10 dezembro 2017

Maratona Literária Desencalhando Livros


Eu não sou muito de participar de maratonas, mas como essa é para desencalhar livros e livros encalhados é o que mais tem aqui em casa, resolvi participar. Ela está sendo organizada pela Maria do Blog Pétalas de Liberdade.

A Maratona Literária Desencalhando Livros vai acontecer entre os dias 12/12/2017 e 12/01/2018.

 Para participar, você deve postar sua TBR (lista de livros que quer ler) em modo público com a hashtag #MLDL (pode ser post no blog, vídeo no canal, foto no Instagram, no seu perfil ou fan page no Facebook, no Twitter, Tumblr...) e se inscrever no formulário de inscrição, link do formulário: https://goo.gl/sNbE1j (formulário aberto até dia 19/12, caso alguém chegue atrasado).

 Não é obrigatório, mas se, além de postar a TBR e se inscrever no formulário, você se inscrever no meu canal no YouTube (link do canal: https://www.youtube.com/channel/UCA6rN2MY2Lhvi4zSgQ6opAA) e entrar no grupo da maratona no Facebook (link do grupo: https://www.facebook.com/groups/1534350523284811/), você poderá participar de sorteios extras.

 Prêmios para os participantes: ao final da maratona, entre todos os inscritos no formulário de inscrição, sortearei um vale-compras de R$45,00 no Submarino.

 Entre todos os inscritos no formulário, no canal e membros do grupo, sortearei um kit de marcadores e um livro surpresa da minha biblioteca pessoal. Dependendo do número de participantes, posso conseguir mais prêmios.

 Sugestão de temas para ajudar a montar a TBR

 Eles não são obrigatórios, você escolhe os livros que vai ler com base neles se quiser, e pode escolher mais ou menos livros ou, até mesmo, um único livro para todas as categorias.

1- Encalhado a mais tempo na estante: esse é autoexplicativo, um livro que está há muito tempo na sua estante e que você não leu ainda.
2 - Encalhado nacional: também autoexplicativo, um livro de um autor brasileiro que está há muito tempo na sua estante e que você não leu ainda.
3 - Novo na estante mas que corre o risco de ficar encalhado: um livro que não faz tanto tempo assim que você tem na estante, mas que corre o risco de ficar encalhado se você não o ler agora.
4 - Um encalhado que você não sabe o porquê de estar encalhado: um livro que você queria muito ler, conseguiu adquirir mas ainda não leu.
5 - Série encalhada: livro que faz parte de uma série, CUIDADO AQUI: como digo no vídeo, aconselho a deixar esse livro para ler por último, a menos que seja o volume final da série, pois você pode correr o risco de querer ler o restante da série ao invés dos outros livros da TBR.

E esses foram meus escolhidos:



1- Não lembro qual livro está há mais tempo na minha estante, mas Fique Comigo está lá faz muito tempo.
2- Esse livro da Carina comprei na pré-venda e até agora não li.
3- A Casa Torta corre o risco de ficar encalhado porque é um livro que já li tem uns vinte anos, mas essa edição é novinha e como fiquei sabendo sobre a adaptação, escolhi ele para ler.
4- Extraordinário comprei quando lançou. Comprei um exemplar para uma amiga e como ela amou comprei um pra mim também. E não sei porque não li até agora.
5- Dias de Sangue e Estrelas também comprei assim que lançou e está lá paradinho na estante esperando eu ler. Vamos ver se agora desencalha.

Quem ai se anima?




07 dezembro 2017

Resenha | Corte de Asas e Ruína - Sarah J. Maas


Livro: Corte de Asas e Ruína
Série: Corte de Espinhos e Rosas # 3
#1 - Corte de Espinhos e Rosas
#2 - Corte de Névoa e Fúria 
Gênero: Fantasia
Autora: Sarah J. Maas
Editora: Galera Record
Páginas: 687
Ano: 2017

Esse livro faz parte de uma série. Contêm spoilers dos livros anteriores.

Resenha:
Feyre era uma humana que acabou envolvida em uma maldição lançada em alguns feéricos. Ela se apaixonou por um deles e quebrou a maldição, mas para isso teve sua alma partida e seu corpo mortal foi transformado em um corpo feérico pelos Grão-Senhores. E nesse processo ela recebeu o poder e habilidades de todos eles. Mas Tamlin, seu amado e Grão-Senhor da Corte Primaveril, teve tanto medo de perder Feyre novamente que acabou prendendo ela em sua casa, o que fez com que Feyre fosse definhando um pouco a cada dia. E quando estava prestes a morrer de tristeza, Feyre foi salva por Rhysand, Grão-Senhor da Corte Noturna, que Feyre não sabia, mas era seu Parceiro. A Parceria é um laço tão forte que o casamento se mostra insignificante perto dele. É um laço de amor que une duas pessoas como se fosse uma ponte entre as duas almas.

E é graças a esse laço que Feyre e Rhys vão poder se comunicar agora que estão separados. Enquanto tentavam descobrir uma maneira de derrotar o rei Hybern, eles foram traídos por Tamlin, que se aliou a Hybern em troca de ter Feyre de volta em seus braços. O que Tamlin nem imagina é que Feyre agora é a Grã-Senhora da Corte Noturna e está fingindo para poder destruir o rei Hybern em um local estratégico, no meio de seus aliados. Feyre tem que ser o mais sutil possível, já que um descuido pode acabar com todos os seus planos. Além de conseguir informações sobre os planos de Hybern para o ataque à muralha e posteriormente as terras humanas, Feyre vai tentar jogar uns contra os outros, a começar por Lucien, que descobriu que Elain é sua parceira quando ela e Nestha foram transformadas em feéricas no Caldeirão, pois Ianthe entregou suas irmãs para Hybern poder controlar Feyre.

E Feyre não perde uma oportunidade, mas ela tem que tomar muito cuidado porque Jurian está de volta e ele conhece Rhys de antes do tratado. Ele sabe o que Rhys é capaz de fazer pelos que ele ama e ele tem certeza de que Rhys não vai deixar que levem sua parceira sem fazer nada. Por isso Feyre apressa seus planos e consegue deixar Tamlin desmoralizado perante todos, e de quebra se vinga de Ianthe. E Feyre leva Lucien com ela. Mas apesar do que Feyre fez, Hybern segue firme em seus planos de derrubar a muralha e a guerra que até então era só boatos, começa de vez com Hybern atacando uma das Cortes. Além de Hybern ter um exército sem tamanho, ele consegue anular a magia dos feéricos e conta com o poder do Caldeirão a seu favor. A Rhysand só resta tentar unir os Grão-Senhores. Mas depois de tudo o que eles já passaram, como confiar uns nos outros? Mais uma vez Feyre tem um grande inimigo à sua frente, será que dessa vez ela sairá vencedora?

"E, embora a expressão de Rhys estivesse tranquilo, e os ombros, relaxados, eu disse: Vejo você inteiro, Rhys. E não há uma só parte que eu não ame com tudo o que sou."

Faz tempo que eu não leio uma história que mexeu tanto comigo como aconteceu nessa. Essa trilogia foi uma das melhores que li não só nesse ano, mas na minha vida. A história é tão completa e tem tudo o que gosto. Por isso virou favorita, mesmo eu encontrando vários pontos nela que me fizeram odiar a autora em alguns momentos. Odeio autores que manipulam os leitores a seu favor. Você esconder as coisas e criar aquele suspense em torno de algo é uma coisa, você levar o leitor a pensar de uma forma e no livro seguinte mudar tudo aquilo, eu acho sacanagem. Principalmente quando essa coisa no caso mexe com sentimentos. Tem gente que não concorda comigo, mas eu ainda estou muito magoada com o que a autora fez do primeiro para o segundo livro. Mas nem por isso deixo de reconhecer que a Sarah é uma das melhores autoras de fantasia da atualidade e com certeza vou querer ler outros livros dela.

Esse terceiro livro não chega a ser tão perfeito como foi o segundo, mas ainda assim é um ótimo livro e entrou para os favoritos também. Aconteceram tantas coisas e foram tantas emoções que nem sei explicar o que senti lendo ele. Eu acabei o livro em prantos. Foi muita emoção para um coração só e até precisei fechar o livro e voltar depois, pois, não consegui me segurar em uma cena que teve quase no fim da história. Não vou dar spoiler, só vou dizer que quando o negócio é com família, mexe comigo. Eu amei as cenas de ação durante a guerra que vinha sendo anunciada desde o primeiro livro. E as coisas que Feyre teve que fazer, o que cada um deles teve que sacrificar, foi maravilhoso. Fazia tempo que eu não lia um livro assim que cada um dos personagens foram essenciais para que tudo terminasse como terminou.

Mas eu sou dessas que guarda as coisas e não consegui perdoar a Nestha pela forma como ela tratava a Feyre no começo da história. Ela pode ter conquistado todo mundo, mas eu não consegui olhar ela de outra forma. Até se eu tivesse visto algum tipo de mudança nela, mas o tempo todo ela tratou a Feyre mal, mesmo que fosse apenas por respeito pela posição da Feyre, mas nem isso ela fez. Ela foi sim uma grande personagem que mostrou e muito o empoderamento feminino, mas eu guardei ódio dela. E falando em empoderamento feminino, isso foi o que mais teve nessa história. Todas as personagens femininas tiveram seu papel de destaque. Os homens estavam ali sim, mas era para apoiar as mulheres e incentivar cada uma delas a alcançar seu potencial. Eles lutaram lado a lado como iguais. Era uma guerra, local onde homens sempre tiveram mais presença. Mas aqui todos os personagem são iguais e tem o mesmo valor, ninguém é mais do o outro, que é o que revindicamos.

Outra coisa que não faltou, foi ship para todos os gostos. Eu fiquei na torcida por vários casais e acho que menos da metade deles deram certo. E teve alguns que ficaram em aberto, já que mesmo que a história dessa trilogia tenha terminado por aqui, a autora ainda vai continuar escrevendo nesse mesmo universo e acredito que esses personagens vão aparecer ainda. Mas o grande romance sem dúvida é entre Feyre e Rhys. Eu amei essa coisa do laço de parceria e desse amor entre eles que transcende tudo. E o legal foi a autora mostrar que eles tiveram escolha, o amor entre eles não veio por causa do laço, o laço apenas fortaleceu o amor entre eles. Tanto que teve outros casais que tinham o laço mas não se amavam. Outra coisa que gostei foi que a autora redimiu alguns personagens, que não vou falar quem são é claro.

Enfim, essa resenha já está enorme e eu ainda tenho muito para dizer, mas vou parar por aqui. Eu indico para quem ainda não leu. Mesmo não sendo de um gênero que você curta, dê uma chance, porque feliz é quem leu e conheceu essa história magnifica. A Feyre vai ser um marco nas minhas leituras. Não vou conseguir ler um livro sem comparar os personagens com ela. Feyre foi um exemplo de força e superação. Um personagem que cresceu tanto que virou a própria história. Essa história não existiria sem ela. Quanto a edição, está melhor que no livro anterior, pelo menos não encontrei tantos erros de revisão. Eu gostei da capa, mas sei que o povo chiou bastante quando ela foi revelada. Enfim, leiam, leiam agora. Pare o que você está lendo e vá ler essa trilogia. Você não vai se arrepender.

Nota: 








06 dezembro 2017

Divulgação | Autoras parceiras

Sei que estou bem atrasada com essas divulgações, mas antes tarde do que nunca hehe. Como vocês sabem eu fiz uma cirurgia no mês passado e as postagens do blog atrasaram um pouco. Mas vamos as novidades, que já não são tão novidades assim hehe.

Bianca Gulim



Quem ainda não conhece a Trilogia Sobreviventes do Caos, não sabe o que está perdendo. Confiram a resenha do primeiro livro aqui no blog. 
E hoje venho mostrar para vocês o booktrailer da história. 





Denise Flaibam


A Denise está participando de uma antologia inspirada em clássicos de terror dos anos 80 na vibe de Stranger Things. Mundo Invertido reuniu 21 contos e é um lançamento da Editora Wish. 
O projeto é formado por dez autores convidados e dez autores selecionados.



SINOPSE
Outros mundos existem e eles estão cheios de monstros...

Já imaginou se o mundo seu fosse apenas o reflexo sombrio de outros? O Mundo Invertido é uma dimensão paralela por onde caminha o Senhor dos Mundos, uma entidade que busca apenas uma coisa: causar medo. Ele atravessa as dimensões com seus tentáculos que abraçam tudo o que tocam. É um olho pulsante que está cansado de viver só, e por isso, Ele chegou, abrindo portas entre os multiversos, disseminando o terror.O Senhor dos Mundos está aqui.


Para maiores informações sobre o livro, acesse o site e aproveite e apoie esse projeto que ainda dá tempo: Mundo Invertido.






03 dezembro 2017

Resenha | Corte de Névoa e Fúria - Sarah J. Maas


Livro: Corte de Névoa e Fúria
Série: Corte de Espinhos e Rosas # 2
#1 - Corte de Espinhos e Rosas
Gênero: Fantasia
Autora: Sarah J. Maas
Editora: Galera Record
Páginas: 658
Ano: 2016

Esse livro faz parte de uma série. Contém spoilers do livro anterior.

Resenha:
Em Corte de Espinhos e Rosas conhecemos Feyre, uma humana que quando teve uma oportunidade, matou um feérico sem pensar duas vezes. Os humanos sempre foram escravos dos feéricos, mas um dia eles se rebelaram e depois de muita morte acabaram chegando a um tratado onde os povos seriam separados por uma muralha mágica e cada espécie ficaria do seu lado. Mas os feéricos atravessam a muralha quando querem, afinal é o povo humano quem tem que ter medo e não eles com sua magia. Só que Feyre nem imaginava que ao matar um feérico ela teria que dar sua vida em troca e ela é levada para Prythian por Tamlin, a fera que ela descobre ser o Grão-Senhor da Corte Primaveril e acaba apaixonada por ele. Mas todos na corte estão debaixo de uma maldição lançada pela Grã-Rainha Amarantha e Feyre tem que cumprir três tarefas ou resolver um enigma para conseguir libertar Tamlin e seu povo.

Feyre consegue quebrar a maldição, mas o caminho que ela percorre para conseguir isso, acaba com suas forças e dilacera seu coração que ainda é humano, mesmo seu corpo tendo se transformado em um corpo imortal de um feérico pelos Grãos-Senhores após Feyre ter morrido para salvar a todos eles. Faz três meses que tudo aconteceu e Feyre ainda tem pesadelos com Amarantha e com tudo o que aconteceu Sob a Montanha e não consegue esquecer o rosto dos feéricos que teve que matar para salvar Tamlin. Mas Tamlin também tem seus pesadelos e eles não conversam sobre isso e fingem que está tudo bem enquanto esperam pelo dia do seu casamento que está próximo. A dois meses Tamlin fez o pedido e Feyre aceitou. Outra coisa que eles não falam é a tatuagem no braço de Feyre, que a lembra a todo instante o acordo que ela fez com Rhysand, Grão-Senhor da Corte Noturna, onde Feyre prometeu passar uma semana por mês com Rhysand quando ele a curou depois de uma das tarefas.

Mas Rhys não esqueceu o acordo e na hora do casamento ele aparece e exige que Feyre cumpra sua parte no acordo. Feyre vai obrigada, mas logo percebe que estar na Corte Noturna é um alivio, já que Tamlin quer tanto protegê-la que ela está vivendo sufocada dentro de casa. E Rhys não esconde as coisa dela como Tamlin vem fazendo, pelo contrário, ele incentiva Feyre a treinar suas habilidades e poderes adquiridos através dos Grão-Senhores quando eles a ressuscitaram. E esses poderes podem ser a salvação do povo feérico, já que Amarantha era apenas uma parte de um plano que vem sendo arquitetado à séculos por Hybern. Um plano que pode ser a ruína tanto do povo feérico, como dos humanos. Em meio a essa guerra iminente, Feyre terá que curar sua alma que está partida em mil pedaços e ao mesmo tempo decidir com quem está seu coração.

"Alguma pequena parte de mim sussurrou que eu podia sobreviver a Amarantha; (...); podia sobreviver à transição para aquele novo corpo... Mas àquele buraco vazio e frio em meu peito... Não tinha certeza se podia sobreviver a ele.
Mesmo durante os anos em que estivera a uma semana ruim de morrer de fome, aquela parte de mim estivera cheia de cor, de luz. Talvez me tornar feérica a tivesse destruído. Talvez Amarantha a tivesse destruído.
Ou talvez eu a tivesse destruído quando afundei aquela adaga nos corações de dois feéricos inocentes e o sangue aqueceu minhas mãos."

Antes de mais nada tenho que fazer um desabafo. Quero matar a autora série. Odeio autores que fazem isso. Odeio triângulo amoroso. Porque fazer a gente se apaixonar por um personagem no primeiro livro só para depois vir e estragar tudo no segundo? Eu já tinha passado por isso com Adam e Warner em Estilhaça-me. Agora de novo com Tamlin e Rhys. Acho muito desnecessário fazer o leitor passar por esse tipo de coisa. Não precisa mostrar um personagem maravilhoso em um livro, fazer o leitor cair de amores por ele e depois falar que na realidade ele era um escroto abusivo. E o outro lado do triângulo que na verdade era o bonzinho. Muita raiva disso. Desabafei. Pronto! Vamos continuar a resenha hehe.

Logo que terminei o primeiro livro da série, já emendei nesse segundo. E os pontos negativos que tinha ressaltado no primeiro e minhas restrições com a obra foram inexistentes nesse segundo livro. Gente, como pode uma história que era ótima se tornar uma história tão grande e incrível como acontece aqui. Se você ler só o primeiro livro, vai achar ele ótimo, mas quando ler o segundo, se comparar os dois, o primeiro livro é até chato perto dele. Eu nem sei o que dizer para descrever o quanto ele é bom e tudo o que senti lendo esse livro. Foi um misto de emoções que me tirou o folego  por várias vezes, e até precisei parar de ler, dar uma volta e respirar de tanto que o livro me sugou. Foi como se ao ler o primeiro livro só desse para ver um pedacinho de um iceberg fora da água e no segundo o iceberg inteiro dentro dela. Agora imaginem então minhas expectativas para o terceiro livro.

Novamente nesse segundo livro vemos um romance sendo construído aos poucos, o que fez a autora ganhar muitos pontos comigo. E foi tão aos poucos que eu estava desesperada para que eles se beijassem logo e nunca acontecia hehe. Eu tinha amado o Tamlin no livro anterior, mas se compararmos ele com o Rhys, é tipo zero a mil. O Rhys é maravilhoso. Ele é tudo o que uma mulher espera de um homem. Ele protege, sem sufocar, ele não menospreza e sim faz com que a Feyre alcance seu melhor. Ele dá espaço, mas mostra seu amor em todos seus movimentos. Ele respeita Feyre acima de tudo. Ele é perfeito. Eles tem uma química tão grande que não tem como não suspirar em cada cena que eles estão juntos.  Só espero que não a autora não faça nenhuma bobagem nesse quesito no próximo livro.

E por falar em autora, ela me ganhou completamente. A escrita dela é viciante. Ela criou um mundo mágico para nenhum fã de fantasia botar defeito. Ela descreve, mas não cansa, ela transporta o leitor para dentro das páginas e é como se estivesse lá, vivendo tudo aquilo junto com eles. E olha que a narrativa é em primeira pessoa, coisa que eu não gosto muito. E uma coisa que amei foi que ela criou finais perfeitos, de tirar o folego e não precisou matar nenhum personagem querido para fazer isso. Porque tem gente que acha que para escrever uma história de sucesso tem que matar algum personagem importante.

Quanto aos personagens, eu tinha gostado muito de Tamlin e Lucien, mas no circulo de Rhys todos eles se destacaram e tiveram seu momento na história. É como se eles também fossem os protagonistas e não coadjuvantes. Amren, Morrigan, Cassian e Azriel são personagens misteriosos que conforme vamos lendo a história, vamos descobrindo suas histórias e amando cada um deles. Mas o grande destaque sem dúvida vai para nossa protagonista. Eu li algumas resenhas citando a Feyre como ponto fraco do livro. Eu não concordo. Ela é um personagem incrível que cresceu e muito durante toda a história. Se for fazer alguma comparação com personagens femininas de outros livros famosos, a Feyre ganha disparado. Ela sim é forte. Ela é como a fênix. quando você pensa que não, ela ressurge das cinzas e mais forte do antes. Ela sem dúvida é o grande destaque do livro.

É uma pena que uma história linda como essa teve uma revisão tão ruim. Eu cansei de encontrar erros de português e palavras escritas erradas. Até nos nomes. E olha que não sou dessas que fica reparando nessas coisas. Mas é que estava bem gritante. Mas em compensação capricharam na capa. a cor é linda, as partes em destaque, e o casal no plano de fundo. Perfeito! E vou terminar por aqui porque se não vou ficar o dia todo aqui escrevendo o quanto eu amei esse livro. Se desse para favoritar duas vezes eu teria feito. Então eu indico o livro com certeza. E vamos ler o terceiro e amar ou se decepcionar hehe.

Nota:




01 dezembro 2017

Resumo Literário e Cinéfilo de Novembro/2017

Sete minutos depois da meia-noite


Olívia


{Filmes e Séries}


Silvana



  {Filmes e Séries}

Minhas notas são as estrelas fora da imagem

{Livros}
Esse mês rendeu. Estava fazendo repouso por causa da cirurgia e a unica coisa que podia fazer era ler hehe




29 novembro 2017

Resenha | Corte de Espinhos e Rosas - Sarah J. Maas


Livro: Corte de Espinhos e Rosas
Série: Corte de Espinhos e Rosas # 1
Gênero: Fantasia
Autora: Sarah J. Maas
Editora: Galera Record
Páginas: 434
Ano: 2015 

Resenha:
Feyre podia dar como desculpa a fome para ter feito o que fez. Afinal, tanto ela, como suas irmãs e seu pai estão com o estômago roncando e mal se vê carne sobre seus ossos. Já faz um dia que o pão acabou e há dois acabou a carne. Mas não foi a fome a responsável pelo seu ato e sim o ódio que ela sente pelos feéricos desde que se conhece por gente. Por isso ela não hesitou quando viu que o lobo enorme ia comer a corça que podia ser a salvação de sua família pelo menos pelas próximas duas semanas. Desde que seu pai perdeu tudo o que eles tinham, Feyre, a filha caçula, virou uma caçadora para sustentar a família. Ela vai a lugares que nem mesmo os homens mais experientes tem coragem de ir, mas é isso ou morrer de fome. E a cada inverno está mais dificil de conseguir alimento, por isso ela está indo cada vez mais longe na floresta e mais perto da muralha mágica que separa os humanos dos feéricos.

Quando os humanos se rebelaram contra a escravidão dos feéricos, a quinhentos anos, um acordo foi feito entre eles e a muralha foi criada, ficando cada espécie do seu lado. Mas mesmo com esse tratado, os feéricos sempre atravessam a muralha e eles nunca sabem quando é um deles que está por lá em forma de lobo. Porém Feyre tinha certeza de que o lobo que matou era um deles e o fez com gosto. O que ela não imaginava era que alguém ia aparecer em sua casa reclamando pela vida que ela tirou. Uma besta enorme, uma mistura de lobo com felino, tão grande quanto um cavalo e com chifres como os de um cervo. De acordo com o tratado, se um humano tirar a vida de um feérico sem ser provocado, o que foi o caso, ele deve pagar com outra vida. E a besta dá uma escolha para Feyre, ou ele vai com ela para as terras de Prythian ou vai morrer naquele instante.

Feyre escolhe ir com ele para as terras feéricas, mas fica com o coração partido por ter que deixar sua família que sem ela para caçar, não terão como sobreviver. E ela pretende assim que estiver longe da sua casa dar um jeito de matar a besta. Mas seus planos são frustados porque a besta usa magia nela e quando ela percebe já está em Prythian. E o outro lado das muralhas é bem diferente do que ela tinha imaginado. Feyre sempre foi fascinada por cores mas o que ela vê em Prythian não pode ser descrito em palavras. É tudo mágico. E a magia não para por ai. O feérico que a levou ate lá se transforma em um homem e Feyre descobre que ele é um Grão-Feérico e seu nome é Tamlin. Ele é bem jovem pelo que dá para ver pelo pouco que aparece do seu rosto, já que ele usa uma máscara. E não é só Tamlin, todos no reino usam uma mascara que Feyre descobre ser por causa de uma maldição que está aos poucos drenando a magia dos feéricos. E quando seus sentimentos por Tamlin mudam de ódio para amor, ela vai fazer de tudo para impedir que isso aconteça.

"Eu sabia... eu sabia que seguia um caminho que provavelmente terminaria com meu coração mortal despedaçado, mesmo assim... Mesmo assim, não pude evitar."

Desde que lançou esse livro lá em 2015, eu quero muito ler ele. Só vi elogios ao livro, e a escrita da autora então, que já era famosa por aqui pela série Trono de Vidro, nem se fala. Mas esperei lançar todos porque odeio ficar esperando horrores para ler as continuações. E gostei muito do que li. Apesar de ter encontrado vários pontos negativos, mostrando que não é a perfeição toda que eu tinha lido, a leitura vale a pena e a autora e sua história me conquistou. Vou começar falando dessa capa que confesso foi o que me ganhou antes de tudo. Eu amo essa capa e a edição toda está maravilhosa. Acho que no livro todo encontrei um erro de revisão. E isso porque estava prestando atenção para ver se encontrava defeitos no livro.

E foi assim que encontrei os pontos negativos que vou mencionar. Como só tinha lido resenhas elogiosas, comecei a ler o livro com um pé atrás para não acabar decepcionada. Em primeiro lugar já me decepcionei por ser em primeira pessoa e somente na visão da Feyre. Eu prefiro terceira pessoa, mas gosto de primeira quando a narrativa é dividida entre dois ou mais personagens. E precisava e muito ter acontecido isso aqui. Faltou uma outra visão de algum feérico nessa história. Se fosse na do Tamlin eu tinha ficado muito feliz, mas na de qualquer outro deles era melhor que só a visão da Feyre. Outra coisa que acabei não curtindo tanto foi que ouvi muito sobre a originalidade da história, mesmo sendo uma releitura de A Bela e a Fera e não foi o que encontrei. O livro é uma mistura de vários outros famosos que temos por ai. Inclusive a Feyre me lembrou muito a Katniss quase o livro todo.

E achei engraçado não ter lido sobre essa semelhança na resenhas, porque vi tanta gente gente descendo a lenha em A Rainha Vermelha e elogiando Corte de Espinhos e Rosas pelos mesmos motivos. Dois pesos, duas medidas? Enfim tem mais dois pontos que não gostei e preciso falar. Duas coisas que eram completamente desnecessárias. Primeiro as cenas hots. Por ser uma releitura/fantasia, acho que não precisava ter usado esse tipo de cena e ainda mais com algumas palavras que foram usadas. E por ultimo uma coisa que a autora não precisava ter colocado, o bendito e já tão mal falado triângulo amoroso. A história tem tanto a ser explorado que era totalmente desnecessário ir por esse caminho que infelizmente acho que vai ser ainda mais usado no próximo livro.

Mas fora esses pontos que abordei, o livro me conquistou. O romance não é aquele olhou amou. Eu vi algumas pessoas falando sobre o romance ser Síndrome de Estocolmo. Mas eu não achei porque em nenhum momento a Feyre era uma prisioneira e Tamlin não era nada do que ela e nós acreditamos a principio. Em nenhum momento ele trata Feyre mal, pelo contrário, ele sempre foi gentil. E foi conquistando Feyre aos poucos. Acho que por isso algumas pessoas acharam que o livro foi meio parado no começo. Eu achei que o desenvolvimento foi perfeito. Teve ação quando foi necessário e teve momentos mais lentos quando assim foi exigido. E por ultimo, mas foi o que mais gostei na história: a magia envolvida. E quando conheci a verdadeira história dos feéricos, fiquei de boca aberta e me apaixonei ainda mais pela história. Eu poderia ficar aqui falando sobre esse mundo mágico e sobre os personagens criados pela autora por horas e mesmo assim não ia ser suficiente para passar a verdadeira essência deles. Então só me resta indicar o livro. Leia e se apaixone também.

Nota:






© Blog Prefácio ♥ 2016 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo