08 janeiro 2020

Resenha | A Maldição do Vencedor - Marie Rutkoski


Livro: A Maldição do Vencedor
Série: Trilogia do Vencedor #1
Gênero: Fantasia
Autora: Marie Rutkoski
Editora: Plataforma21
Páginas: 328
Ano: 2016

Resenha:
Após a Guerra de Herran, que foi vencida por Valória, os herranis se tornaram escravos em sua própria terra, que se tornou moradia dos valorianos. Um dos grandes nomes da guerra foi o tenente Trajan, hoje General. Kestrel é filha única do General, mas tem quase tão pouca liberdade quanto os herranis. Segundo os costumes de Valória, as mulheres não podem andar desacompanhadas a não ser que sejam soldadas ou mulheres casadas, e Kestrel não quer saber de nenhuma dessas duas opções, mesmo sendo pressionada pelo seu pai para se alistar no exercito. Até porque ela treina desde pequena, mas tanto ela como seu treinador, o capitão da guarda de seu pai, sabem que Kestrel não tem nenhum talento para o combate. Kestrel ama tocar piano, o que só é permitido para os escravos, e para não machucar suas mãos, ela pouco se esforça para aprender a lutar.

Como não tem muita coisa para se distrair, Kestrel vive perambulando pelo mercado da cidade, onde joga cartas com os marinheiros escondido do seu pai. E em um desses dias, Kestrel e sua melhor amiga Jess acabam indo parar no mercado de escravos. E sem saber o porquê, Kestrel que tanto anseia pela liberdade, acaba participando do leilão e comprando um dos escravos por um preço exorbitante, o que resulta em uma piada dos outros participantes do leilão dizendo que Kestrel está sofrendo da maldição do vencedor, que é quando a pessoa vence as ofertas, mas paga um valor muito maior do que o escravo realmente vale. Talvez o que despertou o interesse de Kestrel pelo escravo seja o leiloeiro dizer que ele sabe cantar, e mesmo sendo proibido aos valorianos, Kestrel tem um prazer especial na musica.

O nome do escravo é Arin e ele é colocado para trabalhar como ferreiro. Mas depois Kestrel decide que já que ela precisa de alguém andando atrás dela o tempo todo, esse alguém pode ser Arin. O que Kestrel nem imagina é que Arin foi colocado naquele leilão como uma isca, esperando que finalmente alguém da casa do General comprasse um escravo que pudesse trabalhar como um espião dentro da casa dele. Mas quanto mais tempo Arin passa ao lado de Kestrel, mais duvidas ele tem de que o que está fazendo seja o certo. Ele fica fascinado pela pessoa que ele descobre em Kestrel e quando percebe está apaixonado por ela. Agora resta decidir de que lado ele vai ficar quando a revolução estourar: do lado do seu povo ou da garota que aos poucos ganhou seu coração. 

"A frieza do seu cálculo a deixou horrorizada. Isso era parte do que a fazia resistir ao Exército: o fato de ela conseguir tomar decisões como aquela, de ela ter mesmo talento para a estratégia, de que as pessoas poderiam muito facilmente se tornar peças num jogo que ela estava decidida a vencer."

Está sendo bem dificil escrever essa resenha. Antes de dar a nota para ele fiquei sentada na frente do computador pensando mil vezes se dava um cinco ou um quatro, porque o livro é ótimo, e se eu tivesse lido ele antes de livros como Trono de Vidro ou A Rebelde do Deserto, não teria pensado duas vezes antes de dar nota máxima. Mas se comparar a esses livros que citei, ele apesar de ser ótimo, terá apenas um muito bom, porque não chega aos pés dos livros citados. Mas acabei me decidindo pelo cinco mesmo, porque apesar de tudo, é uma história que amei, com personagens incríveis que me fizeram torcer por eles e que terminou de uma forma que preciso da continuação para ontem.


Kestrel e Arin são o típico casal Romeu e Julieta. Seus povos são inimigos e no momento um povo é escravo do outro. E a autora soube desenvolver muito bem esse aspecto da história, todo o cenário politico e a parte da guerra foram muito bem escritos. Temos nas aulas de Kestrel, principalmente as aulas que ela tem com seu pai, onde ela aprende sobre estratégias, e nas "conversas" entre Kestrel e Arin, todo um cenário onde nos vemos inseridos na história e não como acontece em outros livros do gênero, onde apenas ouvimos falar sobre a situação em geral e não existe nenhum desenvolvimento. Pelo menos no primeiro livro, a história gira em torno da guerra e não deu para entender o porque o livro é classificado como fantasia. Vamos ver nos próximos volumes.

"A felicidade depende de ser livre", o pai de Kestrel sempre dizia, "e a liberdade depende de ter coragem".

Kestrel foi aquela protagonista na medida. Ela não tem nenhum "poder especial", e também não é a garota que fica esperando ser salva por algum homem. O foco é na sua inteligencia e é isso que ganha Arin. Aliás esse foi outro aspecto do livro que gostei bastante, não existem cenas e mais cenas de descrição dos protagonistas, como se aparência fosse mérito. O romance ente eles vai sendo construído conforme eles vão se conhecendo e aprendendo as qualidades e defeitos um do outro. E não tem nada de erótico também, eles mal dão um beijo na história, mas o amor está ali o tempo todo e cada um faz o seu sacrifício pelo outro. Arin é aquele personagem apaixonável, por ser a esperança do seu povo e por ter se apaixonado pela inimiga, é possível ver como ele usa de sua inteligencia para poder ter as duas coisas.

A história vai sendo construída aos poucos, e quando a gente vê o final se aproximando, a tensão está tão grande que a gente não sabe mais o que esperar e de como a autora vai resolver aquela situação. E amei o final e espero que as continuações continuem à altura da história. Quanto a edição, eu comprei o box com os três livros e quando chegou vi que os livros não tinham orelhas, o que me deixou bem chateada. Mas para compensar veio marcadores de todos os livros juntos, o que raramente acontece. E para finalizar eu indico o livro para quem gosta desse cenário de guerra e com muito jogo político bem desenvolvido. É uma leitura que vale muito a pena.

Nota:









17 comentários:

  1. Oi, Sil como vai? Que bom que a leitura tenha lhe agradado. Me parece ser um livro incrível. Abraço!


    https://lucianootacianopensamentosolto.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi Sil, essa capa é linda! Aliás, todas dessa série! Eu ainda não li, até tinha perdido o hype, mas agora com sua resenha a vontade voltou rsrsrsrs

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  3. Oii
    Olha, eu sempre quis ver alguma resenha desse livro e até agora nada. Já super amei, pois é um genero que apesar de eu não ser muito fã eu gosto de ler de vez em quando para relaxar. Não li os dois livros citados no seu texto, então acredito que por não ter essa influencia posso acabar gostando muito da maldição do vencedor.

    Silviane, blog Memento Mori• Siga no Instagram: @kzmirobooks

    ResponderExcluir
  4. Oi
    que bom que amou a leitura, apesar da dúvida da nota que iria dar, a personagem parece ser interessante, pois deve ser daquelas que corre atrás do que quer e que sabe-se defender. Gostei da resenha, essa é uma trilogia?

    http://momentocrivelli.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Oi, Sil! Tudo bom?
    Eu não consigo falar muito desse livro sem fazer sons de estrangulamento porque meu emocional fica assim JKANSFUOABGUOABASGUOBOAGUBAO a Kestrel é uma das minhas protagonistas favoritas, ô bichinha esperta que só ela. E ela e o Arin meu DEUS que casal!
    A trama política do segundo é fenomenal, comecei a reler hoje e já tô quase terminando UHASUHASUHASUHASUH o nível do surto :v

    Beijos,
    Denise Flaibam.
    www.queriaestarlendo.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi Sil!
    Eu acho esse livro tao inteligentemente brilhante. Nossa. Eu li faz uns dois anos esse volume e amei tanto a protagonista. Apesar de nao ter nada muito a favor dela, ainda sim, a Krestel consegue ser surpreendente. E o romance e fofo demais. To ansioso esse ano pra ler o volume 2 e o 3.

    Abraços
    Emerson
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Olá...
    Adorei sua resenha!
    Ainda não tinha ouvido falar dessa série, mas, pelo que pude perceber através de sua resenha e que estamos diante de uma fantasia incrível!!! Ainda não li nenhuma das séries que você usou como referencia então imagino que iniciar essa série sem nenhuma comparação vai ser ótimo pra mim <3

    Dica anotada <3

    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Amei sua resenha, é a primeira vez que vejo alguém falar sobre essa série e ela parece ser maravilhosa. Fiquei curiosa para conhecer a história a fundo! ❤

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  9. Oi Sil! Este livro parece ter uma história empolgante. Eu ganhei o meu em um evento da Editora e ainda não consegui ler, mas desse ano não passa. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  10. Bom... só eu acho que as orelhas não servem pra nada, kkkk. Espero que se empolguei bastante com a trama. Um abraço.

    ResponderExcluir
  11. Oi Sil, amei a capa e adorei que o box vem com marcadores de todos os livros, deveria ser sempre assim, não acha?!
    Adorei saber que o livro te ganhou e que deixou um gostinho de quero mais, vou querer ler a sua opinião dos outros livros!

    Beijos Mila

    Daily of Books Mila

    ResponderExcluir
  12. Oi Sil,
    eu quero muito ler esses livros. Não sabia muito bem da história, só via por cima. Mas espero muito ler. Não sabia que tinha o box. Muito legal isso dos marcadores.
    Beijos
    https://blog-apaixonadaporpalavras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Oi Sil,
    Eu li esse livro há alguns anos e nunca terminei a série pelo preço das obras na época, porém lembro que a adorei! Faz sentido com o que você disse... Talvez eu gostei mais por ter lido antes de Trono de Vidro, a Sarah J Maas resignificou fantasias/distopias e agora precisará de muito para alcançar esse patamar.
    Mas que eu babo nessas capas... Ah, como eu babo... rs
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Oi Sil! Eu tenho muita curiosidade de ler essa trilogia, todo mundo sempre fala tão bem! Fiquei ainda mais curiosa agora em ver as suas impressões sobre o livro. E as capas são lindas demais - dá vontade de ter tudo na estante! Os Delírios Literários de Lex

    ResponderExcluir
  15. Oi Sil. Tudo bem?
    Lendo sua reflexão para decidir a nora do livro eu lembrei de quando li "A seleção" e dei 5 estrelas ,porque gostei do fundo político e etc.Porque o romance eu achei tão bobo que eu queria que a América ficasse com o Maxon porque achava os dois indecisos demais portanto se mereciam kkk.
    Hoje que li mais algumas distopias percebo que eu não chegaria nem perto das 5 estrelas se não tivesse sido a primeira( segunda se contar "Fahrenheit 451") distopia que eu li.

    Amei sua resenha

    Beijos


    Mundinho quase perfeito

    ResponderExcluir

© Blog Prefácio ♥ 2016 - Todos os direitos reservados ♥ Criado por: Taty Salazar || Tecnologia do Blogger. imagem-logo