17 fevereiro 2019

Resenha | Vox - Christina Dalcher


Livro: Vox
Série: Não
Gênero: Distopia
Autora: Christina Dalcher
Editora: Arqueiro
Páginas: 320
Ano: 2018

Resenha:
Em Vox vamos acompanhar a história de como as mulheres perderam sua voz e consequentemente sua liberdade, através da protagonista, a Dra. Jean McClellan, ou melhor, ex doutora, porque as mulheres não podem mais trabalhar fora. As coisas foram tomando forma aos poucos e quase ninguém acreditava que ia chegar a esse extremo, mas então aconteceu. Um novo presidente assumiu o poder e ao seu lado um líder religioso que prega a supremacia dos homens sobre as mulheres. Dai a criar prisões de trabalho forçado para todos que não encaixavam no padrão da família tradicional homem e mulher, foi um pulo. O movimento acabou ganhando a simpatia de homens e mulheres que se chamam de Puros e que acreditam que o homem pode tudo e a mulher só resta obedecer seu pai ou marido.

E para começar, as mulheres ganharam um novo acessório, uma pulseira que conta as palavras ditas durante o dia e cada mulher só tem direito a 100 palavras. Quem fala mais que isso leva um choque como aviso e se continuar, a intensidade vai aumentando e pode até matar. Depois elas perderam seus empregos, afinal o dever da mulher é cuidar da casa, do seu marido e filhos. Então foram proibidas de estudar, as mulheres só vão a escola para aprender corte e costura, culinária e a fazer contas para poder realizar as compras da casa. Dai em diante foi uma coisa atrás da outra, o marido toma conta de tudo, desde a correspondência que só é entregue aos homens, até aos canais de tv que somente eles tem acesso aos canais que não sejam programas do governo ou a programação sem censura que antes eram somente para as crianças.

E foram instaladas câmeras por todos os lugares para que as pessoas não criem outras maneiras de comunicação, como a linguagem dos sinais ou por gestos. Jean se sente vivendo no inferno. Ainda mais que antes disso tudo ela trabalhava buscando a restauração da fala em pessoas que perderam ela por um motivo ou outro. Mas então numa reviravolta, o governo precisa que Jean termine seu trabalho. A história oficial é que o irmão do presidente sofreu um acidente e eles precisam da cura que Jean estava pesquisando antes de perder seu emprego. Mas Jean descobre que a história verdadeira é bem pior do que ela imaginava. E enquanto ela fica sem saber o que fazer, Jean descobre que não é somente ela que está insatisfeita e que existe sim uma resistência.

"Minha culpa começou há décadas, na primeira vez que não votei, nas vezes incontáveis em que disse a Jackie que estava ocupada demais para ir a uma de suas passeatas, fazer cartazes ou ligar para meus congressistas."

Esse livro chegou aqui em casa furando fila. Eu já tinha lido algumas resenhas dele e sabia o que esperar, mas ainda assim fui surpreendida pelo quanto a história é perturbadora. Sabe aquele misto de ficção com realidade? Eu não conseguia deixar de pensar, em cada palavra que eu lia ou em cada coisa que acontecia, que aquilo tudo pode estar acontecendo aqui e agora e assim como a personagem do livro, estamos achando que não é nada, que "imagine, isso nunca vai acontecer, as coisas nunca vão chegar a esse ponto". A semelhança com a realidade é tão grande que dá arrepios. Ainda mais no cenário politico atual que estamos vivendo. No livro a história acontece nos EUA, mas é impossível ler o livro e não associar com o que vem acontecendo no nosso país.

São tantas situações, tantas palavras e frases idênticas ditas pelas lideranças no livro e por nossos lideres atuais que não podem ser mera coincidência. Já no começo do livro a protagonista fala sobre como ninguém conseguiu fugir para outros países já que foi construído um muro que separa o EUA do México. E dai a gente fica e não é isso que está em andamento? E outras declarações como crianças vestir uma ou outra cor de roupa, e tantas palavras e atitudes machistas que hoje felizmente ainda podemos decidir ignorar ou responder a altura e que quando ignoramos e achamos que tudo bem, essa nossa atitude pode estar levando a humanidade para algo que nem nos tempos patriarcais a mulher chegou a sofrer tanto.

Pela família da Jean dá para ter uma ideia de como funciona o novo governo. Patrick o marido e chefe da família comanda tudo, todas as decisões devem ser dele e durante a história vemos como Jean o odeia por ser passivo, mas se fosse no tempo atual ele seria o homem ideal por ser gentil e preocupado com a família. Steven o filho mais velho, eu queria esganar, mas tenho que reconhecer que a autora usou de seu personagem para mostrar como a coisa vai tomando forma ainda quando se é um adolescente, como uma ideia aqui, uma sugestão ali, foi transformando o adolescente apaixonado pela vizinha em um homem intolerante e um projeto de fascista. E em Sonia, uma garota de seis anos que é incentivada por pequenos prêmios a se manter calada o dia todo.


Que angustia. Eu não sei como reagiria estando no lugar da Jean. Não poder se expressar, não poder perguntar como foi o dia dos filhos na escola e nem poder consolar a filha quando acontece alguma coisa. Que situação horrível. Eu ia ficar louca com certeza. Eu e minha mãe conversamos o tempo todo, é a primeira coisa que fazemos de manhã antes de levantar da cama e a última antes de dormir. E sem falar que levo xingo dia sim e o outro também no meu serviço porque falo demais hehe. Por isso fica ai o alerta para todos. Homens leiam esse livro e mudem seus pensamentos antes que seja tarde. Mulheres vamos parar de fingir que está tudo bem e lutar pelo feminismo.

Eu só não dei nota máxima para o livro porque a autora inseriu um romance/traição que ficou tão em segundo plano que poderia ter passado sem ele que não teria feito nenhuma diferença, e achei que até ela perdeu algumas páginas que poderia ter sido aproveitada de outra forma. Talvez no final do livro, que foi muito corrido. Pela situação toda, achei que tudo se resolveu muito fácil para todas as partes. Li algumas resenhas comparando o livro com O conto da aia, como não li  não posso opinar. Quanto a edição, a Arqueiro está de parabéns porque o livro está incrível. Essa capa já mexe com a gente antes de iniciar a leitura e me surpreendi com a sinopse escrita na orelha que tem exatamente 100 palavras. Leitura mais que recomendada.
#cempalavras #sempalavras

Nota:






15 fevereiro 2019

Mystery Box de Dezembro e Janeiro

Na postagem de hoje vou mostrar as caixas de Dezembro e de Janeiro do Clube do Livros & Citações. As caixa de dezembro atrasaram bastante porque a Gabi decidiu que em vez de livros surpresas como é em todo mês, em dezembro cada um podia escolher seus livros. Mas teve editora que acabou mudando o lançamento, como foi o caso da Arqueiro que trocou o lançamento da Mary Balogh pelo da Julia Quinn.

Dezembro

Em Dezembro comprei a caixa babado com o tema Percy Jackson. Mas meu interesse mesmo eram nos livros hehe. E acabei recebendo um dos livros errados. Veio o livro Princesa das Cinzas que eu já tenho, mas conversei com a Gabi e ela me enviou o livro certo junto com a caixa de janeiro.


Veio esse poster do tema escolhido e as dicas literárias veio com uma citação de Dom Quixote.


Esses foram os marcadores que vieram na caixa. Um não perturbe para colocar na porta e esse colar do tema.


O brinde baphonico que escolhi foi essa luminária coruja que achei enorme, pensei que fosse bem menor hehe. E veio também uma camiseta do tema, mas como veio tamanho P, e estou longe de caber nela, dei para o filho de uma amiga.


E os livros que escolhi foram Vox e Um Marido de Faz de Conta. Vox eu já li e logo tem resenha dele e o da Julia preciso ler o primeiro ainda.



Janeiro

Já em janeiro comprei pela primeira vez a caixa brinde, que não vem livros, somente os brindes. Eu não comprava ela antes porque o brinde baphonico era obrigatoriamente uma caneca e como já tenho mais de 15 aqui, não tem mais onde colocar hehe. Mas esse ano a Gabi decidiu que dá para escolher o BP e assim resolvi comprar ela. O tema que escolhi foi Tema do Leitor, que são coisas relacionadas a leitura.


Esses foram os marcadores da box. O do Mickey eu já tinha, mas não me importo de ter repetido hehe.


Veio esse porta moedas de porcelana na forma de um unicórnio que é simplesmente lindo. Veio essa luminária de mesa e esse relógio de mesa também.


As dicas de livros do mês foi com essa ilustração e frase do tema do leitor e o brinde baphonico escolhi a light box que amei.


Essa caixa brinde foi uma grata surpresa. É a mais barata e foi a que veio com itens mais legais. 

E você já comprou alguma caixa do clube? Como se sente a respeito? Deixe sua opinião nos comentários.




13 fevereiro 2019

Resenha | Uma Noiva Para Winterborne - Lisa Kleypas


Livro: Uma Noiva Para Winterborne
Série: Os Ravenels #2
#1 - Um Sedutor Sem Coração
Gênero: Romance de Época
Autora: Lisa Kleypas
Editora: Arqueiro
Páginas: 336
Ano: 2018

Resenha:
Lady Helen Ravenel viveu toda a sua vida reclusa no Priorado Eversby, a propriedade rural da família que fica em Hampshire. Ela não debutou e por isso não teve a chance de conhecer nenhum homem que lhe demonstrasse algum tipo de interesse. Sua vida se resume a tentar colocar algum tipo de juízo na cabeça das irmãs mais novas, as gêmeas Pandora e Cassandra, e a cuidar de seus 200 vasos de orquídeas. Mas então seu primo Devon, o Conde Trenear, sofre um acidente de trem na companhia de um amigo, Rhys Winterborne e Helen é a unica pessoa que o enfermo não expulsa de seu quarto, por isso Helen fica encarregada de cuidar dele até que o mesmo se recupere. O que Helen nem imaginava é que a vinda de Rhys para a propriedade já estava planejada por Devon, que pretendia lhe casar com Rhys em troca de uma grande quantia de dinheiro que ele precisava para reerguer a propriedade.

O casamento entre eles é como se fosse um negócio entre amigos. Devon precisa de dinheiro e Rhys de uma esposa da aristocracia que lhe abra portas na sociedade, já que apesar de ter mais dinheiro do que conseguirá gastar na vida, ele é um galês filho de um comerciante que fez fortuna com seu próprio trabalho, algo inapropriado para um lorde. Mas o noivado não dura muito. Depois de um mal entendido, Kathleen, Lady Trenear, confunde as coisas e acaba terminando o noivado no nome de Helen, pensando ser essa a vontade dela. Mas não era. Por isso assim que consegue sair de casa, Helen vai até Rhys pedir que ele continue com o noivado. Mas Rhys acha que Helen só está atrás do seu dinheiro, ele ainda não sabe que os Ravenels não estão mais falidos e que Helen poderia se casar com quem quisesse dentre a aristocracia inglesa, mas que é sua escolha se casar com Rhys.

Só que Devon nunca vai aceitar o casamento entre eles porque Rhys não reagiu muito bem quando Kathleen terminou o noivado e Devon não quer ver Rhys nem pintado de ouro na sua frente. Ainda mais agora que ele não precisa mais do dinheiro de Rhys. E quando Helen insiste no casamento, Rhys diz que só tem um jeito de Devon permitir que eles se casem: se a honra de Helen estiver comprometida. Helen fica aterrorizada, até porque apenas um beijo mais ousado foi o motivo do noivado ter sido desfeito, mas concorda, porque é o único jeito deles se casarem. Mas então um segredo de Helen ameaça vir a tona e pode colocar em risco a realização do casamento, já que diz respeito ao motivo de Rhys ter se interessado por ela em primeiro lugar.

"Você é o meu mundo, cariad. Meu coração só bate como um eco do seu."

Antes de mais nada, não leia esse livro sem ter lido um Sedutor Sem Coração antes. Geralmente os livros em série dos romances de época contam histórias de pessoas da mesma família, ou de um circulo de amigos, mas suas história tem começo, meio e fim dentro de cada um dos seus respectivos livros. Mas os livros da Lisa não, e essa série especificamente menos ainda. A história de Rhys e Helen começa no livro anterior e tem continuação nesse. Assim como a história dos outros membros da família que futuramente terão seus livros. E suas histórias não terminam no fim do livro, continuam no próximo, como é o caso aqui com Devon e Kathleen. Então é imprescindível ler na sequencia.

Agora quero falar da capa. Sei que teve gente que amou, mas eu achei ela horrorosa. Se colocar a capa do primeiro livro e essa do segundo lado a lado, é uma discrepância enorme. A primeira é maravilhosa, uma das mais bonitas que tenho aqui na prateleira de romance de época. Mas essa segunda é muito feia e nem de longe lembra o gênero. Se me fala que era uma capa de livro de terror eu acreditava. Como disse a Priscilla em sua resenha, a mulher mais parece um fantasma olhando para o casarão que ela assombra. Pelo menos a lombada, a parte que fica exposta na estante, é bonita.

Uma coisa que gostei bastante no livro, nos livros da autora em geral, porque já tinha visto isso na outra série dela As Quatro Estações do Amor, é que as histórias se passam depois da Revolução Industrial, onde temos o surgimento dos "novos ricos", que apesar de não terem títulos de nobreza, começaram a ser essenciais na vida dos nobres, que foram ficando cada vez mais falidos. Mas mesmo assim eles continuam não sendo aceitos pela tal "sociedade", só na hora que precisam do dinheiro deles, fora isso, eles não são considerados para mais nada, muito menos para se casar com alguma lady ou lorde. Acho interessante essa abordagem dela.

Agora quanto ao casal protagonista, Helen e Rhys, me lembraram muito o casal de Pecados no Inverno, Sebastian e Evangeline, que vão aparecer no próximo volume dessa série, já que um de seus filhos é o protagonista da história. Tanto Sebastian como Rhys são descritos como canalhas, mas na verdade são homens românticos com um coração de ouro. E tanto Helen como Evie são descritas como mulheres muito tímidas, mas que na hora do vamos ver foram lá, tomaram as rédeas da situação e mostraram que não precisam de ninguém para fazer nada por elas. E assim como já tinha amado o casal da outra série, aqui não foi diferente.

E como já disse antes, não temos apenas o casal protagonista no livro, vamos conhecer um pouco mais da vida de todos os personagens dessa história. West não apareceu tanto quanto eu gostaria, mas o pouco que deu as caras já me fez suspirar por ele. As gêmeas continuam se comportando como se tivessem cinco anos em vez de dezenove. Por isso estou ainda mais curiosa para saber como serão suas histórias. E continuo amando o Devon. Por isso mesmo tendo dado cinco estrelas para os dois livros, gosto um pouquinho mais do primeiro por causa dele. Enfim, recomendo a história para todos os amantes do gênero. E vou lá ler o terceiro livro porque não consigo mais largar essa família, que já está ganhando meu coração como aconteceu com os Bridgertons.

Nota:






12 fevereiro 2019

Lançamentos de Fevereiro da Faro Editorial




Quando Ela Desaparecer - Victor Bonini

“QUAL A ARMA MAIS LETAL DO MUNDO?
OS SEGREDOS DAS PESSOAS.”

Do autor de O CASAMENTO e COLEGA DE QUARTO

Uma garota de dezesseis anos desaparece durante uma excursão escolar. Mas não se trata de qualquer garota. Dois anos atrás, ela esteve à beira da morte, e quando foi encontrada, ninguém acreditou que sobreviveria.

Agora, há dois meses desaparecida, não restam dúvidas de que esteja morta. Rastros de sangue e um colar arrancado são as únicas pistas. Pressionados, os policiais estão desesperados por respostas, mas ninguém na longa lista de suspeitos parece ter forte motivação para cometer um crime.

Até que o caso vira de cabeça para baixo e segredos muito bem enterrados emergem para revelar o lado cruel de um lugar aparentemente tranquilo. No meio de tantos possíveis culpados, os inocentes é que estão mais aflitos… porque alguns deles começaram a morrer.

“Bonini cria uma história empolgante sobre uma garota misteriosa, os segredos que cerca seu desaparecimento e uma jornalista procurando respostas. De ritmo acelerado e impossível de largar!”-Charlie Donlea, autor de A Garota do Lago, Deixada para trás e Não confie em ninguém


Rumo Ao Sul - Silas House

E se você descobrisse que viveu muito tempo sob perspectivas equivocadas?
E que foi cruel com uma das pessoas que mais amava no mundo?
Essa é a jornada...

Ao sul dos Estados Unidos, numa pequena cidade do Tennessee, o pastor Asher Sharp tem de encarar o seu próprio passado após uma das mais violentas enchentes que aquelas terras já enfrentaram.

Então um casal gay pede abrigo ao pastor após ajuda-lo no socorro a outras pessoas, mas perderam tudo na inundação. Asher se vê diante de um dilema, quer abrigar os dois homens mas encara a recusa de sua esposa. Um fato que vai trazer à tona histórias enterradas de sua própria vida, da rejeição ao seu irmão, que era também seu melhor amigo.

Algo que o faz questionar todos os valores daquela comunidade e tomar atitudes de ruptura, que desencadeiam uma série de outros eventos.

Decidido a encontrar o irmão de quem ele se afastou e nem sabe o paradeiro, desejando salvar o filho de um ambiente asfixiante, ele parte numa viagem rumo ao sul. Um percurso em que toda a sua história é passada à limpo, em meio a belas paisagens, novas amizades e descobrindo um mundo imenso, muito diferente do seu, algo que pôde ensiná-lo sobre as coisas mais profundas da vida.








11 fevereiro 2019

Resenha | A Era dos Mortos parte 2 - Rodrigo de Oliveira


Livro: A Era dos Mortos Parte 2
Série: As Crônicas dos Mortos # 6
#1 - O Vale dos Mortos
#2 - A Batalha dos Mortos
#2.5 - Elevador 16
#3 - A Senhora dos Mortos
#4 - A Ilha dos Mortos
#5 - A Era dos Mortos Parte 1
Gênero: Terror
Autor: Rodrigo de Oliveira
Editora: Faro Editorial
Páginas: 320
Ano: 2018

Contêm spoilers dos livros anteriores nos 4 primeiros parágrafos.

Resenha:
Para quem está caindo de paraquedas nessa série vou dar uma relembrada do que aconteceu até aqui. Em 2017 foi descoberto um planeta, chamado de Absinto, cujo diâmetro era vinte vezes maior do que o da Terra e ele estava vindo em nossa direção. Mas quando ficou certo de que o planeta só passaria muito perto e não bateria na Terra, todos comemoraram. A data em questão foi o dia 14 de julho de 2018. Nesse dia a temperatura subiu absurdamente, fazendo com que dois terços da população viessem a desmaiar. Só que quando essas pessoas acordaram desse desmaio elas não estavam mais vivas, tinham se transformados em monstros que agora perseguem e comem os que permaneceram vivos.

Então passamos a acompanhar Ivan e sua esposa Estela que apesar do caos que o mundo se transformou, conseguiram criar um centro de refugiados em São José dos Campos para quem não foi infectado. Mas então eles foram atacados por Jezebel, uma mulher que quando viva tinha um dom e que quando foi transformada continuou a ter consciência e conseguia controlar os outros zumbis. Depois de uma luta épica eles acreditaram ter matado Jezebel e partiram para Ilhabela onde tiveram uma vida quase normal por trinta anos. Mas então Jezebel que estava viva atacou novamente e dessa vez com um novo tipo de zumbis que ela mesmo criou. E aproveitando a situação Uriel, amigo e braço direito de Ivan traiu a todos e tomou o poder matando quem não concordava com ele.

Isabel, irmã gêmea de Jezebel que também tem um dom, foi uma das poucas pessoas que conseguiu fugir da Ilha e anos se passaram e então Isabel previu o nascimento de duas crianças, Sarah e Fernando e o início do Armagedom. Os dois foram treinados desde os oito anos para serem maquinas de matar e na primeira parte desse capitulo final da série vemos que o local onde ele moravam foi atacado por Otávio com sua nova arma, um zumbi com poderes como o de Jezebel que ele consegue controlar e Sarah foi levada prisioneira para a Ilha enquanto Fernando conseguiu fugir junto com Jennifer, sua mãe adotiva. Mas antes de chegar na ilha, a mãe de Sarah foi estuprada por vários soldados e na primeira oportunidade Sarah matou todos eles e conseguiu fugir.


Sarah consegue abrigo na casa de Madame Bianca, uma famosa cafetina que mora há anos na ilha e por sorte é uma amiga antiga de Isabel. E madame Bianca resolve ajudar como pode, no caso ensinando "boas maneiras" a Sarah porque assim ela vai conseguir chegar até Otávio um dia. Já Fernando e Jennifer conseguem chegar até um dos poucos lugares que ainda não foi dominado por Otávio e passam a viver no local e Fernando aos poucos vai conquistando um lugar de destaque no grupo até se tornar o melhor soldado da forteza com apenas dezessete anos. Mas o local é atacado pelos soldados de Otávio e Fernando é o único sobrevivente do massacre. Porém ele encontra um aliado entre os soldados, Artur, neto de Isabel. E será Artur o responsável por reunir Sarah e Fernando depois de tantos anos e assim cumprir as visões que Isabel teve antes deles nascerem.

"Ao longo do caminho, vários outros seres, inclusive zumbis convencionais, passariam a seguir o bando, que podia não ser tão grande, mas tinha o diferencial de ser composto pelos seres mais fortes e perigosos que vagavam pela Terra."

Enfim terminei de ler essa série que sem dúvida é uma das melhores que li nos últimos tempos. Do gênero é a melhor sem sombra de dúvida. O Rodrigo começou como quem não quer nada e foi melhorando a cada livro e sinceramente achei que ele não ia conseguir fechar a série com chave de ouro porque devido ao tema e de tudo o que aconteceu na história, achei que era impossível ele terminar a série a altura do que ele tinha escrito até então. Mas me enganei, ele conseguiu. Quando li o ultimo capitulo vi que ele foi genial e ao mesmo tempo sabendo agora como termina, vi que a história não poderia terminar de outro jeito que não esse. Fechou com maestria.


A primeira parte do fim, o livro anterior A Era dos Mortos, foi tão chocante que achei que nesse o autor pegou até mais leve no quesito crueldade tanto da parte humana quanto dos zumbis. Não que não tenha cenas horripilantes nesse livro, porque tem e também o "homem" consegue superar as suas próprias maldades, mas é que choquei tanto com algumas coisas no outro livro que nesse estava meio que anestesiada. É terrível de ver que mesmo em uma situação onde as pessoas deveriam se unir pela sobrevivência da raça humana, ainda tem gente que só vai pensar em seu próprio umbigo e tirar vantagem de tudo o que conseguir. E ainda vai existir governantes que estão ali apenas para benefício próprio.

O livro teve ação do inicio ao fim e mesmo as passagens de tempo, que já era anunciada, já que no livro anterior nossos protagonistas eram apenas duas crianças, não interferiram no ritmo da história. As poucas mais de 300 páginas passam voando. E nesse livro aconteceu uma coisa que até então eu tinha pensado, mas não visualizado. A história ficaria perfeita para ser assistida e não somente lida. Eu praticamente assisti a batalha final e fiquei aqui pensando, imagine isso na Netflix hehe. Mas ao mesmo tempo já pensei: vão estragar tudo. Mas dai lembrei que o Rodrigo não é qualquer autor e daria um excelente roteirista sem deixar ninguém estragar sua história.


Praticamente nesse último livro, de personagens conhecidos só temos Fernando e Sarah, e ainda por causa de um negócio que quem leu a Ilha dos Mortos sabe o que aconteceu. De resto não sobrou ninguém para contar história. E eu ao mesmo tempo que ficava fascinada vendo os dois em ação, não poderia deixar de pensar no motivo deles estarem ali e de que tudo seria diferente se não fossem "eles". E só para citar um defeito no livro, achei meio fora de propósito a paixão de Fernando por Gabriela. ainda mais sendo quem ele era. E depois só foi olhar para a Sarah e ele nem lembrou mais da existência dela. Mas isso é só para procurar pêlo em ovo mesmo, porque o livro é perfeito hehe.

Como disse na resenha da Parte 1, não estava acreditando muito que eles conseguiriam não. Por isso até o final fiquei naquela expectativa, ainda mais porque vi que as páginas estavam diminuindo e nada deles conseguirem chegar no Otávio. Mas devia ter colocado mais fé no autor que num passe de mágica fechou tudo perfeitamente e como já citei antes sobre o ultimo capitulo, até ri quando li ele hehe. Mas enfim, não vou me alongar muito mais. Só acho que quem gosta de zumbis, essa série é uma leitura obrigatória. Em seis livros e um conto o autor não deixou a peteca cair em nenhum momento. Não teve aquele livro que foi só para vender, todos eles são significantes para a história. E tenho que parabenizar a editora pelo excelente trabalho porque todos os livros são impecáveis. E se der vou reler eles porque a história é maravilhosa hehe.

E não resisti e coloquei várias fotos do livro na resenha só para vocês verem um pouquinho o que foi a edição, tanto desse livro como dos outros da série. É um capricho só. E sem falar nessa capa que se completa com a capa da parte 1 de A Era dos Mortos. A Faro Editorial está de parabéns!

Nota:







08 fevereiro 2019

Minha opinião - Janeiro/2019

Resolvi ressuscitar essa coluna que faz anos não dava as caras por aqui. Como leio muitos livros no mês, em janeiro foram 20, e não consigo resenhar todos, resolvi fazer essa coluna onde faço um breve comentário do que achei dos livros que não irei resenhar.

Sorrisos Quebrados
Sinopse: Skoob
Nota: 3/5
Antes de mais nada quero falar que essa capa é linda e as cores, a pintura, as estrelas, tem tudo a ver com a história. E a capa foi o que me fez querer ler o livro porque o gênero é um que não gosto. E infelizmente encontrei aqui quase tudo o que desgosto no gênero. No começo do livro temos uma cena bem forte de violência domestica, o que resulta na quase morte da protagonista. Ela sobrevive, mas fica deformada e com medo de tudo. E quando ela conhece André sua reação é de tanto medo que ela chega a desmaiar. Até ai tudo bem por causa de tudo o que ela passou. Mas então dias depois, eles fazem sexo, e não me entrou na cabeça que alguém com um trauma como o dela fosse fazer assim de boa. E isso já me deixou com muita raiva da autora por abordar o assunto assim de uma forma tão leviana. E não é só ela não, mas todos os problemas psicológicos das pessoas nos livros parecem ser resolvidos com sexo. Infelizmente. Mas a favor da autora tenho que pelo menos aqui o cara não desconta em ninguém o trauma que passou. Ele não precisa ser um escroto para mostrar que foi machucado no passado. Por tudo isso minha nota foi um bom.


Malícias & Delícias
Sinopse: Skoob
Nota: 5/5 e favorito
Assim como já comprei um livro pela capa, já deixei de comprar por causa dela também. E esse é um desses casos. Essa capa é muito feia e sem criatividade. Mas então sempre vejo a Luiza elogiando esse livro e quando vi que tinha ele no Kindle Unlimited, resolvi ler. E foi a melhor coisa que fiz nos últimos tempos. O enredo do livro é bem clichê, mas a história é tão hilária que não lembro de ter rido tanto assim na minha vida com um livro. Eu dava gargalhadas mesmo, e até chorei de tanto rir. Quando tem crianças na história, ou elas são muito fofas ou bem divertidas, mas o Gavin é um achado a parte. Não vou dizer mais nada para não atrapalhar a leitura de quem pretende ler o livro. Só leiam. É muito bom. Só um aviso para quem não gosta, tem bastante palavrão e cenas de sexo.




Sorte Grande
Sinopse: Skoob
Nota: 3/5
Esse livro veio em uma das caixas literárias que assino, porque se fosse para eu ter comprado ele por escolha, acho que não teria comprado. Eu amei o livro A probabilidade estatística do amor à primeira vista da autora, mas depois fui só lendo resenhas negativas dos outros livros dela que foram sendo publicados por aqui. E infelizmente esse livro apesar de não ter sido tão ruim, não foi um livro que me agradou e com certeza daqui a um tempo eu já me esqueci dele. Meu problema com o livro foi o personagem Teddy. Ele me irritou em vários momentos por ser um egoísta que não enxerga nem o que está diante do seu nariz. E me irritei com a Alice também porque ela via um Teddy que não existia. Só se ele mudou muito, porque se ele sempre foi da forma como foi apresentada no livro, não entendo de onde surgiu o amor dela por ele. Mas é uma leitura rápida, daqueles livros que dá para ler em um dia. Só não vá com muita sede ao pote e pode ser que você goste mais do que eu.



Opala
Sinopse: Skoob
Nota: 3/5
Esse é o terceiro livro dessa série que só estou lendo porque sou dessas que não consegue largar uma história pela metade. Eu achei a história muito parecida com a de Crepúsculo. É só trocar o vampiro por um alienígena. Até algumas situações que aconteceram em Crepúsculo também teve em Obsidiana. Mas o segundo livro achei melhorzinho e esse terceiro foi bom também. Mas nada como o que eu li nas resenhas. Acho que já passei da idade de ler esse tipo de livro hehe. Tem tanta coisa que me incomoda na história que fica até difícil enumerar aqui. Mas uma que não posso deixar de citar é que a protagonista é uma blogueira literária, mas nunca vejo ela ler um livro. E o engraçado é que cada vez que ela senta na frente do computador, raras vezes, ela publica umas três resenhas no blog. Então né, a gente que é, sabe o quanto é difícil manter um blog, e essa uma das muitas coisas que me irritam no livro. Mas sei que sou da opinião contrária que a maioria, então se tiver vontade leia o livro, e a série na verdade. 

Uma Noiva de Natal
Sinopse: Skoob
Nota: 3/5
Eu peguei a dica desse livro no blog da Mari. O livro é um chick-lit daqueles que parecem filmes da sessão da tarde (tirando as cenas mais hots hehe). As cenas são feitas para rir, e são tão inverossímeis que é impossível acreditar que algo do tipo realmente aconteceria na vida real. Por exemplo, onde no mundo um CEO deixaria o alarme do carro desligado para qualquer um entrar no carro dele? Mas o livro cumpre o que promete, é romântico, é engraçado e a gente torce para que os protagonistas fiquem juntos, mesmo a Julie sendo bem irritante as vezes. O livro é curto e dá para ser lido em um dia. Só não gostei muito de não ter final e só descobrimos que vai ter uma continuação no fim da história. Eu já tinha lido outros livros da autora e já sabia o que esperar do livro. Não espere uma história profunda com uma escrita impecável. o livro é bem raso, quem já leu livros no wattpad, sabe do que estou falando.










© Blog Prefácio ♥ 2016 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo