21 julho 2017

Resenha | Escândalo de Cetim - Loretta Chase


Livro: Escândalo de Cetim
Série: As Modistas #2
#1 Sedução da Seda
Gênero: Romance de Época
Autora: Loretta Chase
Editora: Arqueiro
Páginas: 272
Ano:

Resenha:
As Irmãs Noirot são as proprietárias de um refinado ateliê em Londres, O Maison Noirot. Marcelline, a mais velha, é o cérebro criativo, é ela quem desenha e cria os vestidos. Leonie, a mais nova, é o gênio financeiro, é ela quem cuida das contas e Sophia, a irmã do meio, é quem convence as clientes a levar os modelos. Suas irmãs brincam com ela dizendo que Sophia venderia areia para um beduíno se quisesse. E além de vender as roupas, Sophia ainda é a encarregada de manter o nome do Maison longe dos escândalos, por isso ela trabalha como espiã para o editor do Spectacle, o principal jornal de escândalos de Londres. Mas manter o bom nome do ateliê está cada dia mais dificil depois do casamento repentino de sua irmã Marcelline com o Duque de Clevedon. Marcelline praticamente roubou o duque das mãos de Lady Clara Fairfax e a mãe de Clara, Lady Warford, virou inimiga mortal delas e por isso várias clientes já abandonaram o ateliê.

Mas Harry Fairfax, o conde de Longmore, sempre foi amigo de Clevedon e continua sendo mesmo após ele ter preferido se casar com Marcelline em vez de de casar com sua irmã Clara. Por isso ele se sente à vontade para falar com Clevedon sobre suas preocupações com Clara. Ela está cedendo a corte de Lorde Adderley, um vigarista caça-dotes. Então Clevedon sugere que ele fale com Sophia para que ela fique de olho em Lady Clara, já que Sophia é discreta e está sempre atenta a todos os detalhes nos salões de baile, vide seus excelentes textos no Spectacle. Ele precisa afastar qualquer devasso ou falido de Clara para que ela encontre alguém à altura de Clevedon, só assim sua mãe vai deixar a família deles em paz novamente. Mas quando encontra Sophia novamente, ele percebe que vai ser difícil ela ficar de olho em Clara, já que ela tem que se livrar de seu próprio séquito de devassos. E enquanto observa Sophia, ele não presta atenção em Clara, que acaba em uma situação que ele estava tentando evitar. 

Quando chega até a varanda, ele vê o que várias pessoas já viram, Adderley tentando arrumar o corpete de Clara. Ele não se conforma como sua irmã se deixou seduzir por um canalha como aquele e parte para cima de Adderley. Mas Clara entra em sua frente e ele não consegue desferir mais do que um soco. E antes que possa desafiar Adderley para um duelo, Sophia que estava observando tudo intervém, e faz com que ele veja a situação de uma outra maneira. Ela pede que Longmore não faça mais nada e promete que ela e suas irmãs vão dar um jeito de reverter essa situação, afinal Lady Clara é sua melhor cliente e se ela se casar com um falido como Adderley, elas vão perdê-la. Mas elas tem que pensar em alguma coisa bem rápido, porque Clara já aceitou o pedido de casamento de Adderley. E também a Sra. Downes, rival delas no negócio, voltou a ativa e se não agirem rápido, elas vão ter que decretar falência. Mas como pensar em uma solução, se só o que Sophia consegue pensar no momento é em Lorde Longmore?

"— Os negócios! Tudo tem a ver com a loja?
— Sim. O que quer dizer que eu não poderia estar falando mais sério. Se me beijar de novo, vou lhe enfiar uma faca. "

Ultimamente estou sem sorte para os romances de época. É o terceiro livro que leio que acabei não amando o protagonista. E olha que eu demorei bastante tempo para ler o segundo livro da série. Estou com ele aqui na estante desde dezembro e só agora que lançou o terceiro que resolvi pegar para ler. Mas ainda bem que demorei para ler, porque se tivesse lido logo em seguida do primeiro, a nota do livro seria bem menor, porque estaria com as expectativas lá nas alturas e acabaria me decepcionado muito. E mesmo lendo tanto tempo assim depois, ainda assim não pude deixar de comparar os dois livros e esse segundo deixou bastante à desejar. A autora inovou tanto ao colocar como protagonistas das histórias simples modistas em vez das ladys tão costumeiras no gênero. Mas acabou colocando como protagonista do segundo livro um homem machista ao extremo e que mesmo esbanjando charme ao longo da história, o machismo falava mais alto e acabei desgostando dele.

Isso sem falar em uma cena que o casal protagonista simplesmente esquece uma criança debaixo de um pé d'água. Achei uó. Mas ainda assim é uma boa história. Eu já tinha gostado da química entre o casal no livro anterior e lá já tinha ficado evidente que eles teriam uma história junto. E as cenas entre eles foram muito divertidas. Eu ri horrores dos planos mirabolantes deles para conseguir salvar a Lady Clara. Mas quando o assunto parte para o romance, ai entra o machismo e a coisa muda um pouco de figura. As cenas entre eles foram bem escritas, mas como eu já estava predisposta a achar tudo errado, cada frase que Harry falava, me deixava mais nervosa. Gostei de rever os personagens do primeiro livro e principalmente Clara, que de novo é o centro da história e se dá mal mais uma vez. Espero que ela consiga logo alguém que valha a pena hehe. Mas mesmo não tendo gostado muito, estou ansiosa pelo próximo livro, já que Leoni pouco aparece nos dois primeiros livros. Quanto a capa, a do primeiro livro ainda é minha favorita, mas essa também está maravilhosa.

Nota: 





20 julho 2017

Especial | Dia do amigo

Dia 20 é o dia nacional do AMIGO.
Quem aí não tem um amigo em especial ou até mais? Aquele que confia, acredita no potencial e mesmo conhecendo os defeitos ainda assim o ama e tem apreço pela amizade.
Amizade é uma relação gostosa, e quando ambos estão dispostos para que a amizade prevaleça, perdoa, briga, ri e chora junto.... Enfim, como toda relação, a amizade só é possível prevalecer se ambos investirem no relacionamento.
Hoje nosso especial vai ser diferente... porque adoramos inovar (risos).
E aproveitando a data, vamos nos apresentar para vocês, porem de forma diferente. Uma vai apresentar a outra.... O que será que vem aí?...



Silvana por Olívia


Gente bora conhecer a pessoa que dirige esse blog como ninguém?!!! Preparados? aiii que responsabilidade... hehehe

A Silvana para quem não sabe, é super afinada e canta muito bem, detalhe ela é uma ótima contralto (quem não sabe que tom de voz é esse, observa a voz da Ana Carolina, Cassia Eller entre outras). Acho que vou inscreve-lá no The Voice. Porém ela é tímida e não ia aceitar cantar na frente das câmeras.

A Sil, assim como a chamo. É apaixonada por gatos e tem 3 (espero não ter errado nas contas) e são lindos e bem cuidados.
Ah! nos conhecemos na igreja na qual eu frequentei durante anos, e logo que nos conhecemos foi amizade a primeira vista. Aprendi cantar com ela.

Ela é uma ótima professora, sim! ela dava aula na Escola Bíblica Dominical, e sempre amava ouvi-la ensinar. Aprendi muito, e detalhe ... ela sempre foi generosa ao ensinar, quando eu não sabia de algo, ela sempre esteve pronta para ajudar.

Momentos na igreja <3 

A Sil também é uma pessoa muito inteligente, tem bom humor, mas não se enganem, a dona dos olhos azul esverdeados também tem uma personalidade forte, mas tem coração de mocinha hahahhahaa.
Hoje a gente não se vê com tanta frequência, mas a admiração e carinho que sinto por ela, não  diminuem. Sinto falta sim de quando trabalhávamos juntas no ministério da igreja. Éramos o Batman e o Robin, o queijo e a goiabada... Deu pra entender? Hehehe
Bem... O que mais posso contar sobre ela...  Quando digo que ela tem senso de humor.... É que mesmo na adversidade ela sempre contou as coisas que estavam ocorrendo (com o pai no caso) de forma que era até engraçado, mesmo a gente sabendo que eram graves e que o coração por dentro estava pequeno. Isso sim é ser forte viu! 

Ahhh não me esqueço de uma vez que ela comprou uma bota que estava na moda na época, e que nos julgamos não ficar bonita nela... Eu sei que lá dentro ela concordava kkkk, mas ainda usou durante um tempo até a gente ameaçar que ia inscrever-la no Esquadrão da Moda. Hahahhaha
Vocês já perceberam aí nos resumos do mês como a Silvana gosta de ler, ela tem vários livros e já me emprestou vários e até já pude emprestar também. Ela gosta tanto de ler que mesmo devorando uma lasanha ela não largava o livro e não é que ela conseguiu derramar no livro? 0.0 e era meu, o mais engraçado foi ela me devolver quase chorando hahahhaha, mas o livro voltou inteiro.
A mãe dela é uma fofa e me sinto da família.

Aiiii acho que por enquanto está bom né meu povo? Se não vai ficar um post imenso.

Olívia por Silvana


Há quase 13 anos atrás quando conheci a Olivia teve duas coisas que logo me chamaram a atenção nela. Primeiro foram seus cachos. Hoje está até na moda com várias celebridades assumindo seus cachos,  mas a 13 anos atrás, cabelo cacheado era motivo de vergonha. Mas não para a Olivia que assumia os seus sem nenhum problema. E olha que eram bastantes e compridos, lindos por sinal. E a segunda coisa foi seu grande carisma. 

A Olivia é aquele tipo de pessoa que você quer ficar amiga e em 5 minutos de conversa eu já soube que queria ter a amizade dela para o resto da vida. Ela deixa você à vontade para ser você mesma. Com ela você não precisa fingir nada. Ela te entende e te aceita como você é.

É engraçado que ela citou o Batman e o Robin porque é exatamente assim que você se sente ao lado dela. Um super herói. Olivia é aquele tipo de pessoa que te incentiva a superar seus medos e faz você ir além do que você imagina que pode. Ela te tá suporte e inspira confiança acima de tudo. Até mesmo a pessoa mais tímida vai se soltar ao lado dela.

A fase em que estavamos cabeludas hehehe

E já falei que ela é uma líder nata? Quando o nosso pastor na época pediu que ela assumisse a liderança dos adolescentes e futuramente dos jovens, acho que nem ela achou que fosse conseguir fazer tanta diferença na vida deles como foi. Porque ela é assim, ela incentiva as pessoas a se superarem e alcançar seus objetivos. 

Fora que ela tem mãos de fadas. Para ela não existe tempo ruim. Se a vida lhe dá uma rasteira ela levanta e dá a volta por cima. Eu já vi ela se propor a fazer todo tipo de coisa e tudo da certo porque ela é uma pessoa esforçada que corre atrás do que quer. Quando falaram pra ela "você está muito velha para fazer faculdade" ela foi lá e provou que todos estavam errados e não parou por aí. Ela continua estudando. 

Quer ovo de pascoa?  Ela faz uns deliciosos porque é uma cozinheira de mão cheia. Quer algo singelo e bem feito para dar de presente para alguém?  Ela é uma ótima artesã. Sem falar em seu conhecimento sobre filmes. Ela já amava e então trabalhou por um tempo em uma locadora, então imaginem o que ela absorveu nesse período. 

Enfim, a Olivia é alguém que eu sei que posso contar sempre.  Ultimamente só nos vemos pessoalmente nos aniversários, mas quando a gente se encontra é como se tivéssemos nos visto no dia anterior.

                                                                                 ¨¨¨

Fizemos esse post separadas, e quando cada uma leu a sua parte ficou em lagrimas. Eu no caso tô chorando aqui ao terminar esse post, não é TPM, nem tristeza e sim o prazer de receber flores em vida. 

Vou compartilhar algo... 13 anos de amizade e poucas fotos... como pode isso produção?!! dona Silvana temos que resolver isso viu! rs
Por falta de foto, temos um avatar ♥ 

Você tem algum amigo especial? a vida sempre nos aproxima de muitas pessoas, mas são poucas que estão ao nosso lado, mesmo que estar ao lado não seja diário... Amizade não é ver todos os dias... amizade verdadeira é como estar num campo de futebol e olhar para a arquibancada e ver que tem pessoas que você ama ali torcendo por você.




19 julho 2017

Resenha | The Dark World - Escuridão - L. F. Faria


Livro: Escuridão
Série: The Dark World # 1
Gênero: Aventura, Ficção Científica
Autor: L. F. Faria
Editora: Independente
Páginas: 260
Ano: 2016

Resenha:
John Blake tem dezenove anos e está prestes a começar em seu primeiro trabalho. Como sempre foi fascinado por descobrir fatos históricos sobre os lugares que visitava, ele decidiu que vai estudar História na faculdade, e para ajudar com o pagamento das mensalidades, ele aceitou esse emprego de verão. Ele vai trabalhar como monitor de campistas em um acampamento chamado Blue Ligh, em Wells, uma pequena cidade à quase 190 km de Londres, cidade onde ele reside. Mas as coisas não começam nada bem. Ele tem um pesadelo horrível durante a noite, onde ele é atacado por criaturas que não são nem humanas, nem animais, e por mais que tente escapar, ele é pego e acaba se tornando uma delas. E mesmo acordado, aquela sensação ruim, de escuridão, continua com ele. E mesmo durante a viagem, ele não consegue parar de se sentir estranho e até começa a ver coisas que não existem, chegando a achar que está ficando maluco.

Mas quando ele finalmente chega em Wells, a menor cidade da Inglaterra e com ar medieval em suas construções, um alivio parece tomar conta de seu corpo e ele tem certeza de que tudo não passou apenas de um pesadelo mesmo. John fica fascinado pela cidade, mas como já está atrasado para a recepção dos funcionários, ele decide voltar para explorar a cidade assim que tiver uma folga e segue para o acampamento. Como chega atrasado, John leva uma bronca do seu chefe. Ele é designado para a cabana laranja e logo faz amizade com Charlotte Lynn, uma monitora muito bonita que chama sua atenção e também com Ryan Wils, um monitor que pela aparência mais parece um galã de novela. E descobre que esse também é o primeiro emprego dos dois e que assim como ele, eles também são de Londres. E mesmo ficando em equipes rivais no acampamento, eles acreditam que podem ser amigos. E as coisas não demoram a esquentar.

Logo após a chegada dos campistas, a disputa começa e para John que ficou com a pior equipe, os garotos mais velhos, só resta torcer para que não aconteça nada de errado. No fim do dia John está exausto e decide se afastar um pouco dos campistas para ler um pouco. Mas ele ouve um barulho e decide investigar. Quando ele procura Ryan para saber se ele ouviu algo, ele não encontra Ryan em lugar nenhum e chama Charlotte para procurar Ryan com ele. Eles encontram Ryan na floresta perto do acampamento e é quando o pesadelo que John teve a noite vira realidade. Criaturas que um dia já foram humanas surgem de todos os lados atacando o que encontram pela frente. Eles conseguem escapar e voltar para o acampamento, mas decidem não falar nada sobre o que aconteceu. Porém no dia seguinte as criaturas chegam até eles destruindo o acampamento. Somente os três sobrevivem. Sua única opção é tentar achar ajuda em Wells. O que eles nem imaginam é que Wells foi isolada e eles estão presos com milhares de criaturas sedentas por carne viva.

" — Bem vindo ao meu mundo — disse John cansadamente. — Tenho eles desde ontem. Eu tinha muito medo de certas coisas e elas se tornaram real. Tinha medo do escuro e agora estamos vivendo nele. A pior parte disso tudo, é que nós devemos enfrentar os nossos medos, mas não criando novos pesadelos.
— Existe uma diferença entre ter medo e ser o medo. Ter medo é temer aquilo que te assombra e ser o medo é tornar-se tudo àquilo que sempre temeu — disse Ryan à ele.
— E é por isso que estamos tentando fugir — disse. — Por que não queremos nos tornar um deles. "

Já falei para vocês que adoro livros com zumbis, mas que não é tão fácil encontrar livros bons com esse tema. Mas ultimamente dei sorte, os últimos dois que li, gostei bastante. Escuridão é o primeiro livro que imagino ser de uma série. E ele já começa muito eletrizante com uma lenda sendo apresentada aos leitores. Mas será que é lenda mesmo. Não dizem que toda lenda começa com uma verdade? Logo em seguida conhecemos John, nosso protagonista e ele tem um pesadelo muito estranho. Sabe aqueles sonhos que mesmo depois que você acorda, ainda parece estar nele? É assim que ele se sente. E ainda quando a coisa é boa, queremos continuar no sonho, mas no caso aqui, ele não quer nem lembrar do que sonhou. Afinal esse não é o pesadelo da muitas pessoas? Se não fosse assim não teríamos tantos filmes, séries, livros e jogos com o tema.

E o pesadelo acaba se tornando realidade. Eu já falei aqui outras vezes que se acontece algo do tipo eu morria já na primeira hora, porque sou muito mole. Mas acho que só se acontecer mesmo para a gente saber qual é a nossa reação e do que somos capaz. Será que o instinto de sobrevivência fala mais alto? E sobrevivência é a palavra aqui. A história toda é de tirar o folego, é ação o tempo todo. Eles mal sobrevivem a um ataque e já vem mais uma horda de Imortais, como eles são chamados na história. Então o livro é daqueles de tirar o folego. Se você piscar perde alguma coisa. Parecia até um filme. E os zumbis aqui não são tontos não. Eles são rápidos e dão um trabalhão para morrer. Eu achei que eles não iam conseguir hehe.

Temos três personagens principais, apesar de John ser o protagonista, mas, todos comemoram, não temos triângulo amoroso. John tem um passado na história que não foi revelado, mas teve várias insinuações e eu fiquei aqui morrendo de curiosidade para saber mais sobre isso. Agora o ponto alto do livro é como começou esse "apocalipse zumbi". Eu estou aqui me coçando para contar para vocês, mas seria um tremendo de um spoiler. Mas confesso que fiquei de boca aberta. Geralmente não temos esse tipo de explicação nos livros do gênero. E o livro termina de uma maneira que precisamos da continuação. Então só me resta recomendar o livro para quem gosta do gênero. Ele cumpre o que promete. E vou torcer para que saia logo o segundo, porque preciso de respostas.

"Isto é real. Afinal você viu o homem, você também viu o seu futuro, John. Você foi um deles. Você é deles. Você será um deles. "

Nota:








18 julho 2017

Prêmio Mystery Blogger


Estou muito feliz em dizer para vocês que o Prefácio foi indicado para o prêmio Mystery. Fomos indicadas pela Ingrid do blog Resenha Atual e pela Caroline do blog Controvérsias. Muito obrigada Ingrid e Caroline, me sinto honrada.

O que é o prêmio Mistery?

O Mystery Blogger Award é um prêmio para blogueiros incríveis com postagens engenhosas. Seu blog não só cativa; ele inspira e motiva. Eles são um dos melhores e eles merecem todo reconhecimento que eles conseguem. Este prêmio também é para blogueiros que acham diversão e inspiração em blogs e fazem isso com tanto amor e paixão”. (Okoto Enigma)

E claro, que quem ganha o prêmio precisa seguir algumas regrinhas. Vamos à elas!

Colocar o logo/imagem do prêmio no seu blog.

Listar as regras.

- Agradecer a quem o nomeou e fornecer um link para seu blog.
- Mencionar o criador do prêmio.
- Contar a seus leitores três coisas sobre você.
- Nomear até dez pessoas.
- Notificar os seus indicados comentando no seu blog.
- Pedir a seus candidatos que respondam cinco questões de sua escolha, perguntas estranhas ou engraçadas.
- Compartilhar um link para sua melhor postagem.

Três coisas sobre mim:
- Poucas pessoas sabem, mas sofro de ansiedade. É um nervoso que chega a fazer muito mal. Por exemplo, se tenho médico marcado para o dia seguinte eu não durmo a noite, tenho diarreia e o estomago fica embrulhado até o horário do médico e a pressão sobe. Por isso sou avessa a mudanças. tenho que manter uma rotina diária para não passar mal.
- Faz dois anos que não como carne nem nada que tenha gordura. Mas não por minha vontade. Eu estou esperando uma cirurgia para retirada da vesícula e até lá minha vida é comer frutas, legumes, verduras e arroz sem óleo. Passei os dois últimos natais comendo arroz com alface. Mas se Deus quiser o mês que vem isso vai ser resolvido já que vai vencer a carência do convenio.
- Eu amo ficar em casa. Para me tirar de casa a pessoa vai ter um trabalhão. Não suporto festinhas com músicas altas e pessoas bêbadas em volta. Sou daquelas que ama vestir um pijama e deitar no sofá com uma manta e minhas gatas no colo, enquanto assisto uma série ou leio um bom livro. Pode me chamar de velha, eu não ligo hehe.

Perguntas da Ingrid: 
Qual seu livro favorito? Qual seu pior livro lido?
Acho que já falei aqui algumas vezes que O Assassinato no Expresso do Oriente é meu livro favorito de toda a vida. Amo a autora e foi ela que me fez amar os livros e como esse foi o primeiro que li com o meu querido detetive Poirot, ele se tornou meu favorito. Já o pior tem vários livros que achei bem chatos durante essa vida literária, que já está com quase trinta anos hehe. Mas vou citar um que li recentemente e vou citar ele porque me deu raiva o livro todo, mas sei que o pessoal amou, que foi Caixa de Pássaros.
Qual foi o melhor livro de romance já escrito na sua opinião?
Seria romance romântico ou qualquer livro de romance? Vou levar ao pé da letra e vou citar O Caçador de Pipas, que foi um livro que me marcou.
Se você pudesse escolher entre três gêneros literários para si viver: distopia, fantasia e época medieval, qual seria?
Apesar de amar romances de época, eu acho que não gostaria de viver naquele período não. Só de pensar em como a mulher e nada eram a mesma coisa, eu já perco a vontade. Distopia Deus me livre porque é uma pior que a outra. Então fico com a fantasia.
Qual crush literário você largaria tudo para ficar com ele?
Apesar de amar o personagem enquanto estou lendo o livro, não sou muito de me apegar a personagens literários. Mas poderia citar aqui qualquer um dos livros do Nicholas Sparks.
Nunca mais ter um livro físico e poder comer chocolate, ou ter o livro físico e nunca mais comer chocolate? No caso você pode ler o livro digital mas não o físico ok?
Aqui não tem nem o que pensar. Livro físico é tudo de bom e nenhuma comida por melhor que seja vai superar o prazer de ter ele nas mãos. E também já faz dois anos que não como chocolate hehe.

Perguntas da Caroline:
Se pudesse escolher um livro ou um filme para contar a história da sua vida, qual seria? 
As perguntas da Carol são todas difíceis. Mas acho que seria um livro de drama hehe
Você coleciona algo? Por quê? 
Já colecionei papel de carta, cartão telefônico, e várias outras coisas. Hoje em dia só livros mesmo hehe.
Como imagina sua vida junto com o blog daqui 5 anos?
Imagino que não precisarei trabalhar mais e vou viver só do blog hehe. Brincadeira. Espero que continue igual, porque no momento estou bem satisfeita com tudo.
Você trocaria a sua vida pela de algum personagem fictício ou real? 
Por mais que as vezes eu queira entrar em alguma história e viver ela, acho que não trocaria a minha vida por nenhuma outra não. Só queria ter mais dinheiro para poder comprar todos os livros que eu quisesse hehe.
O que inspira você a levantar da cama toda manhã?
Acho que a própria vida. Só de acordar e saber tudo o que posso viver naquele dia já me faz querer levantar e começar a viver o mais rápido possível. E detalhe, acordo sempre antes da sete, até no domingo hehe. Assim o dia fica maior.

Minha melhor postagem: 
Está muito longe de ser a melhor postagem. E acho até que é uma das piores. Mas como foi a primeira postagem do blog, foi escolhida com muito carinho, por isso é a mais especial e marcante. Mas como foi a cinco anos atrás e eu mal sabia o que era um blog, é uma das mais ruins hehe.
Resenha do livro Marina.

Minhas perguntas:
-  Desde que criou seu blog, qual foi a melhor coisa que já te aconteceu relacionado a literatura?
- Se pudesse ter um superpoder, qual você escolheria?
- Cite um livro que é muito bom, mas pelo seu gosto pessoal, você deu uma nota mais baixa ou vice-versa.
- Qual foi o maior mico que você já pagou?
- Se fosse publicar um livro, qual seria o gênero dele?


Meus indicados:
Sei que alguns já foram indicados por outros blogs, mas não posso deixar de mencioná-los aqui. E queria poder colocar todos os que frequento aqui, mas tive que escolher somente dez.
Cantinho para Leitura
Diário de Incentivo a Leitura
Estante da Ale
Magia É Sonhar
Meu Epílogo
Moonlight Books
My Dear Library
O que tem na nossa estante
Queria Estar Lendo
Vivendo Sentimentos



15 julho 2017

Resenha | O Sorriso da Hiena - Gustavo Ávila


Livro: O Sorriso da Hiena
Série: Não
Gênero: Thriller
Autor: Gustavo Ávila
Editora: Verus
Páginas: 266
Ano: 2017

Resenha:
A história começa com um garotinho assistindo seus pais serem assassinados na sua frente. Os dois estão amarrados em cadeiras de frente para ele, também amarrado em uma cadeira. O assassino fala que ninguém gosta de linguarudos antes de cortar a língua de seu pai fora e ele morrer engasgado em seu próprio sangue. O assassino diz que espera que o menino saiba se comportar melhor que seu pai quando crescer. Então ele aponta uma arma para a cabeça da mãe, cujo último olhar é para tentar acalmar seu filho.

Vinte e quatro anos depois a mesma cena se repete e temos outro garoto se tornando um órfão. É então que entra em cena o detetive Artur Veiga. Aos dez anos Artur foi diagnosticado com síndrome de Asperger, um tipo de autismo que deixa a pessoa com certas peculiaridades. Alguns portadores desenvolvem um interesse específico e o de Artur foram os romances policiais, dai sua profissão. Mas apesar de ser um dos melhores detetives da delegacia, as características de sua doença faz com que ele seja um dos mais excluídos também. Ele só tem uma amiga, a também detetive Bete.

É com ela que Artur está quando seu chefe manda ele atender uma ocorrência. Quando Artur chega ao local, ele logo percebe se tratar de um crime, mesmo que nenhum corpo tenha sido encontrado. Os vizinhos estranharam o silêncio no local e entraram na casa para encontrar somente o garoto amordaçado e amarrado em uma cadeira e nem sinal dos seus pais. Mas como ninguém foge deixando uma língua e sangue por todo lado para trás, com certeza os pais estão mortos. E o garoto traumatizado não quer falar. Nesses casos é preciso da ajuda de um psicólogo.

"— É sempre a mesma coisa com a policia. Depois que a vitima diz o que vocês precisam saber, ela não é mais do seu interesse. Na verdade, a vitima nunca é do interesse de ninguém. Vocês e a grande maioria só querem uma coisa: colocar alguém na cadeia. Como se condenar alguém fosse suficiente para evitar que outros crimes aconteçam."

O respeitado psicólogo infantil William Moreto não acredita em destino, mas não pode deixar de considerar o caso do garoto como uma oportunidade. Ele sempre quis acompanhar algum caso de alguma criança que tenha passado por alguma situação dolorosa e em como essa situação irá interferir no caráter dela durante seu crescimento. O que William nem imagina é que esse caso chegou às suas mãos por iniciativa do próprio assassino, David, que decidiu repetir com outras famílias o mesmo que aconteceu com a sua quando tinha oito anos. E ele quer que William acompanhe o crescimento de suas vítimas.

"Quando li seu trabalho Como se tornam adultos, tive certeza de que você era a pessoa certa para isso. Não só pelo estudo, mas pela vontade de fazer algo que realmente possa ajudar o mundo a se tornar um lugar melhor. As respostas desse estudo podem fazer isso. O senhor sabe que podem. Eu sei que não é uma coisa fácil. Mas é racionalmente coerente. E a verdade é que vou continuar matando, Sr. William, porque é isso que eu sou. E eu sei que o senhor pode pegar esse mal e transformar em uma coisa boa, porque é isso que o senhor é."

Eu fiquei com muita vontade de ler esse livro quando li uma resenha dele no blog Meu Epílogo. Mas o livro era uma edição independente do autor e estava esgotado. Então tive que esperar porque a editora tinha adquirido os direitos do livro e só agora que lançou. Mas assim que vi ele na pré-venda corri para garantir o meu. O gênero policial foi minha primeira paixão. Tanto que até hoje a Agatha Christie é minha autora favorita. E saber que um autor nacional tem se destacado no gênero, me deixa muito feliz. O tema abordado é um que acho que todo mundo já se perguntou um dia.

Violência gera violência, mas até onde isso se estende? Todas as pessoas que sofrem violência serão violentos um dia? E no caso de uma criança, necessariamente uma criança que sofre uma violência será um adulto violento e irá repetir o que fizeram com ela? Até onde os erros dos pais influenciam os filhos? Essas e outras peguntas são apresentadas durante a leitura. Eu particularmente acredito que as condições que a criança vive influencia sim, mas acho que não é apenas isso que vai moldar o caráter dela. Se fosse assim todas as pessoas que sofreram algum ato de violência quando criança seriam pessoas más hoje e o contrário também seria verdadeiro.

" O mal nada mais é do que um buraco que quer desesperadamente ser preenchido, detetive. Se a sua teoria estiver correta, se ele está realmente fazendo esse estudo, três casos são pouco para uma comparação. É melhor você se apressar, porque quem está fazendo isso vai matar mais."

O Sorriso da Hiena é um trilher psicológico onde o que nos move é a jornada dos personagens. Já sabemos quem está por trás dos crimes e o porque deles estarem sendo cometidos. Mas isso não interfere no suspense criado pelo autor e do começo ao fim do livro, temos uma história muito bem escrita e melhor ainda desenvolvida, onde todos os pontos vão se ligando e no fim o autor termina a história de uma maneira que eu não imaginava. E até precisei reler para ver se era aquilo mesmo. Jogada de mestre. Depois do livro lido virei fã do autor e preciso de outros livros dele.

Além da história magnifica, ainda temos personagens inesquecíveis. Geralmente temos um personagem que se destaca em histórias do gênero e outros que apesar de serem bons, são coadjuvantes para esse um. Mas aqui temos três ótimos personagens, e apesar de ter me encantado mais por um deles, tenho que reconhecer que os três são muito intrigantes. David, o assassino, é aquele personagem que você fica o tempo todo querendo que seja pego, mas ao mesmo tempo tem aquele senso de justiça que fica buzinando em nossos ouvidos. Ele está fazendo o que lhe ensinaram, mas ai vem aquela, ele está matando gente inocente. Meus sentimentos foram contraditórios a história inteira.

William foi outro que eu fiquei o tempo inteiro torcendo para que ele caísse na real e percebesse o que ele estava fazendo. Mas então em um momento ele entra em um caminho sem volta que me chocou. Ele representa a grande parte da sociedade que vê, mas finge que não e dorme em paz com aquele sentimento de "não fui eu". E já que aconteceu mesmo porque não posso tirar algum tipo de vantagem com isso? Mas meu personagem favorito sem dúvida alguma foi Artur. Eu não acredito em amor a primeira vista, mas foi o que aconteceu. Eu não sei explicar o que senti pelo personagem, mas sabe aquele tipo de pessoa que você queria que fosse real e fosse seu amigo? Aconteceu aqui.

Enfim, para não me alongar muito mais nessa resenha porque dai ninguém vai ler, e também esse livro é daqueles que tem que ser lido e apreciado, pois será uma experiencia única para cada leitor e por mais que eu fale sobre ele não será possível expressar o quanto ele é bom. Só me resta indicar o livro para quem gosta de ser surpreendido e ser envolvido por uma história. A edição está muito bem feita. E gostei muito de terem mantido a capa original. E quero agradecer a Tamires pela ótima indicação. E ao autor é claro por me presentear com o melhor livro que li até agora esse ano.

Nota: 






14 julho 2017

Sociedade, Eu e Nós

Existe formula perfeita da vida?
A sociedade disse que sou velha demais pra morar com meus pais.
A sociedade disse que estou velha para engravidar.
A sociedade disse que se eu escolher cuidar da casa e da família e não trabalhar fora, sou uma desocupada.
A sociedade disse que pra eu ser completa preciso "agarrar" um homem.
A sociedade disse que só sou uma pessoa bem sucedida se tiver no mínimo um carro.
A sociedade disse que devo não comer carne, parar com o café, emagrecer, comer carne, engordar...
A sociedade disse que ficar pra titia é algo muito triste.
A sociedade diz que não devo repetir a roupa várias vezes.
A sociedade disse que tenho que ter conquistado tudo aos 30.
A sociedade disse que não existe amizade entre homem e mulher.
A sociedade diz que se eu chorar sou sentimental demais. Mas se controlo minhas emoções sou fria.
A sociedade disse que o homem é quem deve dar o primeiro passo.
A sociedade impõe aos homens que devem sustentar a família e não pode chorar, não deve usar rosa e jamais brincar com brinquedos que seriam de meninas.

A vida não é um jogo de tabuleiro

A sociedade disse que mulher não pode ter muitos namorados, e que homens devem "pegar todas"
A mesma sociedade cobra de mim filhos, mas se optar em ter além de dois filhos eu sou irresponsável. Porém se minha escolha for não tê-los, sou egoísta.
A sociedade disse que meu cabelo cacheado tem ar de relaxado e que o liso é o modelo ideal para se ter sucesso.
A sociedade também disse que o liso é sem graça e que é melhor dar um volume nele.
A sociedade diz o que devo assistir. Diz também que devo me vestir conforme minha idade.
Quem é a sociedade para colocar o dedo em nossas caras e dizer o que devo gostar, o que não devo fazer, como fazer e onde ir?
A sociedade fala de mais e cobra além dos limites.
É hora da sociedade ficar quietinha e parar de fazer fórmulas da felicidade e do sucesso e enxergar que cada indivíduo é diferente, onde cada um tem seus sonhos e anseios.
E nossa parte é respeitar nossos limites e sonhos e deixar a sociedade falando sozinha.
A vida não é uma receita de bolo a ser seguida... O que você tem ou deixa de ter é consequência de suas escolhas. O ser humano que é você, é mais importante que o seus bens materiais...


Hoje esse texto é um grito daquilo que está entalado em muitas gargantas.
Não é uma reclamação e sim uma reflexão, uma forma de mostrar que é preciso dar um basta nas fórmulas de vida que nos impõem.

Com o amadurecimento, venho observando tantas coisas... E vejo que nossos pré-conceitos nos impedem muitas vezes de fazer algo que gostaríamos de fazer, às vezes é um simples penteado ou uma declaração de amor...

Mudar de ideia não é sinônimo de falta de personalidade e sim de amadurecimento...
Bjs



(Sim o texto é meu, caso se desejar usar, por favor colocar o devido crédito)




12 julho 2017

Resenha | Os Filhos da Tempestade - Rodrigo de Oliveira


Livro: Os Filhos da Tempestade
Série: ?
Gênero: Terror, Suspense e Mistério
Autor: Rodrigo de Oliveira
Editora: Planeta do Brasil
Páginas: 336
Ano: 2017

Resenha:
Foi em 1692 que Salém passou pelo período mais conturbado de sua história. Uma escrava contou a um grupo de garotas o que sabia sobre as tradições vodu e depois disso as garotas começaram a ter pesadelos e convulsões e até a agir como animais. Uma dessas garotas era filha do reverendo Samuel Parris e como o médico não encontrou nenhuma explicação racional para o que estava acontecendo, declarou que a garota era vitima de bruxaria. A cidade então foi tomada pelo pânico e liderados pelo juiz Samuel Sewall, uma verdadeira caça as bruxas teve início, com muitos inocentes sendo mortos. Cinco anos depois o episódio parece superado até que o juiz Sewall conhece Carol Smith e um suposto caso de bruxaria se apresenta novamente em suas mãos. Para não acontecer uma nova caça as bruxas, Sewall decide mandar Carol para ser julgada no Vaticano e justifica essa decisão dizendo que a questão é referente ao céu e ao inferno e nada mais justo do que os padres lidarem com ela. 

Carol embarca no galeão Vivian rumo a Europa. Ela fica isolada de todos, mas John um dos marujos, fica encarregado de sua alimentação e acaba se rendendo ao charme de Carol. Ela pede que John lhe traga uma rosa de presente e se possível seu medalhão que lhe foi tirado no momento em que foi presa. Incapaz de resistir, John trás o que ela pede, e quando entrega a rosa ele acaba ferido pelos  espinhos. Então Carol corta sua mão e une seu sangue ao de John dizendo que agora ele lhe pertence. Carol se entrega a John, que nem percebe que está fazendo amor em cima de um pentagrama. E enquanto isso uma tempestade surge do nada matando a todos no navio. Carol tira a vida de John e a oferece como um sacrifício para seu mestre, pedindo que ele salve sua vida. Mas seu mestre decide fazer algo melhor e com o sacrifício de Carol cria um pedaço do inferno na terra. Essa parte do mundo posteriormente seria conhecida como Triângulo das Bermudas.

Tiago não poderia estar mais empolgado. Ele vai viajar para o exterior sem seus pais e é sua primeira vez em um avião. Tiago vai para Los Angeles participar de um concurso musical com vários de seus colegas do conservatório de música. E ainda tem um bônus: Cíntia, a garota que ele está interessado, também vai nessa viagem. O avião sai do Rio de Janeiro com um tempo ótimo, mas quando chega no Caribe o comandante percebe uma grande tempestade e tenta desviar dela, mas não consegue e depois de muito pânico o avião cai no mar e menos de um terço da tripulação sobrevive à queda. E o pior ainda não tinha passado. Logo que os sobreviventes conseguem sair do avião eles são pegos por um redemoinho. Tiago pensou que tinha chegado a sua vez, mas ele acorda em um lugar completamente diferente. A primeira coisa que ele percebe é o céu claro sem nuvens e o Sol a pino, e segundo é que o lugar mais parece um cemitério de embarcações. E somente os adolescentes que estão vivos, todos maiores de dezoito morreram no redemoinho. É então que eles veem uma ilha. E eles percebem que não estão sozinhos. Mas a presença humana é o menor dos perigos que eles vão enfrentar.

"- Qual é, se ele conseguiu a gente também consegue. Sobrevivemos à queda de um avião em meio a uma tormenta! Somos os Filhos da Tempestade agora - Cíntia falou, em tom zombeteiro, desafiando os amigos."

Eu me apaixonei pela escrita do Rodrigo na série As Crônicas dos Mortos e quando vi que ele estava lançando um livro novo, é claro que já quis ler. Nem precisava saber nada sobre o livro e já sabia que ia gostar. E foi assim que comprei o livro, sem nem ler a sinopse. Só dai quando o livro chegou aqui em casa fiquei sabendo que era um livro que ia tratar de um assunto que sempre fui fascinada: o Triângulo das Bermudas. Eu assistia todos os filmes que sabia ser sobre isso. Navios, aviões que desapareciam naquele trecho. Eu que sempre fui fã de mistérios não tem como não ficar curiosa para saber se é verdade mesmo e o que realmente acontece por lá. Então imaginem minha ansiedade para a história. Um autor que amo, com um assunto que sempre fui fascinada. E ainda bem que minhas expectativas foram atendidas. O livro é tudo o que eu esperava e mais um pouco. 

O livro não é tão adulto como as Crônicas dos Mortos. Fora a primeira parte que é mais pesada, o restante vai acompanhar adolescentes, por isso a história é mais leve. Mas nem por isso deixa de ter aquela pegada de suspense misturada com terror, caraterística do autor. Depois do começo arrasador, temos uma acalmada na história quando nos é apresentado os adolescentes que acabam na ilha. Então vamos acompanhar a adaptação desses jovens, que não é nada fácil. Aqui o livro poderia ter sido dividido em primeira e segunda parte porque temos um outro personagem inserido na história. Uma adolescente colombiana acaba indo parar na ilha e encontra os já conhecidos personagens e eles vão viver uma nova aventura. E quando a gente pensa que tudo terminou, o autor deixa um gancho enorme para um próximo livro, que não sei se haverá ou não. E ainda faz uma revelação surpreendente. Fiquei de cara quando descobri.

Quanto aos personagens, temos três que tem mais destaque que os outros, Carol, Tiago e Melina, mas todos os outros são relevantes. Só uma dica: não se apegue. O autor continua tão mau como em As Crônicas dos Mortos e mata sem dó. Carol é a primeira personagem que aparece e é ela quem dá inicio a toda essa confusão. E mesmo não aparecendo ao longo da história, seu nome é citado o tempo todo. Tiago é um adolescente de quatorze anos que mostra muita maturidade e acaba se tornando o líder do grupo. E por fim Melina, a terceira protagonista que aparece no meio da história, mas que também é um dos pontos chaves de todo mistério. Enfim, é um livro que indico sem pensar duas vezes. A história é ótima e a edição está muito bonita. A capa tem tudo a ver com a história e logo que vi ela me lembrei dos filmes que assistia sobre o Triângulo das Bermudas. Se você assim como eu, é fã de um bom livro de suspense com toques de terror, esse livro é para você.

"Aquele lugar era maldito. Ele viciava, seduzia e aprisionava as pessoas. Era como uma gigantesca teia de aranha da qual era impossível escapar."

Nota:





10 julho 2017

Tag | Festa Junina Literária

Sei que estou um pouco atrasada para responder essa tag, mas como a festa junina aqui na minha cidade vai até o meio do mês de julho, está valendo hehe. Fui indicada para responder pela Priscila do blog Nas Tuas Páginas. A tag foi criada pela Lídia Munt, do Blog Uma Mente Inquieta.

E decidi fazer algo diferente. Vou responder a tag com livros que li a muitos anos atras, 15, 20 anos atrás. Assim não fica sempre os mesmos livros nas respostas e o pessoal mais novo acaba conhecendo novos, ou velhos, livros.

Livro Canjica: Um livro doce que devorou!
Esse foi o primeiro romance de época que eu li. E me apaixonei pelo gênero. Não sei se ainda tem para vender, acho que só em sebos. Mas li ele umas três vezes e todas elas eu devorei hehe.



Livro Quentão: Um livro hot que te esquentou do começo ao fim!
Esse também foi meu primeiro livro hot. Já tinha lido alguns do autor, mas nesse eu fiquei de cara. Ainda mais que era adolescente na época hehe.


Livro Correio Elegante: Um livro amorzinho que indicaria para todo mundo!
Esse era de uma série que tinha na biblioteca da escola e amei a história, o casal, o romance, tudo. Quem conseguir encontrar, vale a pena a leitura.


Livro Pescaria: Um livro que você não imaginaria que iria gostar, mas te fisgou!
Enquanto eu amava Agatha Christie e lia tudo dela, meu sobrinho era o louco da ficção científica. E quando ele me indicou esse livro, eu achei que não ia gostar porque não tinha lido muita coisa do gênero ainda e acabei amando.


Livro Milho Cozido: Um livro que você não leria novamente, uma vez já basta!
Eu tive que ler esse livro para fazer um trabalho na escola, e meu Deus que livro chato. Não leria novamente nem se me dessem 100 reais.



Livro Pé-de-moleque: Um livro que foi bem duro de chegar ao final!
Esse foi dificil de terminar porque eu morri de medo na verdade. Coloquei essa capa porque foi a que eu li, mas recentemente foi lançado uma bem mais bonita e também vem o filme por ai.



Livro Bandeirinhas: Um livro modinha que você teve de ler!
Bom esse não vai ser tão antigo porque não tinha isso de modinha antes. Isso aconteceu com a internet hehe. A modinha antes era ler série Vagalume hehe. Mas um que eu li porque estava dando o maior bafafá foi O Código Da Vinci.



Livro Quadrilha: Uma saga/trilogia que você ama!
Essa eu li na época do colégio também, mas foram outras edições que não consegui encontrar uma imagem com todos os livros juntos, por isso coloquei essa aqui mesmo. Essa série é incrível e eu li ela toda umas cinco vezes. O primeiro livro eu li umas dez. Mas ainda falta eu ler o último que foi lançado esses tempos atrás.



Livro Maçã do amor: Um romance bem açucarado!
Apesar de ser um livro de suspense, o romance é tão fofinho que eu tinha que citar ele aqui. Eu amei esse livro e li umas cinco vezes também.


Não vou indicar ninguém para responder porque já passou a data. Mas quem ainda quiser, fique à vontade. E ai, conheciam algum desses?




08 julho 2017

Resenha | Um Acordo de Cavalheiros - Lucy Vargas


Livro: Um Acordo de Cavalheiros
Série: Não
Gênero: Romance de Época
Autora: Lucy Vargas
Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 350
Ano: 2017

Resenha:
Dorothy Miller foi morar com seu tio quando tinha dez anos, e sua prima Cecilia dois. E quando a mãe de Cecilia morreu, Dorothy praticamente acabou de criar Cecilia, por isso ela sente que tem que proteger Cecilia e se acha na obrigação de conseguir um ótimo casamento para a prima, mesmo que ela mesma ainda não tenha se casado e aos vinte e seis já é considerada uma solteirona. Mas está dificil manter Cecilia na linha, mesmo com a ajuda da acompanhante dela a Sra. Clarke. Cecilia parece ter o dedo podre para homens e só se interessa pelos mais devassos. Logo a temporada em que Cecilia irá debutar vai ter inicio, e Dorothy espera conseguir logo um marido para a prima, antes de ficar louca com ela. Mas antes de irem para Londres, elas vão comparecer ao evento de pré-temporada na casa de Lady Russ. Quem sabe Cecilia já não sai de lá compromissada.

O que Dorothy nem imaginava era que não era Cecilia que ia sair da linha e sim ela, uma solteirona que não tem pretensões de se casar, mas que mantém uma reputação impecável perante a sociedade. Dorothy acorda na cama de Tristan Thorne, o conde de Wintry, o cavalheiro mais terrível dos salões londrinos. Quando acorda ela não consegue se lembrar como isso aconteceu, mas aos poucos sua memória vai voltando e uma cena dela com as pernas sobre os ombros de Lorde Winter, deixa seu rosto pegando fogo. E o pior foi que ela contou todos seus segredos para o cavalheiro em questão, inclusive que tinha perdido sua virgindade a sete anos atrás, com um homem que ela pensou estar apaixonada, mas que foi horrível e que para não ter que repetir o que aconteceu, ela decidiu que nunca ia se casar.

Mas Lorde Wintry também não pensa em casamento. Ele está bem do jeito que as coisas estão. Ele sabe que mesmo com sua reputação terrível, as mulheres fariam fila para fisgá-lo por causa do seu titulo e fortuna. Titulo esse que ele só tem porque seu meio-irmão, herdeiro legitimo, faleceu e como foi criado por uma tia um tanto quanto liberal demais para a sociedade, sua reputação não é das melhores. Mas Wintry tem um motivo para ter essa reputação, e ninguém sabe o quanto ele se esforçou para obtê-la. Porém ele nunca se envolveu com nenhuma dama respeitada, mas depois que teve Dorothy em seus braços, ele precisa tê-la outras vezes. Por isso ele propõe um acordo a Dorothy: que eles sejam amantes durante a temporada em Londres. Dorothy reluta, mas a curiosidade e o desejo falam mais alto e ela acaba aceitando. E enquanto a temporada está rolando, eles acabam envolvidos não só em um jogo de sedução, mas eles precisam confiar um no outro porque suas vidas estão correndo perigo.

"— Tão inocente e tão canalha... Temos um acordo de cavalheiros ou não?
— O senhor sabe que damas também tem honra, não é?
— É apenas um termo. Eu honro meus acordos.
— Eu também.
— Aperte a minha mão.
— Isso seria o maior erro da minha vida.
— Eu posso ser sua maior aventura e o melhor prazer da sua vida, mas não um erro. Não se arrependa de nada, Dot. Vai ser muito mais prazeroso."

Eu já tinha lido um livro da autora, Cartas do Passado, que amei e quando vi esse sendo lançado, me dei de presente. Como estou acostumada com os romances de época da Arqueiro, já comecei me surpreendendo com o tamanho da fonte. É bem maior. E por isso achei que ia ler ele mais rápido que os da Arqueiro, mas acabei demorando bem mais. Mas não achei isso ruim, porque a escrita da autora é bem detalhada e as cenas são tão bem escritas que a gente não quer perder nenhum detalhe. E temos de tudo nesse livro. Apesar do gênero ser um que já tem um enredo pré-determinado, a autora inovou, e teve praticamente de tudo nessa história. O principal é o romance, mas temos algo do gênero policial, já que Tristan é um espião e está a caça de algumas pessoas, e temos bastante cenas eróticas, mas nada vulgar e palavras de baixo calão (coisa que não gosto).

Quanto aos protagonistas, fala se muito de mocinhas a frente do seu tempo quando lemos algum livro do gênero e aqui o que me surpreendeu foi que o personagem a frente de seu tempo, e até do nosso tempo, é o cavalheiro. Ele é um feminista e foi um dos personagens que mais gostei de todos os romances de época que li até agora. É Tristan quem ensina Dorothy a gostar e valorizar o seu corpo. Ele tira dela aquela antiga ideia de que a mulher que não é mais virgem tem que sentir vergonha e culpa para o resto da vida, e tem algumas que até se sentem suja e menos por isso, e infelizmente essa ideia ainda está presente nos dias de hoje. Dorothy também é um personagem encantador. Dona de uma opinião forte, ela sabe o que quer e vai em frente com isso, mesmo que para isso ela precise quebrar todas as regras da época. A capa está linda, acho que já falei o quanto amo capas com vestidos hehe, e indico para todos que gostam ou querem conhecer o gênero.

"— Foi você quem me disse que uma mulher deve ser dona de suas escolhas. E que ela manda em seu corpo e em suas vontades. E ninguém deve ter o poder de lhe tirar isso."

Nota:







07 julho 2017

Parceria | L. F. Faria

Hoje venho apresentar para vocês o mais novo parceiro do blog. É o autor Luiz Fernando. A sinopse do livro chama muito a atenção. É só aguardar que logo tem resenha do livro por aqui.



O Autor:


L.F.Faria é escritor, ator, compositor e publicitário nascido em Jaboticabal, interior de SP. Apaixonado por séries e ficção científica desde pequeno, começou a escrever roteiros para peças de teatro da companhia local e depois para a televisão, após trabalhar no canal Disney Channel Brasil como ator em duas temporadas da série Quando Toca O Sino.
Quando entrou para a faculdade de publicidade teve a ideia de escrever o seu primeiro livro e disso resultou na vontade de desenvolver uma trama totalmente nova e diferente do que já havia trabalho. Então começou a escrever a série The Dark World em 2013 em seu tempo livre até que a estória de John se tornou seu passatempo diário.
Atualmente ele divide o seu tempo escrevendo os cinco volumes da série e produzindo o seu primeiro EP, “Concrete”, com lançamento previsto para 2017.

Sua Obra:


O que você faria para sobreviver?John Blake acorda perturbado em uma manhã quente de um verão londrino qualquer, após um pesadelo que mal ele sabia que poderia mudar toda a sua vida e também o seu primeiro trabalho. Quando ele chega ao Acampamento Blue Light, as coisas ficam obscuras e sombrias de um jeito que ele nunca imaginou: de noite humanos transformados em criaturas sem alma - Imortais - invadem o local e a destruição começa.
John não sabe com quem contar e se acredita que aquilo é real ou não. No meio do caos, ele conhece Ryan e Charlotte – dois jovens funcionários do acampamento – que também tentam fugir. Criando uma aliança eles seguem em direção a desconhecida e medieval cidade de Wells, onde tudo o que eles encontram é a escuridão.
Unindo as suas forças, desvendando mistérios e criando novos, eles irão lutar para sobreviver ao desconhecido enquanto o governo finge que não vê todo o caos na cidade e um homem misterioso surge tentando matar John e seus dois amigos mesmo que eles sobrevivam a tudo, e mesmo que isso significa destruir a humanidade.
Sobreviver é a palavra chave e as suas vidas estão prestes a mudar de um jeito que não haverá mais volta. “Escuridão” é o primeiro volume da série The Dark World, de L.F.Faria.




Contatos:

Facebook - Twitter - Skoob - Goodreads


Pontos de venda

 Amazon - Saraiva









05 julho 2017

Resenha | A Prisão do Rei - Victoria Aveyard


Livro: A Prisão do Rei
Série: A Rainha Vermelha #3
#1 A Rainha Vermelha
#2 A Espada de Vidro
Gênero: Distopia
Autora: Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Páginas: 552
Ano: 2017

Contém spoiler dos livros anteriores.

Resenha:
Apesar de ter sangue vermelho, Mare descobriu que tem poderes igual aos dos prateados. Para que ninguém descobrisse isso, o Rei fez Mare fingir que era uma prateada e noiva de Maven. Mas enquanto estava no palácio, Mare fez jogo duplo e passava informações para a Guarda Escarlate, um grupo de vermelhos rebeldes. Porém Mare confiou em quem não devia e foi traída. Tanto ela como o príncipe Cal se tornaram fugitivos. E enquanto se escondiam do novo rei, eles começaram a recrutar os vermelhos, que assim como a Mare, também tem poderes. Mas o rei Maven também sabia desses sanguenovos e se juntou a caça. E mais uma vez eles são traídos e são pegos por Maven. E para salvar seus amigos, Mare se entregou para Maven e agora ela é uma prisioneira do rei, com direito a uma coleira, cuja corrente fica na mão de Maven.

Mas depois que Mare expôs as mentiras de Maven e o corpo da rainha na televisão, Maven vem enfrentando uma pequena resistência das Casas Prateadas. Tem algumas Casas que querem Cal no poder. Mas nada que o rei não possa controlar. Por enquanto. E ainda mais tendo Mare como um cachorro aos seus pés. E ele não perde a oportunidade de mostrar o quanto Mare, segundo ele, a líder da Guarda Escarlate, está subjugada e sofrendo em suas mãos. Mare só pode odiar a todos de longe, já que onde vai, ela está acompanhada dos guardas da Casa Arven com seus poderes silenciadores. O único lugar que eles não estão é no banheiro de seu quarto, mas lá está cheio de Pedras Silenciosas e é uma agonia entrar lá. Mare já está há um mês sem sentir seus poderes e ela está definhando um pouco a cada dia. E finalmente Maven cede a pressão dos prateados e deixa Mare ser interrogada por Samson, primo de Elara e Mare tem que reviver seus piores pesadelos. E Samson faz com que Mare tenha saudades de Elara. 

Mas nada que Mare possa revelar sobre a Guarda Escarlate vai ser útil, já que assim que Mare foi levada por Maven, os outros avisaram o Coronel, e Tuck foi evacuada. Cameron não gostava de Mare, já que Mare não lhe deu escolha e ela foi obrigada a se juntar a Guarda, mas ela sente pelo o que Mare deve estar passando por ter salvado a vida deles. E enquanto Maven está torturando Mare, os vermelhos estão se rebelando por todos os lugares, sendo que em Corvium a coisa está por um fio. Mas Maven tem uma ideia, ele vai usar Mare para atrair os sanguenovos até ele. Ele obriga Mare a fazer um discurso contra a Guarda Escarlate e oferecer proteção aos sanguenovos. Mas a Guarda Escarlate não vai aceitar isso calada e eles decidem enfim dar início a essa guerra que vem sendo anunciada a tanto tempo. Resta saber qual lado Cal vai apoiar. O certo é que ele vai fazer tudo o que estiver ao seu alcance para tirar Mare das garras de seu irmão. 

"Quando o conheci, fui seduzida por sua dor. Ele era o menino na sombra, um filho esquecido. Eu me reconheci nele. Sempre atrás de Gisa, a estrela cintilante do mundo dos meus pais. Sei agora que foi proposital. Ele me enganou quando era príncipe, me atraindo para sua armadilha. Agora, estou na prisão do rei. Mas ele também está. Minhas correntes são as Pedras Silenciosas. As dele são a coroa."

A exemplo do livro anterior, esse terceiro livro também começa exatamente no ponto de onde parou o segundo. E de novo a narrativa é em primeira pessoa, mas temos uma diferença aqui. Eu prefiro mil vezes livros em terceira pessoa, porque quando é em primeira e a pessoa que está narrando não é tão interessante, a história se torna chata. Sem falar que ficamos preso somente ao que o narrador sabe e a visão dele dos outros personagens. No primeiro livro, A Rainha Vermelha, isso não me incomodou tanto, já que estava conhecendo um novo mundo e a história teve inúmeras traições e reviravoltas. Já no segundo, A Espada de Vidro, me senti bastante incomodada porque acabei desgostando bastante da Mare, a narradora. E quando comecei o terceiro livro fui surpreendida pela narrativa não ser exclusividade da Mare, o que foi um ponto muito positivo, mas assim como me surpreendi por isso, acabei surpreendida também pela pessoa que a autora escolheu para dar uma outra visão da história, Cameron.

Me perdoem os fãs da garota, mas nem ela sabe o que ela está fazendo na história, então qual foi o motivo da escolha, quando a autora poderia ter escolhido tantas outras pessoas mais interessantes que ela como a Farley, o Julian, o Coronel, o Cal e principalmente o Maven. Mas enfim, quando já tinha perdido as minhas esperanças, mais da metade do livro depois, a coisa muda de figura e Evangeline passa a narrar também. Ai a coisa melhorou e muito, com a narrativa de Evangeline podemos ter uma visão completamente diferente de tudo o que vinha sendo apresentado até então. Os horizontes se abriram. E infelizmente foi só ai, quase na página 300 que comecei a gostar da história. Até então foi um chove não molha e nem sei como consegui ler até lá. Para quem gosta de uma parte mais psicológica, vai ser um prato cheio, porque é nela que aprendemos mais sobre a personalidade e a razão dos atos de Maven. Mas eu que queria ação, achei essa primeira parte muito chata.

Quanto aos personagens, o livro gira praticamente em torno da Mare e os personagens secundários ficam um pouco esquecidos. Maven é quem mais aparece, mas eu ainda queria mais dele. E Mare muda a cada livro, por isso nem sei o que esperar dela no próximo. Ela é muito instável. Cal que era meu favorito até então, me deu muita raiva nesse livro, principalmente no final. Evangeline que eu odiava, acabou ganhando a minha simpatia. E os outros pouco fizeram para serem mencionados. Agora tenho que tirar o meu chapéu para a autora no quesito finais. Ela sabe como terminar uma história e deixar o leitor desesperado pelo próximo livro. Tomara que não demore muito para lançar o próximo, porque eu preciso saber o que vai acontecer. Quanto a edição, está tão linda quanto as anteriores e essa é a minha capa favorita entre as quatro, contando o livro de contos que eu não tenho. Enfim, foi o livro que menos gostei até agora, mas indico para os fãs da série, e sim, vou ler o próximo, porque preciso saber como termina essa história.

Nota: 




04 julho 2017

Tag dos 50%

Como já estamos na metade do ano, resolvi responder essa tag para vocês terem uma ideia de como foram minhas leituras até aqui.

1. O melhor livro que você leu até agora, em 2016.
Já li vários livros ótimos esse ano, mas vou ficar com o primeiro que li no ano e até agora nenhum superou ele, A Cidade dos Espelhos. Resenha Aqui.



2. A melhor continuação que você leu até agora, em 2016.
Filho das Sombras está entre os melhores que li esse ano. E foi tão bom quanto o primeiro da série. Resenha Aqui.



3. Algum lançamento do primeiro semestre que você ainda não leu, mas quer muito.
Ainda não li The Beauty Of Darkness. Comprei logo que lançou, mas como não li os anteriores ainda, não tem como ler ele hehe.



4. O livro mais aguardado do segundo semestre.
Sou meio por fora quando o assunto é lançamentos, geralmente só sei o que está sendo lançado quando vejo nos blogs ou no skoob hehe. Por isso não sei o que responder aqui.

5. O livro que mais te decepcionou esse ano.
Apesar de ter dado um Muito Bom para Desintegrados, eu esperava bem mais da história e acabei decepcionada. Resenha Aqui.



6. O livro que mais te surpreendeu esse ano.
Eu não esperava nada de Mentiras como o Amor e acabei amando o livro. Foi um dos livros que mais mexeram comigo não só esse ano, mas em toda uma vida como leitora. Resenha Aqui.



7. Novo autor favorito.
Eloisa James entrou na minha lista de autoras favoritas de romance de época. Amei o livro Quando a Bela Domou a Fera. Resenha Aqui.



8. A sua quedinha por personagem fictício mais recente.
Nessa fiquei dividida entre dois personagens. Piers Yelverton, o conde de Marchant de Quando a Bela Domou a Fera e Wulfric Bedwyn, o duque de Bewcastle. Mas como Wulf já é caso antigo, optei por ele. Resenha Aqui.



9. Seu personagem favorito mais recente.
Não sou muito de me ligar ao personagem em si, mas na história. Mas um que chamou a atenção foi a Kelsea de A Rainha de Tearling. Resenha Aqui.



10. Um livro que te fez chorar nesse primeiro semestre.
Eu me emocionei com alguns livros esse ano, mas vou citar um que além de me emocionar foi um dos melhores livros que li esse ano. Resenha Aqui.



11. Um livro que te deixou feliz nesse primeiro semestre.
Mônica e Enzo e Todos os Dias é um livro espetacular que depois que termina fica aquela sensação de que algo preencheu seu coração. É um livro que todos deveriam ler. Resenha aqui.


12. Melhor adaptação cinematográfica de um livro que você assistiu até agora, em 2016.
Nunca gosto das adaptações para falar a verdade, mas teve uma que gostei muito e chorei litros igual quando li o livro que foi A Cabana. Resenha Aqui.



13. Sua resenha favorita desse primeiro semestre.
Nunca fico totalmente satisfeita com as resenhas, mas vou de A Cabana porque foi uma que gostei muito de escrever.



14. O livro mais bonito que você comprou ou ganhou esse ano.
Eu comprei e ganhei vários livros lindos, mas o que eu fiquei admirando um tempão foi essa capa de Casada até Quarta. Ela é maravilhosa. Resenha Aqui.



15. Quais livros você precisa ou quer muito ler até o final do ano?
Eu queria era dar uma diminuída na minha lista de livros não lidos na verdade. Eu estava contando e estou com o mesmo tanto de livros não lidos na estante de quando começou o ano. Vou ver se consigo resolver isso hehe.





© Blog Prefácio ♥ 2016 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo