06 agosto 2020

Lançamentos de Agosto da Faro Editorial e novidades

Em agosto a Faro traz dois grandes lançamentos de não-ficção, vamos conhecê-los.

É importante entender a história que está sendo feita hoje, porque ainda há mais por vir, porque a sociedade americana está perplexa com o espetáculo do negro em revolta, porque as dimensões são vastas e as implicações profundas. PALAVRAS PROFERIDAS EM 1964... Em 1963, no Alabama, talvez o estado com maior segregação racial nos Estados Unidos, uma campanha lançada por Martin Luther King demonstrou ao mundo o poder da ação não-violenta. Neste livro, lançado em 1964, o vencedor do Prêmio Nobel da Paz narra esses eventos, traçando a história da luta pelos Direitos Civis nos últimos três séculos mas olhando para o futuro, avaliando o trabalho que precisava ser feito para a igualdade de direitos e oportunidades aos negros e a seus descendentes. Trata-se de uma análise eloquente dos fatos e pressões que impulsionaram o movimento dos Direitos Civis até as marchas públicas que tomaram as ruas naquela época e inspiram as de nosso tempo. Mais de cinco décadas após sua morte, as palavras de Luther King se mostram atuais para o mundo. No livro, o autor descreve os acontecimentos cruciais que impulsionaram a campanha pela justiça racial, oriunda de um movimento nascido em balcões de lanchonetes e reuniões de igreja, mas que se fez ressoar em todo o planeta. Por que não podemos esperar é um manifesto único, um testemunho histórico e também um alerta. A INJUSTIÇA NUM LUGAR QUALQUER É UMA AMEAÇA À JUSTIÇA EM TODO O LUGAR. MARTIN LUTHER KING JR.

VOCÊ ACEITARIA UM AVANÇO CIENTÍFICO QUE PROPORCIONASSE
MAIS SAÚDE E TALENTO AOS SEUS DESCENDENTES?
Após 3,8 bilhões de anos, a humanidade está prestes a começar a
evoluir com novas regras... uma revolução futurista vai sacudir os
fundamentos de nossa vida: sexo, amor e morte.
Nosso DNA está se tornando tão legível e rastreável que será possível hackeá-lo como qualquer
dado ou informação tecnológica. Mas tudo tem seu preço... as escolhas que faremos hoje serão
a diferença entre realizar avanços impressionantes ou uma corrida genética perigosa e,
potencialmente, mortal.
Este livro é um convite para entrar nos laboratórios onde os cientistas estão transformando
ficção científica em realidade. Olhe para um futuro em que nossas questões éticas serão
desafiadas de modo quase irreal, e a própria essência do que significa ser humano estará em
transformação.
EM UMA DÉCADA VAMOS PROJETAR NOSSOS FILHOS, PROLONGAR NOSSA EXPECTATIVA DE
VIDA, RECRIAR OS MUNDOS VEGETAL E ANIMAL... PARECE FANTASIA? COM ESTE LIVRO NÃO
RESTARÁ DÚVIDAS DE QUE VOCÊ FARÁ MUITAS DESTAS ESCOLHAS.

Também no campo dos lançamentos, a Faro  Editorial acaba de adquirir os direitos de “Float Plan” de Trish Doller, que deverá ser publicado no Brasil em 2021. Considerado um dos romances mais tocantes sobre segundas chances e autodescoberta, e com os direitos de tradução vendido para mais de 8 países. Trata-se de uma narrativa sobre vidas que tiveram seus destinos mudados de formas trágicas, e que em meio a dor, encontrar um caminho para voltar a viver. E esse caminho foi trilhado em alto-mar.

Desde que perdeu seu noivo, Ben, Anna passou o último ano mergulhada em tristeza e dor, incapaz de seguir em frente. Mas o lembrete de uma viagem a Porto Rico, planejada um ano antes por Ben, a traz de volta para tudo que foi perdido. Anna decide, repentinamente, que fará essa viagem sozinha.
Familiares e amigos ficam bastante preocupados com os riscos da viagem. Mas ela parte num veleiro disposta a viver tudo o que havia planejado com o homem de sua vida.
Sem experiência em velejar sozinha, Anna aceita que precisará de ajuda para cumprir seu objetivo, e talvez assim vencer a dor que a afoga dia após dia. E é nesse momento que Keane entra em sua vida.
Também enfrentando seus próprios demônios, uma história que pesa sobre seus ombros, ele tem motivos para aceitar a proposta. Vê, com convite de Anna, uma maneira de tirar o foco daqueles problemas. E embarca numa viagem que pode mudar a vida dos dois

E uma super novidade é que a Faro agora tem e-books. Eles estarão disponíveis na Skeelo, um novo app de leitura. E o primeiro livro a ser disponibilizado com exclusividade é o best-seller “A Garota do Lago”, do americano Charlie Donlea. e em breve, novos títulos da editora serão adicionados ao catálogo digital. O acesso aos livros do Skeelo é disponibilizado como benefício aos clientes de telefonia pós-paga das operadoras Claro, TIM, Oi, Nextel e Algar Telecom, além de parcerias com o Banco do Brasil e empresas de TV por assinatura. Mensalmente o aplicativo oferece a seus usuários um título best-seller, sendo possível a troca prévia de acordo com o interesse pessoal de cada leitor. O catálogo inclui mais de 1000 títulos disponíveis.
Para mais informações acesse: www.skeelo.app










04 agosto 2020

Resenha | Tentação ao Pôr do Sol - Lisa Kleypas


Livro: Tentação ao Pôr do Sol
Série: Os Hathaways #3
#1 - Desejo à meia-noite
#2 - Sedução ao Amanhecer
#2.5 - Casamento Hathaway
Gênero: Romance de Época
Autora: Lisa Kleypas
Editora: Arqueiro
Páginas: 272
Ano: 2014

Resenha:
Tudo o que Poppy Hathaway desejava era encontrar um pretendente, fazer um bom casamento e ter uma vida tranquila e normal. Mas tranquilidade e Hathaway nunca serão palavras vistas em uma mesma frase. Poppy já está em sua terceira temporada e praticamente já desistiu de se casar. Primeiro que além dos escândalos que acompanham o nome da família, o pior deles é suas duas irmãs mais velhas terem se casado com ciganos, os cavalheiros que tem um pouco mais de coragem e chegam até Poppy, descobrem que ela é uma mulher inteligente e se afastam assim que possível.

Mas sua família ainda não desistiu de casá-la e por isso todos estão hospedados no hotel Rutledge em Londres. Todos mesmo, até Dodger o furão de estimação da sua irmã Beatrix, que no momento esta fazendo Poppy correr feito uma louca pelos corredores do hotel. Finalmente parece que pelo menos um homem, Michael Bayning, está interessado em Poppy o suficiente para relevar seus supostos defeitos e, apesar de ainda não ter tido coragem de enfrentar o pai, está se correspondendo com Poppy e é uma dessas cartas que Dodger está levando em suas presas. E em meio a perseguição Poppy acaba entrando em uma passagem secreta onde conhece Harry Rutledge, dono do hotel.

E o que afasta os homens de Poppy é exatamente o que atrai Harry. Os poucos instantes que passam juntos serve para Harry admirar além da beleza de Poppy sua perspicácia e decide que vai tê-la. Sua primeira providência é se livrar do pretendente de Poppy, o que não é muito dificil e logo em seguida ele arranja um jeito de fazer com que Poppy seja obrigada a se casar com ele, comprometendo-a na frente de todos. Mas ainda assim os Hathaways deixam a escolha de Poppy se casar ou não e ela acaba aceitando. Mas momentos antes do casamento Poppy descobre o que Harry fez para separá-la de Michael e mesmo se casando com Harry, deixa claro que nunca vai amá-lo. Uma decisão que será testada a cada instante que passa com Harry.

"Havia se apaixonado por um príncipe, mas acabara nos braços de um vilão. E seria tudo mais fácil se continuasse vendo a situação nesses termos simplistas. Porém seu príncipe não chegava nem perto de ser perfeito como parecia... e o vilão era um homem atencioso, de sentimentos intensos."

Esse é  terceiro livro da série Os Hathaways e até o momento o melhor da série. E olha que lendo os dois primeiros não dei muito crédito para a Poppy não, já que entre os cinco irmãos ela é a mais tímida e não chamava muito atenção como acontece com Beatrix por exemplo. Mas não é que a garota tímida foi a que protagonizou os momentos mais hots de todos os livros da Lisa que li até agora? Como em todos os livros de romance de época que pertencem a alguma série, o livro dá para ser lido de maneira independente, mas não aconselho já que principalmente nessa série, a família como um todo é a protagonista dos livros e as histórias dos irmãos seguem uma ordem cronológica.

Quando li as resenhas vi muita gente falando sobre a forma que Poppy e Harry acabam se casando. Se for trazer para os dias de hoje podíamos comparar com o tão falado filme 365 dias onde uma mulher é sequestrada e se apaixona pelo seu sequestrador rico e gostosão. O filme gerou muita polêmica, mas não é o assunto aqui. Poppy também é obrigada a se casar com Harry por uma jogada dele. Ai muitos vão dizer 'mas ela teve a escolha e escolheu se casar'. Será que teve mesmo escolha já que na época em questão quando uma garota tinha sua reputação comprometida, sua vida acabava. E não só a dela, mas de toda a família, e as irmãs solteiras se tornavam indesejadas juntas.

Então, a coisa começou errada sim, mas eu não vi por esse lado da obrigação já que Harry só se aproximou de Poppy quando ela quis e também Poppy fez com que ele pagasse bem caro pelo o que ele fez. E se formos levar isso em conta uns 80% dos romances de época as garotas eram obrigadas a se casar como meras mercadorias. Quem pagava mais levava. Até por isso muita gente não gosta de romances de época por todo esse machismo envolvendo os casamentos. Se você é uma dessas pessoas recomendo que leia os livros da Tessa Dare, porque por enquanto é a unica autora do gênero que li que isso não acontece.

Mas voltando a história do livro, o ponto alto dessa série é sem dúvida a família. De todas as séries que li até agora essa é a que realmente todos os personagens participam de todos os livros, por isso como disse, não leia fora de ordem. E engraçado que tirando a Poppy, que como disse amei a história dela, dos outros personagens gosto mais deles como um todo do que separados por história. O tanto que me irritei com Cam e Amélia, e mais ainda com Merripen, quando eles interagem como família, seus defeitos ficam esquecidos e me apaixono por cada um deles (só pelo Merripen que não hehe). Cam está ainda mais maravilhoso defendendo sua "tribo", até Leo que tinha odiado no primeiro livro me ganhou nesse e estou ansiosa para ler sua história.

E Harry e Poppy foram feitos um para o outro. Sabe aquela história do casal que se completa, se encaixa perfeitamente com os dois. Harry tem um passado, que graças a Deus a autora não usou para fazer com que ele tratasse a mocinha como um lixo. E Poppy é a pessoa que vai mostrar um outro lado da vida para esse mocinho que apesar de turrão por fora, é um doce por dentro. E além dos nossos protagonistas, temos uma leva de personagens secundários, os funcionários do hotel, que fizeram toda a diferença na história e que garantiram boas risadas com seus planos de juntar os patrões. E ainda não poderia deixar de mencionar os bichos da Beatrix, que também tem participações fundamentais na história. Enfim, termino essa resenha indicando o livro e a série. Fãs do gênero com certeza vão apreciar a leitura.

Nota:










02 agosto 2020

Resenha | O Prisioneiro Do Céu - Carlos Ruiz Zafón


Livro: O Prisioneiro Do Céu 
Série: O Cemitério dos Livros Esquecidos #3
#1- A Sombra do Vento
#2 - O Jogo do Anjo
Gênero: Suspense
Autor: Carlos Ruiz Zafón
Editora: Suma
Páginas: 248
Ano: 2012

Contêm spoilers dos livros anteriores.

Resenha:
Em O Prisioneiro Do Céu temos de volta Daniel Sempere de A sombra do Vento. Estamos na Barcelona de 1957, véspera de natal. Daniel está casado com Bea e tem um filho, Julián. Eles vivem em um apartamento em cima da livraria da família. Temos também Fermín, que ainda trabalha na livraria com eles e está prestes a se casar com Bernarda. Fermín, não se sabe se pela aproximação do casamento, está cada dia mais estranho. Ele parece ter perdido aquele brilho e está cada dia mais fechado. As vendas andam mal da pernas, até que que Sempere pai tem a ideia de decorar a vitrine com um presépio. Fermín não perde a oportunidade de fazer uma piada, mas mesmo assim, Daniel ainda continua achando que ele está com algum problema.

E Daniel não demora em descobrir o que está acontecendo com Fermín. Ele está sozinho na loja quando entra um homem misterioso e pergunta por Fermín. Quando Daniel se faz de desentendido, ele começa a olhar os livros e compra um exemplar de O Conde De Monte Cristo que está trancado na seção dos livros mais valiosos. Daniel fica receoso em realizar à venda para aquele homem tão estranho e que está vestido como um mendigo, mas como o dinheiro vem bem a calhar, ele vende. O homem pede que entregue o livro e quando Daniel pede que ele escreva o endereço de entrega, ele escreve o seguinte bilhete:

"Para Fermín Romero de Torres, que retornou
de entre os mortos e tem a chave do futuro.
13"

Daniel fica com a pulga atras da orelha e decide seguir o homem. Mas a única coisa que ele consegue descobrir é que o homem está hospedado em um lugar de má reputação, usando o nome de Fermín. Daniel assim que pode, pergunta a Fermín sobre o homem e mostra o bilhete. Fermín quer se esquivar, mas acaba contando a Daniel o que está acontecendo. O porque dele estar tão diferente. São segredos guardados de um passado que ele queria esquecer, mas que agora parece ter voltado para assombrá-lo. Um passado em que ele esteve em uma prisão juntamente com um homem cujo apelido era O prisioneiro do Céu, mas seu nome é David Martín, outro conhecido nosso do livro O Jogo do Anjo.

"Não me lembro de onde foi que li que no fundo nunca fomos o que éramos antes, que só lembramos o que nunca aconteceu..."

Esse é o terceiro livro da série O Cemitério dos Livros Esquecidos. E apesar de já ter visto várias resenhas falando que os livros podem ser lidos em qualquer ordem (inclusive no começo desse livro está escrito isso), não pode não. Os dois primeiros livros até dá para ser lido em qualquer ordem porque as histórias apesar de terem o mesmo cenário e alguns dos personagens estão nos dois livros, o foco delas são diferentes. Mas nesse terceiro livro temos as histórias de A Sombra do Vento e de O Jogo do Anjo convergindo em uma só e existem detalhes que só fazem sentido nesse livro se você leu os dois outros.

A história se alterna entre presente, 1957 e passado, 1939 e nela vamos "descobrir" uma parte da história de Fermín e como ele veio parar na livraria dos Sempere. Vários enigmas e mistérios que surgiram nos dois primeiros livros são respondidos nesse. Eu já desconfiava que Fermín tinha tido uma vida bem difícil, mas nunca podia imaginar por tudo o que ele passou. E David então. No final de O Jogo do Anjo temos um final para ele e nesse vemos que não foi realmente nada daquilo que aconteceu. E eu que já queria colocar os dois no colo e nunca mais largar fiquei foi com um nó na garganta ao ver como pode existir tanta maldade dentro do ser humano.

E aqui temos novamente o Daniel como um dos protagonistas, um deles porque ele divide a história com Fermín. E que leque de personagens incríveis o Zafón consegue criar. Como disse na resenha dos outros livros, é impossível você escolher um personagem favorito nessa história. E uma coisa que gosto muito é que os personagens são muito humanos. E o leitor consegue se colocar no lugar deles e até parece que era eu ali passando por aquilo tudo. E outras vezes fica aquela sensação de que conheço eles pessoalmente e que são amigos meus e por isso dói tanto cada coisa que acontece ali.

Esse terceiro livro não puxa para o sobrenatural igual acontece em O Jogo Do Anjo, mas mantêm o mesmo tom sombrio de A Sombra do Vento e os cenários também são os mesmos já conhecidos pelos leitores da série. Esse terceiro livro é o menor da série e até tentei ler bem devagarzinho para durar mais, mas por outro lado a história de Fermín é tão fascinante que não consegui largar o livro nem para comer e quando percebi já tinha terminado ele em poucas horas. Agora resta ler o quarto e ultimo livro da série que felizmente o autor escreveu mais um livro, porque da primeira vez que li acreditava-se ser uma trilogia e a minha torcida era nesse sentido e acabou se concretizando. E por fim deixo aqui minha indicação de leitura. Leia esse e outros livros do autor, você não vai se arrepender.

Nota:










01 agosto 2020

Resumo Literário e Cinéfilo de Julho/2020

Mais alguém aí, virando a louca das plantas? 


Olivia


{Filmes e Séries}







Silvana 



{Filmes e Séries}


Nossas notas são as estrelas fora da imagem

{Livros}




Melhor leitura do mês


O que menos gostei


Decepção


Surpreendeu










30 julho 2020

Mystery Box da quarentena

As vendas das caixas literárias do Clube do Livros & Citações estão suspensas por tempo indeterminado. Mas a Gabrielle está fazendo algumas caixas limitadas com temas de livros que estão sendo lançados e o povo está pedindo bastante. E quando vi que ia ter a de O Povo do Ar com réplicas do Cardan e da Jude eu precisei comprar.



O card de indicações está lindo e até dá para fazer um quadro. Os marcadores também gostei bastante.


Veio esse poster enorme, que como já disse nas outras caixas, pelo menos para mim não tem utilidade. Se eu fosse colar nas paredes todos os banners que já recebi do clube não tinha mais paredes em casa. Sem falar que fica todo amassado por vir dobrado em várias partes.


Veio uma coroa, um enfeite de maça e essas orelhas de fadas.


Amei essa almofadinha de maça e claro o livro hehe.


E veio também essa taça. Mas os mais aguardados sem dúvida eram as réplicas. Que estão lindas demais. Os dois são uma fofura e ficaram lindos na estante.


O que acharam da caixa? Já compraram alguma caixa literária?









28 julho 2020

Resenha | Crooked Kingdom - Vingança e Redenção - Leigh Bardugo


Livro: Crooked Kingdom - Vingança e Redenção
Série: Six of Crows #2
#1 - Six Of Crows - Sangue e Mentiras
Gênero: Fantasia
Autora: Leigh Bardugo
Editora: Gutenberg
Páginas: 448
Ano: 2017

Contêm spoilers do livro anterior nos três primeiros parágrafos. 

Resenha:
Dentre os membros das gangues de Ketterdam, Kaz é o mais habilidoso. Tanto que quando Van Eck, um membro do Conselho Mercante precisa de alguém para roubar um dos lugares mais seguros do mundo, Kaz é chamado. Mas Kaz não arriscaria sua vida se não tivesse muito dinheiro envolvido, a quantidade equivale à sua liberdade, já que apesar de ser um dos criminosos mais eficientes, Kaz ainda se reporta a alguém, no caso Per Haskell chefe dos Dregs, gangue à qual Kaz parte. Kaz monta sua equipe e eles fazem o impossível, conseguem entrar, pegar Kuwei e sair com vida da Corte do Gelo em Fjerda. Mas na hora de receber seu dinheiro Kaz é traído e um bem mais precioso que todo o dinheiro que ele ia receber é levado, Inej, a garota suli por quem Kaz sente mais do que deveria sentir.

Van Eck dá uma semana para que Kaz entregue Kuwei ou Inej irá sofrer as consequências. O que Van Eck não imaginava era que fazer negócios com Kaz já é arriscado, mas traí-lo é um ato imperdoável. Kaz não vai somente pegar sua Espectro de volta, mas ele vai acabar com Van Eck e tudo o que ele tem de mais precioso, sua imensa fortuna. Van Eck vai pagar com juros astronômicos à traição aos seis Corvos. Kaz já tem um plano no qual vai ter que contar com a ajuda de todos, agora não mais inimigos, mas unidos em um mesmo propósito. E libertar Inej e se vingar de Van Eck é somente uma parte dos problemas que eles terão que enfrentar. Não é só Van Eck que quer Kuwei, de todos os lados as pessoas estão vindo atrás do filho do criador da Jurda Parem.

E ao mesmo tempo os Grishas de Ketterdam começam a serem caçados por algo que eles nunca viram. E o passado começa a assombrar os membros da equipe dos corvos, Nina tem que lidar com a abstinência da Jurda Parem que parece ter modificado seus poderes, Inej começa a duvidar de si mesma ao se ver presa novamente, Matthias precisa lutar internamente contra tudo o que foi ensinado, Jesper terá que lidar com a volta do seu pai e a iminente perda da fazenda deles por sua culpa, Wylan não pode acreditar que seu pai seja capaz de tudo o que ele está vendo e fica dividido entre fazer o certo e sua família e Kaz terá que enfrentar um inimigo que fez ele se tornar quem é hoje. Os dados foram lançados, mas a sorte não tem nada a ver com o resultado desse jogo.


É com um aperto no coração que escrevo essa resenha. Porque por mim essa duologia poderia ter mais uns quatro livros que eu estava feliz da vida. Não sei porque quando a coisa é chata os autores escrevem séries intermináveis e quando é maravilhosa como essa só tem dois livros. Mas ainda bem que mesmo não sendo da mesma série a autora ainda continua escrevendo nesse mesmo universo e vez ou outra vou poder matar a saudade desses personagens incríveis que conheci nessa história. Assim como aconteceu nesse livro onde temos a participação de alguns personagens da Trilogia Grisha, entre eles o meu favorito de todos.

Mas volto a ressaltar, não é essencial ler a Trilogia antes da duologia, mas recomendo que se leia porque o universo é o mesmo e querendo ou não vai ter um spoiler da trilogia nesse segundo livro. Assim como disse no livro anterior é visível a evolução da escrita da autora da trilogia para a duologia. Enquanto a trilogia é muito boa, mas deixa a desejar em alguns pontos, a duologia é perfeita do começo ao fim. Sei que muitos vão dizer que não existe história perfeita, mas se teve alguma coisa na duologia que eu possa levantar como ponto negativo, eu não encontrei. A autora foi muito feliz na escolha da narrativa, em terceira pessoa acompanhando um dos seis protagonistas por vez, e esse foi um dos pontos que mais gostei nos livros.

Até porque os seis são tão impressionantes que ela ia sofrer para escolher só um deles para narrar a história, e estaria perdendo o que foi o ponto mais forte do livro, os seis personagens. Sei que cada um que ler o livro vai ter sua lista de preferencia entre os seis, mas ninguém vai ser capaz de dizer que um deles foi menos protagonista que o outro, ou que um se sobressaiu mais, ou que esse ou aquele não teria feito a diferença se não estivesse ali. A equipe como um todo é perfeita. E isso foi uma diferença entre o primeiro e o segundo livro da duologia. No primeiro livro eles eram bandidos contratados para fazer um serviço, nesse segundo eles são um time onde cada um completa o outro.

E quando digo bandidos estou sendo generosa porque nos temos seis anti-heróis como protagonista e mesmo sabendo o que eles são, fica impossível não se render a eles e torcer para que dê tudo certo no final. E um final feliz era algo que eu via indo embora a cada novo capitulo, porque as coisas antes de melhorar só pioravam para o lado deles. Mas então é ai que entra a genialidade de Kaz e você descobre que tudo o que aconteceu era parte de seu plano. Mesmo que o plano vá sendo modificado a cada nova jogada dos inimigos. E a coisa cresce de uma maneira nesse segundo livro que de repente a gente vê que não é só o dinheiro deles que eles precisam salvar, mas todo o mundo Grisha.

Na minha ordem de preferência está Kaz é claro, com seus planos aparentemente impossíveis de serem realizados, mas que ele dá um jeito se ser colocado em prática. Depois temos Inej que meus Deus que nervoso porque eu queria muito um romance entre os dois mas a aversão de Kaz ao toque é um impedimento que me deu gastura para saber como a autora ia resolver. Depois temos Wylan que eu queria abraçar e nunca mais soltar e Jesper que são perfeitos juntos e não poderia ter casal mais maravilhoso. E por fim Nina e Matthias um dos casais que estavam fadados a se separarem desde o começo por tanta diferença entre eles, mas que provam que o amor vence tudo sim.

E mais uma vez quero ressaltar o universo rico criado pela autora que com certeza tem muito mais a ser explorado, o que inclusive já está sendo feito já que temos uma nova duologia sendo escrita e que espero não demore horrores para chegar por aqui. Quanto a edição está muito bem feita, mas volto a ressaltar a diferença de tamanho entre os livros da Trilogia Grisha e da duologia. Os livros da trilogia são menores. E para terminar essa resenha que já está enorme, só me resta indicar o livro para quem gosta de livros de fantasia, sobretudo quem gosta de livros inteligentes onde o leitor é desafiado a todo instante e que quando a história termina, fica o sentimento que expressei acima: um aperto no coração por ter chegado ao fim.

Nota:









© Blog Prefácio ♥ 2016 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo