e manda um dos seus segurança salvar Evangeline da fúria de Eddie.

Drake ralou muito nessa vida para chegar onde chegou, um magnata respeitado e temido por todos. Ele é implacável nos negócios e no prazer e nunca sai com a mesma mulher mais de uma vez. E ele mesmo fica surpreso quando sente uma enorme atracão pela garota ingenua e completamente deslocada que ele vê entrando em sua boate. E quando ele vê aquele homem tentar agredi-la, sua reação é mandar que tragam Evangeline até ele. E quando eles ficam frente a frente, Drake não resiste e beija Evangeline como se não houvesse amanha e decide ali naquele momento que vai ter Evangeline de um jeito ou de outro. Ele então faz a proposta, que num primeiro momento Evangeline acha absurda, ela vai ter tudo que o dinheiro pode comprar desde que seja totalmente submissa a Drake, mas sem pensar nas consequências acaba aceitando.

"— A quem você pertence, Angel? — ele perguntou ríspido
— A você...  — ela sussurou
— Quem é o seu dono? A quem você deve obedecer sempre sem questionar?
— Você, Drake."

Depois que li Cinquenta tons confesso que tenho fugido de livros com a mesma temática. Mas quando recebi o convite da editora para resenhar o livro, acabei aceitando ler ele. Primeiro porque faz muito tempo que não leio nada do gênero e, segundo porque é da Maya Banks, autora que quero ler há muito tempo. E já comecei gostando da capa. Sei que tem gente que ama as capas dos livros do gênero, com aqueles modelos sarados e todo tatuado. Mas eu odeio esse tipo de capa. O que me passa é que o livro não tem conteúdo e precisa de um cara despido na capa para vender ele. Tipo comercial de cerveja. Mas cada um tem sua opinião e sei que sou do contra hehe. Por isso gostei muito dessa capa, só por ser diferente já me ganhou.

Agora a história, Meu Deus! Eu que achei que não ia encontrar alguém pior que o Grey, vi que estava enganada. O Drake consegue ser mil vezes pior que ele. Drake é tudo o que o Grey é, controlador ao extremo, não aceita ser desobedecido nem questionado, só que diferente do Grey, como aqui temos a sua visão da história, podemos ver que ele gosta de humilhar as pessoas e faz uma m*** atrás da outra com a Evangeline, isso porque diz que ela é um anjo em sua vida e que quer protegê-la. Imagine se não gostasse da garota então. E o final gente, o que foi aquilo. Eu sinceramente espero, e vou ler o segundo livro somente por isso, que a Evangeline dê uma bela lição nele porque se não, eu perco minha confiança nas mulheres.

Eu não entendo muito desse mundo BDSM, mas acredito que para a pessoa entrar para ele tem que ter um certo conhecimento de onde está se metendo. Por isso achei bem inverosímel uma garota ingenua como a Evangeline aceitar ser a submissa de alguém que ela conhece a menos de dois dias e que até então só lhe causou medo em grande parte desse tempo, na outra parte ele estava fazendo sexo oral nela, outra coisa que também acho dificil acreditar que tivesse acontecido com uma pessoa como ela poucos minutos depois de conhecer Drake. E se fosse para ser coerente, Drake nem teria feito tal sugestão porque dava para se ver a quilômetros que uma pessoa com a falta de amor próprio como a Evangeline nunca que ia conseguir lidar com o que ser Submissa representa.

Como disse, não sei muito sobre o assunto, mas achava que isso de ser Submissa era algo sexual, somente entre quatro paredes, por isso fui pesquisar e vi que não, tem casais que fazem isso o tempo todo. E não querendo julgar ninguém porque cada um faz o que quer da sua vida, mas eu particularmente não daria para um negócio desse não. Primeiro porque acredito em parceria e não em um dando as ordens e o outro obedecendo. E segundo porque acho que nada vale a minha liberdade. E aqui volto ao livro. Quanto valia a liberdade de Evangeline e seu direito de escolha? Tá certo que ela era muito pobre e nunca teve nada, só o básico para sobreviver e teve que cuidar de seus pais desde os seus nove anos. Mas se sujeitar as humilhações que ela se sujeitou por causa de dinheiro? E mesmo se sentindo mal com cada joia que recebia, ela ainda assim continuava fazendo.

Mas enfim, mesmo odiando Drake e o que ele fez, eu tenho que tirar o meu chapéu para a autora. Com certeza irei ler outros livros dela, porque a escrita dela é viciante. Eu peguei o livro para dar uma olhada e quando percebi já estava na página 60. Dai a terminar o livro foi um pulo. E também não posso julgar o livro somente pela minha opinião pessoal, já que sei que sou minoria nesse assunto. Mas pensei muito antes de dar minha nota. Eu participo de um grupo no facebook que tem muitos fãs do gênero e o conteúdo desse livro é exatamente o que o povo gosta de ler. Por isso dei a nota baseado nisso, porque sei que muita gente vai gostar bastante da história. Se você é fã de livros do gênero, ele é um prato cheio. Tem tudo o que o gênero oferece e ainda por cima é escrito por uma ótima autora.

Nota:






14 abril 2018

Lançamentos de Abril do Grupo Autêntica

Esse mês o Grupo Autêntica está cheio de novidades bacanas para todos os gostos. Como fã de um bom suspense policial, é claro que me interessei pelo terceiro livro da série Detetive Erika Foster, Sob Águas Escuras. Também amei essa nova edição de A Escrava Isaura. E vocês se interessam por qual?


“Puxado pelo peso das correntes, o corpo afundou rapidamente.
Ela descansou ali, quieta e serena… durante muitos anos.”
Quando a Detetive Erika Foster vasculha, com sua equipe, um lago artificial nos arredores de Londres em busca de uma valiosa pista de um caso de narcóticos, ela encontra muito mais do que eles estavam procurando.
Do fundo do lago são recuperados dois pacotes: um deles contém 4 milhões de libras em heroína. O outro… o esqueleto de uma criança.
Os restos mortais são de Jessica Collins, uma garota desaparecida há 26 anos e que foi a principal manchete de todos os noticiários da época.
Erika, então, precisa revirar o passado e desenterrar os traumas da família Collins para descobrir mais sobre o trabalho de Amanda Baker, a detetive original do caso – uma mulher torturada pelo seu fracasso na busca por Jessica.
Muitos mistérios envolvem esse crime, e alguém que não quer que o caso seja resolvido fará de tudo para impedir que Erika Foster descubra a verdade.
O autor de A Garota No Gelo e Uma Sombra Na Escuridão nos presenteia com outra eletrizante aventura da Detetive Erika Foster.


Este é um livro especial, porque é sobre uma prática que vai mudar sua vida: a gratidão. É oportunidade de aprender a se conectar melhor com o mundo exterior e desenvolver sua atenção e sua respiração para que sua vida se torne mais leve. É, também, a chance de olhar com mais carinho para os momentos da sua vida e perceber o quanto ela é incrível – ainda que você, muitas vezes, deixe isso passar batido.
Este é um livro sobre tudo o que você sente e como reage a cada acontecimento vivido. E ele só estará pronto quando você preenchê-lo com sua rotina e as suas verdades. Será que você tem vivenciado a gratidão – não a palavra bonita, conhecida e adorada por tantas pessoas –, o sentimento real? Venha descobrir com a gente!
E fica aqui um convite: fotografe e publique tudo o que você fizer neste livro nas redes sociais com a tag #LivroDoBem. Porque tudo o que é do bem merece ser compartilhado!

O parlamentar John Lewis é um ícone nos Estados Unidos e uma das principais figuras do movimento pelos direitos civis. Seu comprometimento com a justiça e a não violência o levou de uma pequena fazenda no Alabama para os corredores do Congresso norte-americano; de uma sala de aula segregada para a Marcha em Washington; dos ataques da polícia ao recebimento da Medalha Presidencial da Liberdade pelas mãos do primeiro presidente negro dos Estados Unidos.
A Marcha retrata a longa batalha de Lewis pelos direitos humanos e civis, seu encontro com Martin Luther King Jr. e a luta para dar fim às políticas de segregação no país.
Todo mundo conhece Carolina Ferraz. Sua paixão pela vida está em tudo o que faz e, mais uma vez, ela nos presenteia com um novo livro maravilhoso.
Com uma seleção de drinques, saladas, sopas, pratos vegetarianos, entre outros, Na Cozinha com Carolina 2 vem recheado de deliciosas receitas.
Tudo reunido para você!

Esta deliciosa obra conta a história das bibliotecas antigas desde suas origens, quando “livros” eram tábuas de cerâmica e a escrita, um fenômeno novo. O renomado estudioso clássico Lionel Casson nos conduz em uma animada viagem, partindo das bibliotecas reais do Antigo Oriente, passando pelas bibliotecas públicas e privadas da Grécia e de Roma, até as primeiras bibliotecas monásticas cristãs. Casson traça o desenvolvimento das construções, os sistemas, acervos e patronos das bibliotecas, considerando questões de uma ampla variedade de tópicos, como: quem contribuiu para o desenvolvimento das bibliotecas públicas, especialmente a grande Biblioteca de Alexandria? O que as bibliotecas antigas incluíam em seu acervo? Como bibliotecas antigas adquiriam livros? Qual era a natureza das publicações no mundo greco-romano? Como o cristianismo transformou a natureza dos acervos bibliotecários? Assim como uma biblioteca recompensa quem a explora com tesouros inesperados, este interessante livro oferece a seus leitores a história surpreendente da ascensão e do desenvolvimento de bibliotecas antigas – uma história fascinante que nunca foi contada antes.

1968 é um ano-chave para a história mundial e brasileira, repleto de episódios emblemáticos, como o Maio Francês e a Primavera de Praga, na Europa, e a Passeata dos Cem Mil e a imposição do temido AI-5, num Brasil subjugado pelo regime militar. A abordagem do jornalista Roberto Sander neste livro, contudo, não se limita aos acontecimentos políticos que tão profundamente marcaram o período.
O painel de 1968 construído aqui é completamente novo. A narrativa avança mês a mês, tratando dos mais variados assuntos. O leitor é levado ora para a Guerra do Vietnã, ora para a primeira visita ao Brasil de um arredio Mick Jagger; para a África do Sul, em pleno Apartheid, onde acontecia o primeiro transplante de coração bem-sucedido do mundo; para Havana, onde Fidel Castro fazia um expurgo no Partido Comunista cubano; e para as viagens espaciais que preparavam a chegada do homem à Lua.
Em 1968 – Quando a Terra tremeu, Roberto Sander explora histórias saborosas e surpreendentes sobre ciência, moda, comportamento, esporte e cultura em geral, daquele que foi um ano ainda mais complexo, assombroso e sedutor do que se sabe.

Já pensou em empreender? E em ter sua própria startup?
Essas e outras questões afligem milhares de jovens que estão ingressando na vida adulta e se vendo diante de dilemas até então distantes do seu cotidiano. Com a conclusão do ensino médio e o ingresso na universidade, a busca por uma carreira que concilie qualidade de vida e sucesso profissional é permeada por dúvidas, prazeres, dores, sucessos e fracassos. É um momento de escolhas difíceis, que terão impacto por toda uma vida. É também um período de fortes emoções nas relações familiares, amizades, amores e novos meios sociais que o jovem passa a frequentar.
Em Os sonhos de Mateus, uma ficção sobre empreendedorismo, esses e outros ingredientes se juntam para apresentar aos jovens um dos caminhos possíveis para a busca da autorrealização na vida e no trabalho: o empreendedorismo.
Ambientado no universo das startups – empresas de base tecnológica fundadas e dirigidas por jovens empreendedores –, Os sonhos de Mateus conta a jornada de um jovem como qualquer outro, que se vê diante de escolhas complexas como carreira, independência financeira e a busca da própria identidade.
De forma leve e didática, os conceitos, processos e atitudes para se empreender são tratados ao longo do livro nas passagens de Mateus e nas suas relações com familiares, amigos, colegas de faculdade, de trabalho, enfim, no seu dia a dia. Os sonhos de Mateus também mostra os dois lados do empreendedorismo: os sucessos e fracassos, as aventuras e desventuras. É um livro esclarecedor, que desmitifica a figura do empreendedor.
O livro faz com que os jovens se identifiquem com Mateus, levando-os a conhecer e refletir sobre a questão do empreendedorismo e a encontrar o “Mateus” que existe em cada um de nós.

Neste livro, que resume e abarca quase dez anos de pesquisas do Laboratório de Teoria Social, Filosofia e Psicanálise da Universidade de São Paulo, propomos uma arqueologia e uma genealogia dos principais quadros consolidados pela história recente da psicopatologia. Partimos da desconstrução da racionalidade diagnóstica hegemônica para recuperar as implicações filosóficas de nossas modalidades de mal-estar. O retorno aos fundamentos da psicopatologia por meio do conceito central de alienação, a revisão crítica da antropologia estruturalista, bem como a reconstrução da teoria do reconhecimento – levada a cabo pela tradição crítica –, informaram nosso método de investigação.

Escrava de pele branca, a linda e doce Isaura foi criada e educada como filha na família a que pertencia. Durante muito tempo, foi a protegida da matriarca, que prometeu que, após sua morte, a moça seria liberta. Entretanto, esse desejo não foi atendido pelo filho e herdeiro da família, e Isaura se tornou propriedade de Leôncio, um jovem sem caráter que, mesmo casado, se interessava obsessivamente por ela.
Para afastá-la do assédio de Leôncio e de outros homens da fazenda, o pai da moça, Miguel, um homem livre, tenta comprar a filha, mas não consegue. Decide então fugir com a moça para o nordeste do país. Os dois se instalam em Recife e adotam novos nomes. Lá, Isaura conhece Álvaro, rapaz rico, estudante, por quem se apaixona e é correspondida. Ele fica sabendo que ela é uma escrava fugida, mas não deixa de amá-la.
Tendo sido descoberta e recapturada, Isaura volta para a fazenda de Leôncio, que a submete a castigos e humilhações porque não cede a suas investidas. Enquanto isso, Álvaro, que não desiste de sua amada, vai fazer de tudo para ficarem juntos.
Publicado pela primeira vez em 1875, esse romance é considerado um marco na literatura abolicionista brasileira.



13 abril 2018

Resenha | 10% - Paulo Mateus


Livro: 10%
Série: Não
Gênero: Contos, Distopia
Autor: Paulo Mateus
Editora: Independente
Páginas: 198
Ano: 2018

Resenha:
10% é o novo livro do autor Paulo Mateus. O livro reúne dez contos distópicos e, em como todos os livros de contos, sempre tem aqueles que chamam mais nossa atenção. E são desses contos que vou falar hoje na resenha, porque também não dá para falar um pouquinho de cada um deles sem soltar spoilers e tirar a surpresa de quem vai ler o livro. Escolhi como os melhores contos aqueles que depois que eu terminei de ler precisei parar, desligar o kindle e pensar na situação apresentada no conto.

O primeiro que quero falar é também o conto que abre o livro, O Mundo Invisível. Nele conhecemos Alice uma garota que vive em um mundo onde todos só enxergam variações do preto, branco e cinza. Mas ela é diferente e consegue ver as cores. Eu não consegui iniciar o segundo conto antes de pensar muito sobre essa situação. Já imaginou algo assim? E aqui o autor usou cores, mas poderia ser qualquer coisa. Agora traga isso para hoje e pense o que as pessoas acham de quem consegue "ver" e "fazer" o que nem todos conseguem? Será que essa situação está longe de acontecer?

Outro que gostei bastante foi Deuses Humanos. Nesse conto temos a entidade divina que rege o mundo resolvendo tirar umas férias e deixando seus poderes para os humanos. É claro que a coisa vai desandar. Já imaginou os seres humanos como somos hoje em dia com poderes de somente desejar algo e aquilo acontecer? Sem esse tipo de poder já temos tanta coisa errada imagine agora cada um tentando tirar proveito para seu lado?

Antares também foi um conto que me fez pensar muito. Antares fica acima das nuvens já que a superfície da Terra não é mais habitada. As pessoas andam na linha e quem sai fora dela é jogado para fora da cidade apenas com um paraquedas em mãos. Mas o que será que realmente tem lá embaixo? Foi um conto que me deixou bem surpresa e que me fez pensar também em algumas atitudes dos seres humanos.

E por fim Watson foi um contos que mais me surpreendeu, principalmente no final. Watson é um sistema criado para administrar uma sociedade quase perfeita onde esse sistema controla tudo, até o nível de criminalidade que cada um tem em si através de um controle genético. E no final fiquei de cara com o que realmente estava acontecendo naquele lugar. E foi outro que também me fez pensar bastante, principalmente nos avanços tecnológicos.

Enfim, como disse anteriormente, como é um livro de contos e contos curtos, não posso falar muito sobre eles para não soltar spoilers. Mas só digo que a leitura vale a pena. É claro que teve alguns contos que não gostei, mas os que eu gostei valeram a pena pelo livro todo. Eu já li outros livros do autor e uma coisa que vejo é como a escrita dele tem evoluído. E nesse livro ele me levou a pensar em muitas coisas, o que acho um ponto extremamente positivo. Quem puder leia o livro, vale a pena a leitura e aproveite que ele está bem baratinho na Amazon.

Nota:

Skoob  - Amazon





11 abril 2018

Literary Box Vitrine 42 - Fevereiro


Definitivamente entrei nesse mundo das caixas misteriosas. Depois de comprar algumas caixas do Clube dos Livros e Citações, descobri essa da Vitrine 42. Resolvi apostar e acabei amando o conteúdo. Veio tanta coisa na caixa que não acabava mais.

Ela não é de assinatura, você pode comprar o mês que quiser. O frete é grátis e o melhor você pode escolher o livro e o tema dos brindes que vem na caixa. Todo mês tem duas opções escolhida por votação na página do facebook e uma opção de lançamento. E tem três caixas com preços diferentes para você escolher. Tem também as edições anteriores para venda, mas sem o livro, somente os brindes. E você pode optar por escolher um livro de um tema e brindes de outro tema por exemplo.

A que comprei foi com o tema Orgulho e Preconceito e escolhi o livro do tema também que era a HQ de Orgulho e Preconceito. Gostei das formas de pagamento e também da agilidade no atendimento. E a caixa chegou bem rápido considerando que os correios estão em greve. Veio itens a mais na minha caixa porque foi minha primeira compra e também porque ganhei brinde extra por estar entre os 50 primeiros assinantes.

Se ficou interessado é só clicar aqui para visitar a loja, que além das caixas também tem bastante coisa relacionadas a literatura como almofadas, canecas. Já digo que você vai se apaixonar por tudo.

E agora vamos ver o que veio na minha caixa.



Veio dois marcadores da loja e um cartão de boas vindas.


Marcadores lindos relacionados com o tema que escolhi.


Um chaveiro e um botom do tema e esse marcador maravilhoso de O Pequeno Príncipe.


Também veio esses marcadores fofos de pano do Darcy e da Lizzie.


Agora uma das coisas que mais gostei na caixa, essas fronhas maravilhosas dos personagens.


Também veio um porta óculos que pode ser usado como estojo.


E por fim o livro e esse porta carregador de celular muito fofo.


E ai o que acharam da caixinha? Já conheciam ela? Eu super indico.




09 abril 2018

Resenha | Como Se Vingar de Um Cretino - Suzanne Enoch


Livro: Como Se Vingar de Um Cretino
Série: Lessons in Love # 1
Gênero: Romance de Época
Autora: Suzanne Enoch
Editora: Harlequin Books
Páginas: 288
Ano: 2018

Resenha:
Lady Georgiana Halley e suas amigas Lucinda Barrett e Evelyn Ruddick já estão cheias com a forma com que os homens tratam as mulheres. Como se só enxergassem o dote por trás delas. Elas que deveriam ser o tesouro a ser conquistado e não o dinheiro que seus pais oferecem a quem desposá-las. Eles tem que saber que existem regras para se conquistar uma mulher. E se eles não entendem isso elas vão tomar algumas providências para que isso aconteça. Inclusive escreverem suas próprias regras intitulada de Lições de Amor, por Três Distintas Damas. E cada uma delas vai escolher um homem e ensinar o que ele precisa saber para impressionar uma dama adequadamente.

E Lady Georgiana já sabe quem vai ser o seu aluno, o homem que ela mais odeia nesse mundo, Tristan Carroway, o visconde de Dare. Tristan é um cretino da pior espécie que parece ter prazer em partir os corações das jovens donzelas indefesas. Há seis anos ele seduziu Georgie e depois de ter tirado a virgindade dela, Tristan mostrou quem realmente era. No dia seguinte ela descobriu que ele só a seduziu por causa de uma aposta, cujo prêmio era uma das suas meias. Hoje com vinte e quatro anos Georgie ainda odeia Tristan pelo o que aconteceu e decide que chegou a hora de ele pagar pelo o que fez. Ela vai fazer com que Tristan se apaixone por ela, só para ter o prazer de abandoná-lo depois.

Decidida a colocar seu plano em prática, Georgie dá um jeito de se mudar para a casa do visconde com a desculpa de que vai servir de acompanhante para as tias de Tristan, Millicent e Edwina. O que Georgie nem imaginava era que ela também estava nos planos das duas senhoras, que pretendem casar Georgie com seu sobrinho. E enquanto Georgie se aproxima de Tristan, ele não sabe mais o que fazer para conseguir colocar as contas em dia. Ele precisa se casar com uma herdeira o mais rápido possível. Isso se ele conseguir atrair alguém com Lady Georgina grudada nele o tempo todo e ainda por cima sendo gentil. Mas Georgie vai descobrir que toda história tem dois lados, e que o feitiço pode virar contra a feiticeira.


Já tinha lido vários elogios a escrita da Suzanne, mas esse foi meu primeiro contato com ela. E só posso dizer uma coisa: virei fã. Ela já me ganhou logo nas primeiras páginas do livro. A história que ela criou aqui é muito boa, mas o destaque sem dúvida são os personagens. Todos eles, sem exceção, são cativantes. Desde os protagonistas aos secundários, e até os antagonistas me ganharam, porque para ser um bom vilão tem que saber deixar o leitor com muita raiva e com vontade de entrar no livro para dar um tapas na cara do personagem. E isso ela conseguiu aqui. Sem falar no quanto torci para os protagonistas se acertarem, e no quanto me diverti com as tramoias das senhoras presentes nela.

A história é romântica sem dúvida, mas o que me ganhou nela foi o toque de humor presente durante o livro todo. Eu comecei a ler e já comecei a rir e foi assim durante quase 100 % da leitura. Até nos momentos mais dramáticos as situações eram divertidas. Dos últimos romances de época que li, esse foi sem dúvida o que eu mais ri e me diverti. As três amigas, que terão cada uma a sua história, tem uma ideia bem da absurda para os tempos em que elas vivem. E claro que disso só podia resultar em muita coisa errada. E além das três, ainda temos duas senhorinhas que também tem seu próprio plano para colocar em ação. Fora isso temos uma família que é muito amor e que me encantou desde o momento que conheci cada um deles.

Geogie e Tristan tem um passado, um que ninguém conhece além deles mesmo. As pessoas sabem que eles se odeiam por causa de uma aposta, mas não sabem o verdadeiro teor dela e nem que Tristan conseguiu ganhá-la. No começo como só sabemos o que Georgie sabe, achamos Tristan um cretino realmente, mas despois que conhecemos o lado dele da história vemos que as coisas não eram bem assim. E ainda depois, quando vemos a forma como ele se relaciona com sua família, não dá para desgostar do personagem, pelo contrário, minha mãe sempre falou, a forma como o homem trata sua família, é a forma que ele vai tratar você, por isso fica dificil não se apaixonar por ele ao ver a gentileza, paciência e amor com que ele cuida dos seus.

Mas Georgie é meio cabeça dura e não quer ver o que está na sua frente. Mas também não tiro a razão dela, porque confiança é algo que se conquista e no jogo entre eles, Tristan começou com menos um. Mas como disse antes, é impossível não torcer para que eles fiquem juntos. Mas enfim, amei o livro e não vejo a hora de ler os outros da série que serão com as amigas de Georgie, Lucinda e Evelyn e já sei que um dos irmãos de Tristan, o mais interessante, diga-se de passagem, será protagonista de um dos livros. Quanto a capa, prefiro capas de época com vestidos, mas gostei dessa masculina também. E tenho que elogiar a editora pelas contra guardas que eles estão fazendo em seus livros, estão ficando maravilhosas.

Nota:






07 abril 2018

Aniversário do blog



É isso mesmo que vocês leram. Ontem o Prefácio comemorou 6 aninhos de existência. E é impossível fugir do clichê "parece que foi ontem que começou o blog", mas é a mais pura verdade. Lembro que era feriado e me abalei até a casa da Olivia para publicarmos a primeira postagem do blog. 

Na época éramos três integrantes, o Matheus, irmão da Oliva, fazia parte da equipe e foi ele basicamente quem criou o primeiro layout do blog e que fez nossas primeiras postagens. A Olivia até que entendia um pouco do assunto, mas eu nunca tinha ouvido falar de HTML. Até hoje sofro bastante ainda para fazer as postagens, mas aprendi muita coisa de lá para cá.

Quando decidimos que sim, iríamos ter um blog para conversarmos sobre os livros, filmes e séries, a primeira coisa que debatemos por muito tempo foi qual seria o nome do blog. Já tinha tantos com, "livros", "leituras" e junção dessas palavras com "amo" e queríamos algo original. E não lembro exatamente quem sugeriu Prefácio, mas caiu como uma luva para o projeto que estávamos iniciando.

De lá para cá foram tantos livros lidos, tantos gêneros desbravados, saí várias vezes de minha zona de conforto, fechamos parcerias com editoras queridas, outras nem tanto assim, conhecemos tanta gente que também ama ler e principalmente, descobri que existiam autores nacionais que ainda eram vivos. 

É verdade, podem rir, mas antes do blog eu só conhecia os autores nacionais que tinham livros para pegar emprestado na biblioteca. Essa foi uma das melhores coisas que aconteceu depois do Prefácio. E foi com autores nacionais que li alguns dos melhores livros da minha vida.

Nesses seis anos aconteceram tantas coisas boas através do blog e tiveram outras que me decepcionaram também. Vi o povo migrar do blog para o youtube, depois do youtube para o Instagram e nós aqui, firme e forte com o blog. 

E quero agradecer a todos que de uma forma ou de outra fizeram e fazem parte desse longo caminho que já percorremos. Em especial a Ane, do blog My Dear Library que foi quem me inspirou a criar o blog. E de novo outro clichê que não pode faltar, sem vocês o blog não existiria.

E para não passar em branco vai ter um presentinho para um leitor do blog.




Para participar só basta comentar nas postagens do mês de abril, que no final do mês vou sortear uma postagem, contar os comentários e um deles será premiado com um Vale Presente Saraiva no valor de $60, 00 reais
Só tem uma regrinha. O comentário sorteado tem que ser de alguém que participa ativamente do blog antes do inicio da promoção. Queremos premiar um leitor do blog, e não quem só aparece para as promoções.
Então é isso. Boa sorte a todos e que venham muitos mais anos pela frente.






05 abril 2018

Resenha | Hoje e Sempre - Nora Roberts


Livro: Hoje e Sempre
Série: MacGregors # 5
Gênero: Romance de época
Autora: Nora Roberts
Editora: Harlequin Books
Páginas: 192
Ano: 2018

Resenha:
Hoje e Sempre vai fechar a série da família MacGregor. Esse é o quinto livro da série. Eu não li nenhum dos anteriores e pelo o que entendi os outros contaram as histórias dos três filhos de Daniel e Anna e um deles contou a história do irmão da nora deles. Mas pelo que li nas resenhas, em todos a presença de Daniel e Anna são marcantes, principalmente de Daniel. E nesse livro que fecha a série vamos conhecer a história do patriarca da família. Por isso acho que não influenciou muito eu não ter lido os anteriores, já que vai contar uma história que se passa quase quarenta anos antes das outras. O livro começa com Daniel passando por uma cirurgia no hospital por causa de um acidente de automóvel e todos seus familiares estão reunidos no hospital. É então que vamos saber como Daniel e Anna se conheceram e como se iniciou essa grande família.

Daniel MacGregor decidiu aos quinze anos que teria um império e aos 30 ele já está a caminho de seu segundo milhão. Ele começou trabalhando como escavador de minas na Escócia, seu país de origem, e há cinco anos decidiu conquistar a América e se estabeleceu em Boston onde está há dois anos. Seus quase dois metros de altura e seu dinheiro ajudam muito na hora de conseguir oportunidades na sociedade americana, mesmo ele sendo chamado de arrogante e grosso por alguns. E agora que já está completamente estabelecido, na posição em que sempre desejou, ele decidiu que está na hora de conseguir uma esposa para gerar filhos que vão dar continuidade ao seu nome e cuidar de seu patrimônio no futuro. Por isso ele aceita ir ao baile de verão de Maxwell Donahue, onde pretende conseguir uma esposa e se der certo fechar um negócio com o dono da casa.

Logo que chega ao baile ele já é cercado por Cathleen, a filha mais velha de Donahue. Mas apesar de ela aparentar ser a pessoa perfeita para o papel de sua esposa, ele vê a superficialidade nela. Ele não quer alguém que só saiba falar sobre roupas. Sua esposa tem que saber conversar sobre outras coisas e manifestar sua opinião, até um certo ponto, ou seja, até onde não entre em desacordo com sua opinião. E enquanto dança com Cathleen é impossível para ele não reparar na moça desconhecida que o observa friamente do outro lado do salão e assim que consegue se livrar de Cathleen ele tira essa moça para dançar. Seu nome é Anna Whitfield e atração entre eles é imediata. Mas Anna está longe do que ele deseja para esposa, porque logo que tem a oportunidade ela diz que está em Boston de férias e logo vai voltar para Connecticut, para seu ultimo ano na faculdade de medicina, onde vai se formar cirurgiã.

Foi muito dificil para Anna conseguir esse feito, ela é a unica mulher em toda a turma, por isso ela só pensa em conseguir seu diploma e não tem nenhum interesse em um casamento. Mas esse empecilho não vai fazer Daniel desistir de Anna. Ela vem de uma das famílias mais antigas da sociedade de Boston e essa é uma das coisas que Daniel quer em uma esposa. E apesar de querer uma profissão masculina ela é um destaque, estando entre os primeiros alunos da faculdade e ele não quer uma esposa com cérebro fraco. Mas o que faz mesmo ele seguir em frente e tentar conquistar Anna é o desafio, algo que ele não consegue resistir. E quanto mais tempo eles passam juntos, mais eles percebem que foram feitos um para o outro. Só que Anna não vai mudar de ideia e decide que se Daniel quiser eles vão morar juntos, casar não.


Hoje em dia é impossível você ser fã de livros de romances e não conhecer a autora Nora Roberts. Mas por incrível que pareça eu só tinha lido um livro dela antes e ele era mais voltado para o policial. Esse é o primeiro romance de época que leio dela e já comecei muito bem. A Harlequin fez um trabalho incrível com o livro. A capa está linda demais com esses tons de verdes. A contra guarda também é verde o que dá todo um charme ao livro. A diagramação é muito bem feita e não encontrei erros de revisão. E só posso dizer que depois de terminar esse livro eu preciso de todos os outros da série, que também foram lançados com uma nova roupagem nesse novo formato da Harlequin.

Sempre vejo o povo desdenhando de livros de romance de época, que são muito superficiais ou que pregam um desserviço ao feminismo. Eu tenho que discordar disso. Existe alguns livros sim que fazem isso, em todos os gêneros aliás, mas os livros de época que tenho lido ultimamente estão fazendo exatamente o contrário disso. O ultimo que eu li, A Verdade Sobre Amores e Duques mostrou uma protagonista que lutava pelo direito das mulheres votarem e nesse temos uma personagem lutando pelo direito de não precisar ter que escolher entre ter uma família e ter uma profissão.

A história se passa em meados de 1940 e como já existiam os automóveis, os aviões e até os aparelhos de televisão, era de se esperar que as coisas fossem ser mais fáceis para as mulheres, apesar de que hoje, tantos anos depois ainda não é nada fácil ser mulher nesse mundo. Mas são em livros como esse que podemos ver o quanto já foi conquistado pelas mulheres. Coisas que hoje é normal para nós, elas sofreram muito para conseguir. Por isso acredito que devemos continuar lutando mesmo que pareça impossível. Daqui a setenta, oitenta anos os direitos que lutamos hoje vão ser algo normal para as que nascerem nesse tempo e elas vão ler nos livros o que passamos hoje e vão se surpreender.

Como comecei a série pelo fim, é claro que fiquei super curiosa para conhecer os outros personagens e também para ver como a Anna e principalmente o Daniel reagem aos outros parentes e já vi que até tem uma treta com a família de uma das noras que fiquei curiosa para saber o que é. A Anna e o Daniel são personagens incríveis que lutam com unhas e dentes pelo seus ideais e fiquei querendo ver quem iria ganhar essa guerra entre eles, se eles se casariam ou não. E gostei muito do final. Como disse, espero poder ler os outros livros e conhecer um pouco mais sobre cada um deles. E depois de tudo que falei aqui, é claro que indico a leitura dele.


Nota:






03 abril 2018

Resumo Literário e Cinéfilo de Março/2018

A condenação 


Olívia


{Filmes e Séries}


{Livro}

Silvana



  {Filmes e Séries}




{Livros}



Livros físicos Lidos: 11
E-books lidos: 4
Desencalhei da estante no mês: 5
Desencalhados no ano: 26







© Blog Prefácio ♥ 2016 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo