25 maio 2019

Resenha | O Lado Obscuro - Tarryn Fisher


Livro: O Lado Obscuro
Série: Não
Gênero: Suspense
Autora: Tarryn Fisher
Editora: Faro Editorial
Páginas: 288
Ano: 2019

Sinopse:

Quando a escritora Senna Richards acorda na manhã de seu aniversário, ela não está em seu quarto. Raptada e trancada numa casa em meio a uma tempestade de neve, ela precisa decifrar as pistas ligadas ao seu passado para conseguir fugir.
Forjada pela dor, moldada pelo abandono, Senna se tornou uma mulher que destrói antes de ser destruída...
Apenas uma pessoa conseguiu atravessar suas barreiras e conquistar sua confiança, mas isso aconteceu há muitos anos...
“Isaac era um estranho, mas foi capaz de enxergar minhas feridas mais do que qualquer outra pessoa.”
O cirurgião Isaac encontrou Senna em um momento de caos e vulnerabilidade, depois de um furacão que lançava cinzas sobre suas feridas. Ele a ajudou quando ninguém mais pôde, mas agora, tudo está diferente.
Depois de tanto tempo distantes um do outro, os dois estão presos na mesma cabana, e podem ser consumidos por recordações que esperavam esquecer.
Além do perigo que os cerca, a escassez de comida e água, e os jogos perigosos do raptor, um sentimento antigo começa a despertar, ameaçando romper novamente as defesas de Senna, o que pode ser fatal.

Resenha: 

Esse é um daqueles livros que se a gente falar mais sobre o enredo do que já diz a sinopse, vai acabar tirando o prazer de quem for ler ele, porque o interessante da obra é ir descobrindo aos poucos o que está acontecendo e ir juntando as peças para desvendar esse mistério todo que envolve o sequestro da personagem. E é aos poucos mesmo, porque a autora só vai soltando uma pista ou outra bem devagar e a impressão que dá é de que você lê e nada acontece, até por isso vi algumas pessoas reclamando que a leitura é arrastada.

Mas eu não concordei com isso, porque apesar de dar a impressão de ser lenta, a história é apenas mais pesada e angustiante do que as que estamos acostumados a ler, mas o ritmo de leitura é o mesmo. Pelo menos comigo foi assim, que cada vez que pegava ele para ler lá se iam 50, 60 páginas de uma vez, sem nem ver o tempo passar. E acabei lendo ele em menos de dois dias. Mas o livro continuou comigo tempos depois.


A história começa com Senna acordando no cativeiro, uma cabana isolada no meio da neve com tudo o que ela e Isaac irão precisar para sobreviver durante meses, e logo me lembrei da caixa de formigas. Porque qual é a intenção de alguém sequestrar alguém, colocar ela junto com uma pessoa que foi crucial em seu passado e dar tudo o que eles precisam, só sendo privado de sua liberdade. E ao longos dos dias, semanas e meses que vão se passando, eles vão descobrindo "pistas" deixadas pelos sequestrador que mostram que o sequestro é relacionado com algum acontecimento do passado de Senna.

Então a história se alterna entre o presente, com eles presos na cabana, e no passado quando Senna e Isaac se conheceram, e a cada nova descoberta só faz o livro se tornar mais sombrio e a história de Senna mais dificil. Faz tempo que eu não lia um livro onde eu não sei dizer se gosto ou não do personagem principal. Esse é o segundo livro que leio da autora, mas já li bastante resenhas dos livros dela e já li a própria dizendo que prefere escrever personagens que não sejam tão "mocinhas". Você não sabe se sente empatia por tudo o que ela passou, ou se torce o nariz para as atitudes dela.

Eu queria falar sobre os personagens e sobre a história, mas tudo o que eu penso em escrever aqui acaba sendo um spoiler. Até a palavra que pensei para definir o livro é um spoiler. Esse é aquele tipo de história que quanto mais as escuras a pessoa ler, melhor. Porque acredito que o livro é diferente para cada leitor e cada um vai sentir ele de uma forma distinta.


Até por isso não sei nem como definir o gênero do livro. Comecei achando que era um suspense, mas então no meio as coisas mudaram e terminou com uma lição importantíssima sobre a definição do amor. E até por isso disse que o livro ficou comigo mesmo depois de ter terminado, porque fiquei remoendo a história por horas depois que fechei o livro. Mas como sou a chata de finais mastigados e tudo bem explicadinho, acabei não dando nota máxima para o livro. E aqui meu problema não foi nem o final, porque dessa vez ele foi fechado, mas achei que faltou alguma coisa em relação ao sequestro que não ficou bem explicado. A motivação dele não me convenceu.

Quanto a edição, não posso deixar de elogiar o capricho que a Faro tem com suas publicações. A capa é linda de morrer e tem tudo a ver com a história. A edição está maravilhosa e até com a tradução do título eu concordei, porque convenhamos a tradução literal de Mud Vein, título original, até teria mais referências com a história, mas O Lado Obscuro também diz muito sobre ela e ainda é bem mais agradável na nossa língua. E por fim indico o livro para quem quer fugir do óbvio e passar por uma experiência bem diferente do que estamos acostumados.

"— Você escreveu sobre qual assunto? — perguntei.
— Minha veia ruim.
Senti um calafrio na espinha.
— Escreveu sobre seu lado sombrio? E porque você faria uma coisa dessas?"

Nota: 








23 maio 2019

#91 | A Estante Aumentou!

Essa é a coluna onde mostro o que chegou, o que foi embora e também o que emprestei no Kindle Unlimited. Esse mês comprei alguns livros com vale presentes que ganhei respondendo pesquisa e também tem os que chegaram de parceria. E me desapeguei de bastante livros, mas ainda está faltando espaço hehe.


Livros físicos que chegaram


Esse kit lindo eu recebi da Faro Editorial. O livro é o mais novo lançamento do autor Charlie Donlea e já tem resenha dele aqui.


Esses dois recebi da Gutenberg e foram dois livros que favoritei. Os dois são maravilhosos. Um Casamento Conveniente tem resenha aqui e Jogos Malignos tem resenha aqui


Esses recebi de parceria com o Grupo Editorial Record. A Fada Mamãe e Eu é uma fofura, tanto a edição como a história e tem resenha dele aqui. Agora e Sempre tem resenha aqui.


Esses dois serão minhas próximas leituras. Estou com bastante expectativas no livro da Danielle, já que antigamente eu lia muitos livros dela e gostava bastante.


Os próximos foram livros que comprei com vale presente e não gastei nada com eles, só o tempo de responder as pesquisas hehe. O Mundo Perdido era um que estava na minha lista fazia um bom tempo. Eu já li ele na verdade a muito tempo atrás, mas em uma edição bem mais feia. E o do Harlan é porque sou fã mesmo hehe. 


Esses dois também estavam na minha lista desde que vi umas resenhas bem positivas deles. Mas apesar das capas lindas, as folhas são brancas, o que é uma grande decepção. Espero que a história faça eu esquecer isso hehe.

Emprestados no Kindle Unlimited


Esses foram os que emprestei no mês. Adorei essa série da Editora Valentina Para Quem tem pressa.


Desapegos


Aqui em casa está assim, entra um tem que sair outro. Esses foram os livros que doei esse mês. Tem dois ai que nem cheguei a ler.











21 maio 2019

Resenha | Agora e Sempre - Judith McNaught


Livro: Agora e Sempre
Série: Sequels #1
Gênero: Romance de Época
Autora: Judith McNaught
Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 350
Ano: 2019

Resenha:
Quando pensava em seu futuro marido, Victoria Elizabeth Seaton sempre desejou ter um casamento como o do seus pais, até um dia, quando tinha quinze anos, descobrir que sua mãe Katherine nunca amou o seu pai. Foi então que ela prometeu para seu pai que nunca ia tentar ser feliz com alguém que não a amasse. E por isso quando seu melhor amigo Andrew lhe confessou seu amor e disse que assim que seu pai permitisse se casaria com ela, Victoria concordou. Mas o noivado nunca aconteceu porque quando Victoria completou dezoito anos, a idade estipulada pelo seu pai para eles assumirem um compromisso, um acidente trágico levou seus pais. Com Andrew fora do país, Victoria e sua irmã mais nova Dorothy ficaram a mercê de um amigo de seu pai, que foi quem descobriu que Katherine era neta de uma duquesa e que havia se mudado da Inglaterra para a América brigada com a avó.  

Antes de morrer Katherine disse dois nomes, o da avó, a duquesa de Claremont e o de um primo, Charles Fielding, Duque de Atherton. Então o responsável temporário pelas garotas escreveu aos dois informando sobre a situação. Mas a duquesa ainda não perdoou a neta por não querer se casar com o homem que ela havia escolhido e ter preferido fugir com um homem sem um pingo de sangue nobre, e quando ela vê a foto de Victoria, que é a cara da mãe, decide que vai aceitar somente Dorothy em sua casa e diz a Charles que cuide de Victoria, já que no passado ele foi apaixonado por Katherine. E ainda diz que vai fazer o casamento do ano ao casar Dorothy com o filho do homem que Katherine recusou. Mas Charles não vai deixar a duquesa ter esse gosto e sem falar nada com o sobrinho, Jason Fielding, marquês de Wakefield, coloca um anuncio do casamento dele com Victoria nos jornais.

Quando Jason descobre sobre o casamento fica furioso, ainda mais que ele pretende nunca mais se casar depois do que aconteceu em seu primeiro casamento. Sua esposa que lhe traia na frente de toda a sociedade, morreu ao fugir com um amante e junto estava o filho deles que ela havia levado para poder pedir dinheiro a Jason em troca da criança. Por isso quando Victoria chega na residencia do marquês, é recebida com quatro pedras na mão. Mas Victoria que não faz ideia sobre o noivado e acredita que Andrew virá atrás dela, fica estarrecida com o comportamento de Jason. E sua estadia na mansão só não é pior porque ela se dá muito bem com Charles, que se aproveita da situação para conseguir colocar seus planos em prática. Ainda mais que ele percebe que Jason não é tão indiferente assim a Victoria quanto diz, e pelo jeito ela sente o mesmo. 

Esse foi meu primeiro contato com a escrita da autora, mas sempre vi elogios aos seus livros e estava curiosa para ler algum livro dela. Por isso agradeço a editora por ter me enviado o livro. A primeira coisa que chama a atenção é essa capa maravilhosa, e olha que nem gosto de amarelo, mas amei a capa e toda a edição está muito bem feita. A escrita da autora também me ganhou. É viciante e envolvente. Eu li ele em um dia e logo nos primeiros capítulos já estava envolvida na história e já torcia pela personagem principal. Tanto que por vezes queria entrar na história e me meter no meio para resolver as situações, que por falta das pessoas dizerem o que sentem, quase que não tem um final feliz. O que seria inédito em um romance do gênero. 

Como disse, a Victoria me ganhou logo no primeiro capítulo. E não foi só eu. Ela é aquele tipo de pessoa que a gente gosta de graça. Onde ela chegava mudava a vida das pessoas com sua alegria e bondade. Uma coisa que achei legal foi a autora não ter escrito uma mocinha a frente de seu tempo que desafia as regras sociais e sim uma mocinha que respeita as regras, mas que impõe sua vontade de outra maneira, ela tem um jeitinho de fazer acontecer sem precisar desrespeitar ninguém. E por gostar tanto dela foi que odiei o protagonista masculino. Aqui temos aquela velha história usada por quase todos autores do passado traumático. Eu entendo, mas não aceito. Por mais que a pessoa tenha sofrido no passado, porque descontar em alguém que até o momento só demonstrou que quer o seu bem?

Eu queria entrar no livro e falar algumas verdades para o Jason. Machismo puro! Mas por outro lado gostei de a autora ter sido realista e condizente com o que acontecia de verdade nessa época, a coisa era daquele jeito mesmo, ou até pior para as mulheres. Outra coisa que me irritou bastante foi outro clichê, o das pessoas não falarem o que estão sentindo e a confusão só vai aumentando. Deduz o que quer e toma atitudes horríveis baseado em algo que a pessoa acha que aconteceu. E teve uma cena que fiquei em dúvida, a da primeira vez deles, não sei se foi estupro ou não. Quem leu diz nos comentários o que achou. Mas ri muito da cena onde a Victoria recebe a explicação de como será essa primeira vez. Ainda mais que quem explicou o que ia acontecer foi uma mulher solteira que nunca teve uma relação sexual.

As outras cenas cômicas do livro ficou por conta dos "velhinhos" da história. Quanto ao Charles, não sei porque entrou na categoria de velho, já que ele estava na faixa dos cinquenta anos. Mas tanto ele como a duquesa me fizeram dar boas risadas com suas tramoias para juntar Victoria e Jason. Charles roubou a cena em vários momentos e depois da Victoria, foi o personagem que mais gostei no livro. E quem me ganhou também foram os empregados da casa. Nunca vi uma rede de fofoca tão bem organizada. Mas enfim, não dei nota máxima por causa de algumas atitudes do Jason, mesmo que ele tenha se regenerado depois, mas é uma história muito gostosa de se ler. Queria muito um livro com a Dorothy, mas pelo que vi, os próximos livros da série não tem ela como protagonista.

Nota:






20 maio 2019

#22 | Eu Quero!

E vamos aos escolhidos dentre os lançamentos do mês de maio.

Ao limpar o escritório de seu pai, falecido há uma semana, a investigadora forense Rory encontra pistas e documentos ocultados da justiça que a fazem mergulhar num caso sem solução ocorrido 40 anos atrás. No verão de 1979, cinco mulheres de Chicago desapareceram. O predador, apelidado de Ladrão, não deixou nenhum corpo ou pista — até que a polícia recebeu um pacote enviado por uma mulher misteriosa chamada Angela Mitchell, cujas habilidades não-ortodoxas de investigação levaram à sua identidade. Mas antes que a polícia pudesse interrogá-la, Angela desapareceu. Agora, Rory descobre que o Ladrão está prestes ser posto em liberdade condicional pelo assassinato de Angela: o único crime pelo qual foi possível prendê-lo. Sendo um ex-cliente de seu pai, Rory reluta em representar o assassino, que continua afirmando não ser o assassino de Angela. Agora o acusado deseja que Rory faça o que seu pai prometeu: provar que Angela ainda está viva. Enquanto Rory começa a reconstruir os últimos dias de Angela, outro assassino emerge das sombras, replicando o mesmo modus operandi daqueles assassinatos. A cada descoberta, Rory se enreda mais no enigma de Angela Mitchell, e na mente atormentada do Ladrão.Traçar conexões entre passado e presente é a única maneira de colocar um ponto final naquele pesadelo, mas até Rory pode não estar preparada para a verdade...

Esse livro foi muito desejado, já li e amei e quem quiser conferir a resenha é só clicar aqui.


Um crime brutal cometido há vinte anos, uma única sobrevivente, o retorno calculado do assassino. Em quem Victoria deve confiar? Neste thriller psicológico, Raphael Montes une romance e suspense em uma narrativa intrincada e sedutora.
Victoria Bravo tinha quatro anos quando um homem invadiu sua casa e matou sua família a facadas, pichando seus rostos com tinta preta. Única sobrevivente, ela agora é uma jovem solitária e tímida, com pesadelos frequentes e sérias dificuldades para se relacionar. Seu refúgio é ficar em casa e observar a vida alheia pelas janelas do apartamento onde mora, na Lapa, Rio de Janeiro.
Mas o passado bate à sua porta, e ela não sabe mais em quem pode confiar. Obrigada a enfrentar sua própria tragédia, Victoria embarca em uma jornada de amadurecimento e descoberta que a levará a zonas obscuras, mas também revelará as possibilidades do amor. Um psiquiatra, um amigo feito pela internet e um possível namorado — qual dos três homens está usando tudo o que sabe para aterrorizar a vida de Vic? E o que afinal ele quer com ela?
Na literatura nacional, Raphael Montes é unanimidade quando se trata de livros de suspense. Uma Mulher no Escuro traz sua primeira protagonista feminina e confirma o autor como um dos mais originais da atualidade — além de deixar o leitor intrigado do começo ao fim.

Com o título bem parecido com o do livro acima, temos o novo livro do Raphael Montes. Já li outros livros do autor e gostei bastante, por isso esse entrou para a lista.

Audrey Rose — acompanhada de Thomas Cresswell, o irritante, porém charmoso, aprendiz de seu tio — embarca em uma viagem ao coração sombrio da Romênia, lar de uma das melhores academias de medicina forense da Europa... e também do terrível Vlad, o Empalador, cuja sede de sangue virou lenda e transformou seu castelo em um antro de horrores.
Quando corpos surgem completamente drenados dentro da academia, desafiando a lógica e a razão, Audrey Rose precisa enfrentar os fantasmas do passado para seguir seu faro investigativo. Mas o tempo urge, e qualquer um pode ser a próxima vítima.
O segundo livro da série Rastro de Sangue é a combinação perfeita de ficção histórica, mistério, romance e girl power. Enquanto guia o leitor por mais uma investigação de tirar o fôlego, Kerri Maniscalco apresenta novos personagens cativantes, aprofunda o relacionamento entre os que já conhecemos e deixa pistas do que está por vir nos próximos livros.
Tudo isso em uma ambientação gótica que honra as obras dos mestres Edgar Allan Poe e Bram Stoker, sem contar as cenas de medicina forense que se aproximam dos livros da linha Crime Scene, como Arquivos Serial Killers e O Segredo dos Corpos. Recomendado também para os amantes de csi, mindhunter e do terror gótico de Penny Dreadful.
Rastro de Sangue: Príncipe Drácula é o segundo livro de uma série de quatro volumes. E a edição é feita sob medida para os leitores exigentes da DarkSide®, com capa dura, marcador de fita e as doses certas de aventura e romance que só os títulos da linha DarkLove podem proporcionar. Você está pronto para ouvir os ventos uivantes do castelo de Drácula e desvendar os seus segredos?

Esse na verdade eu nem li o primeiro da série ainda, que está aqui na estante. Mas tem como não desejar esse livro?

Três das estrelas mais brilhantes dos romances de época convidam você para uma festa na casa de campo do ilustríssimo marquês de Finchley.
Hugh Dunne, o irresistível conde de Briarly, precisa de uma esposa. Para ajudá-lo, sua irmã convida as mais elegantes damas da sociedade, assim como alguns cavalheiros, para uma festa em sua propriedade.
A reunião inclui a incrivelmente bela (e dolorosamente tímida) Gwendolyn Passmore, a sincera e adorável Katherine Peyton e a viúva lady Georgina Sorrell, além de alguns condes e até um arrojado herói de guerra.
Durante o evento, que promete ser o grande acontecimento da temporada, Hugh terá tempo suficiente para eleger a dama que mais deseja. A não ser que outro cavalheiro seja mais rápido.
Nesse caso, quem sabe ele acabe cortejando uma moça que definitivamente não está no mercado casamenteiro, e que vai exigir uma boa dose de perseverança...

E apesar dessa capa sem graça, quero muito ler esse novo lançamento da Julia em parceria com as outras autoras.

Gillie Trewlove sabe o valor da bondade de desconhecidos, já que foi abandonada ainda bebê na porta da mulher que a criou. Quando se depara com um homem sendo agredido em sua própria porta — ou melhor, no beco próximo da sua taverna —, ela não hesita em ajudá-lo. Porém, o homem é tão bonito que não pode pertencer a um lugar como Whitechapel, muito menos à cama de Gillie, na qual ele precisa ficar para se recuperar.
O duque de Thornley está tendo um péssimo dia. Ser abandonado no altar é humilhante, ser salvo de bandidos por uma mulher — ainda que uma mulher linda e corajosa — é mais ainda. Após ajudá-lo a se recuperar, Gillie concorda em acompanhá-lo pelas ruas sombrias de Londres em busca da noiva.
No entanto, cada momento juntos os leva ao limite do desejo, e faz o duque repensar sua escolha a respeito do casamento. Gillie sabe que a aristocracia nunca iria aceitar uma duquesa como ela, mas Thorne está disposto a provar que nenhum obstáculo é insuperável diante do amor de um duque.

O primeiro livro dessa série me encantou, por isso já quero esse segundo.

E vocês querem algum desses? Quais seus desejados do mês?




17 maio 2019

Resenha | Jogos Malignos - Angela Marsons


Livro: Jogos Malignos
Série: Detetive Kim Stone #2
#1 - Gritos no Silêncio
Gênero: Suspense
Autora: Angela Marsons
Editora: Gutenberg
Páginas: 320
Ano: 2019

Resenha:
A história começa com a Detetive Inspetora Kim Stone comandando uma ação para prender um pai que abusava das próprias filhas. As provas contra Leonard Dunn são encontradas no porão, várias fitas de vídeo gravadas com as garotas sendo abusadas sexualmente. Mas enquanto toda sua equipe comemora a prisão, Kim lamenta que a mãe ficou livre por falta de provas e Kim tem certeza de que ela sabia o que acontecia dentro da sua casa e nunca fez nada. E para piorar as coisas, dois policiais acabam perdendo a cabeça e agridem Leonard, que estava sob custódia da polícia, e isso pode acabar com toda uma investigação de meses que envolveu vários policiais, e o abusador pode até acabar nem indo a julgamento. Kim sabe que fez tudo o que estava ao seu alcance pelas garotas, mas ainda assim ela não consegue tirar o caso da cabeça. 

Mas então um corpo de um homem brutalmente esfaqueado é encontrado e Kim se força a pensar no novo caso que tem nas mãos, mesmo que tecnicamente esse homem teve o que mereceu. O homem assassinado é Allan Harris, um estuprador que saiu recentemente da prisão sem ter cumprido nem metade da pena. E Kim não leva nem dois dias para descobrir quem o matou. A assassina é Ruth Willis, a vitima de Allan, que confessa o crime assim que Kim chega em sua casa. E é através de Ruth que Kim conhece a Dra. Alexandra Thorne, que estava tratando de Ruth desde que ela tentou o suicídio quando descobriu que Allan havia sido solto. Alex tem doutorado em psiquiatria e além de atender alguns pacientes em sua casa, ela também faz trabalho voluntário em Hardwick House, um instituto que ajuda ex-presidiários a serem reintroduzidos na sociedade.

O que ninguém imagina é que Alex está fazendo um estudo por conta própria e usa seus pacientes de cobaia, manipulando eles à sua vontade. Ela identifica os alvos em potenciais e os usa para atingir seus objetivos. E assim que ela coloca os olhos em Kim, Alex tem certeza de que Kim é ideal para seu experimento e começa a montar um plano para usar a detetive. Sem saber dos planos de Alex, mesmo percebendo que a doutora tem alguma coisa errada, Kim descobre uma nova evidência no caso do pai pedófilo e volta a investigar. E ao mesmo tempo vários crimes começam a acontecer, aparentemente sem nenhuma ligação entre si. Mas no fundo Kim sente que eles tem um elo em comum, só resta descobrir qual é e conseguir convencer alguém de que ela tem razão.

"Ser bonita e inteligente não era infringir nenhuma lei, e Kim se deu conta de que precisaria pensar cuidadosamente no próximo passo. Sua própria fachada tinha sido construída de maneira cuidadosa, camada por camada, ao longo de muitos anos, mas nunca havia conhecido alguém como Alexandra Thorne. (...)
No final das contas, tudo se resumia a uma única questão. Estava preparada para entrar nessa arena e arriscar sua frágil psique para descobrir toda a verdade?"

Quando li Gritos no Silêncio, primeiro livro da autora com a detetive Kim Stone, eu amei a história, a escrita da autora e principalmente a Kim, por isso quando vi Jogos Malignos entre os lançamentos da Gutenberg já fiquei louca para ler ele. E posso dizer sem sombra de dúvida que o primeiro livro era ótimo, mas nesse a autora elevou o patamar e eu favoritei o livro. A história é de arrepiar. Segue com os mesmos elementos que a autora usou no livro anterior, mas aqui temos uma nova personagem, Alex, que junto a Kim deu todo um brilho a história e eu fiquei naquela duvida enquanto lia o livro: queria ler tudo de uma vez para saber o que ia acontecer, mas também queria ler bem devagar para o livro durar mais.

Esse livro é o segundo com a detetive Kim Stone e mesmo as histórias tendo começo, meio e fim, eu recomendo que ele seja lido em ordem porque para entender o drama da personagem principal nesse livro, é necessário já se ter um conhecimento prévio do que Kim já passou. E isso acontece em Gritos no Silêncio, onde vemos uma grande parte do passado da personagem sendo revelado, e nesse segundo ela vai ter que enfrentar os demônios que ainda existem dentro dela para conseguir entender e encontrar uma maneira de prender Alex Thorne, que "trabalha" usando pessoas exatamente iguais a Kim, que já passaram por um grande trauma e que ao invés de receberem a ajuda que estão procurando, acabam encontrando uma sociopata que usa os pacientes em um experimento.


Eu já li alguns livros onde temos psicopatas e sociopatas como personagens, mas essa é a primeira vez que acompanho um personagem principal sociopata e que o leitor pode acompanhar suas ações e ter uma noção de como funciona a mente deles. A consciência não existe. São mentirosos compulsivos e manipulam facilmente as pessoas, pois são muito carismáticos. E como facilmente suas mentes caem no tédio, eles estão sempre buscando algum tipo de desafio. E foi muito interessante de acompanhar a "batalha" entre as duas mulheres. Alex via em Kim a cobaia perfeita e usou de todo o seu charme e manipulação para entrar na mente de Kim, que se mostrou uma adversária a altura. E eu que já tinha amado ela no livro anterior, até cheguei a compará-la com meu detetive favorito o Poirot, nesse me apaixonei ainda mais por ela.

Fiquei tão fascinada por mais cenas entre as duas, que as investigações se tornaram secundárias. Mas ai entrou a equipe de Kim, que eu já tinha gostado no livro anterior e nesse livro eles tiveram mais destaque. E fiquei surpreendida com o resultado final, porque eu nem imaginava quem era o culpado. Assim como em Gritos no Silêncio, as cenas de ação são constantes, temos plot twists quase em todo fim de capitulo, e novamente a autora soube usá-los muito bem, e tenho que avisar que existem algumas cenas bem fortes e violentas. A edição da Gutenberg está muito bem feita e a capa transmite bem o clima da história. E termino dizendo que favoritei o livro, e mesmo faltando mais da metade para o ano terminar, tenho certeza de que ele vai estar entre os melhores do ano. E fico aqui na torcida para a editora trazer os outros livros com a detetive para o Brasil.

Nota:











16 maio 2019

Lançamentos de Maio da Gutenberg


Dublin, 1962. Dentro dos portões do convento das Irmãs da Sagrada Redenção opera uma das Lavanderias de Madalena da cidade. Outrora um lugar de refúgio, as lavanderias haviam evoluído para sombrios reformatórios de trabalhos forçados. É para lá que a jovem Teagan Tiernan, de 16 anos, é levada pela família, depois de ter sido transformada em personagem de uma intriga que também envolvia um jovem e belo padre.
Convivendo com mulheres “em desgraça” – mães solteiras, prostitutas, menores infratoras – e garotas comuns, cujos únicos pecados se resumiam a serem bonitas ou independentes demais, Teagan faz amizade com Nora Craven, uma jovem rebelde que pensava que nada poderia ser pior do que sua miserável vida familiar. As duas jovens se tornam reféns da Madre Superiora e de suas punições cruéis – sempre em nome do amor. Entre fracassadas tentativas de fuga, Teagan e Nora vão descobrir como é árduo o mundo exterior, principalmente para jovens de reputação arruinada.
Narrado com franqueza, compaixão e riqueza de detalhes históricos, As garotas Madalenas é um primoroso romance sobre a vida dentro dessas polêmicas instituições da Igreja Católica. É uma história inspiradora de amizade, esperança e incansável coragem.

A detetive Erika Foster fica espantada quando uma mala contendo o corpo desmembrado de um homem aparece na margem do rio Tâmisa. Mas não é a primeira vez que ela vê um assassinato tão brutal. Duas semanas antes, o corpo de uma jovem havia sido encontrado em uma mala idêntica.
Quando Erika e sua equipe começam a trabalhar, logo percebem que estão seguindo o rastro de um serial killer. O número de corpos aumenta, e o caso fica ainda mais grave quando as filhas gêmeas do Comandante Marsh, colega de Erika, são sequestradas. Será que Erika conseguirá salvar a vida de duas crianças inocentes? O tempo dela está se esgotando, e ela está prestes a fazer uma descoberta perturbadora.









© Blog Prefácio ♥ 2016 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo